PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

domingo, 7 de setembro de 2014

AnáliseMorte: Alice Madness Returns

Alice Madness Returns



Essa análise não promete ser muito longa, depois da última do KH, fiquei meio cansadão de digitar.

Esse jogo é a sequencia de American Mcgee Alice, então se quer realmente entender ele, recomendo que leia a análise (clicando no nome em vermelho) do primeiro jogo antes de continuar.

Ele foi lançado pra PC, Xbox360 e PS3, e de quebra, tem o primeiro jogo incluso, além de ter um monte de textos que explicam a história detalhe por detalhe. Então, se achar melhor, você pode ler esses textos direto do jogo.

Mas, se ainda assim ta afim de continuar sua leitura da análise, não se preocupe, meu foco não é explicar o jogo em seus mínimos detalhes, nem explicar o lado negro das coisas. Só quero registrar esse game no blog e também, explicar algumas coisas que entendi dele. Não há nada que seja estupidamente revelador, mas tem coisas legais pra falar e algumas curiosidades, então... Ah é: TEM SPOILER!

Boa leitura



Bem, aqui conhecemos a continuação do primeiro jogo, que por sua vez era continuação imaginada por American Mcgee do clássico "Alice no Pais das Maravilhas".

A ideia por trás dessas versões macabras do Mcgee é justamente explorar o lado macabro de Alice.

"Alice no Pais das Maravilhas" já era um conto meio maluco, e com essa visão bizarra de Mcgee só ficou ainda mais insano.


Antes de tudo, falarei da beleza de Madness Returns.


O jogo é no estilo Aventura e Ação, com elementos de Puzzle.


Ele possui alguns elementos que remetem ao horror, e coisas assustadoras até, mas não chega a ser um jogo de terror ou horror. Se parar pra pensar, é um jogo com uma união de muitos elementos diferentes, de estilos diferentes.


Em jogabilidade, ele é bem variado, e isso deixa tudo bem mais legal de se jogar. A história é separada em capítulos, e cada capítulo tem todo um formato novo, e ainda conta com um tipo de Puzzle específico.


Esses puzzles são legais e interessantes, e de inicio são parte do capítulo, mas depois se tornam literalmente puzzles, se misturando as fases bônus.


Legal disso é que tudo fica tão maluco que, fica a cara de Alice.


O melhor é que é tudo muito bonito, bem feito, bem desenhado e agradável, além de perturbador.


É complicado descrever esse game, pois ele é lindo e feio ao mesmo tempo. A história dele é muito perturbadora, e o jogo também, mas ele foi feito de forma tão colorida e bonitinha que chega enganar a primeira vista. Claro que isso não dura muito, pois tirando os traços lindinhos e fofinhos, há uma constante trilha sonora que da frio na espinha e sempre há alguma referência tão chocante que não da pra ignorar.


Exemplo, no final do jogo você... ah... é difícil dar 1 exemplo apenas. Eu vou contar a história e bem, depois completo a análise.


Alice Madness Returns


Alice Liddell é o nome dela, uma mocinha que acabou de deixar o manicômio, como órfã, pois toda sua família morreu num incêndio aparentemente provocado por ela.  

Alice vem sendo tratada num orfanato, e acompanhada por um doutor que tem como objetivo apagar as lembranças ruins dela fazendo ela mergulhar em seu mundo imaginário. Porém, algo impede que Alice esqueça tudo, e é ai que a aventura começa. 
O País das Maravilhas começa a se corromper e distorcer, infectado por algo, tornando ele ainda pior do que quando a Rainha tentou ferrar com a mente de Alice.  
Um Trem enorme surge e começa a arrasar o Pais das Maravilhas, e enquanto tudo era destruído, Alice cambaleava entre a realidade de seus dois mundos. 

Alice estava acordando, hora no mundo real, hora no país das maravilhas, e isso só fazia ela parecer ainda mais louca para quem a via no mundo real.  
Seu refúgio sempre foi seu mundo feliz e imaginário, mágico, fantasioso, porém o mesmo estava nojento, repulsivo, contaminado com figuras horripilantes e memórias fragmentadas.  

Alice passeia pelo novo país das maravilhas, em busca de seus antigos amigos e  inimigos, para conseguir respostas para o que estava acontecendo. 
Com o tempo, Alice descobre que o mundo estava se modificando pois ela estava esquecendo algo que não deveria esquecer. Ela descobre que suas memórias fragmentadas escondiam um segredo que talvez retiraria toda a culpa dela sobre a estranha morte de seus pais. 

Ao se aprofundar em seu subconsciente, descobre que na realidade, não foi ela quem provocou o incêndio que matou seus pais e sua irmã, e pior, ela junta todas as peças e descobre que uma quinta pessoa estava em sua casa no dia do incêndio.  
Alice percebe então que durante toda sua vida foi manipulada por essa pessoa e enlouquecida, usada como bode expiatório de um criminoso. 

Por fim descobre que o Doutor que a tratava era o assassino de sua familia, e ele estava tentando fazer Alice, a louca, assumir a culpa.  

Ele quase conseguiu, porém Alice abriu os olhos, com ajuda de seus amigos e inimigos do mundo das maravilhas e por fim, fez justiça com as próprias mãos.  
Tirando um monstro do mundo real e do mundo das maravilhas, salvando as duas realidades, ao mesmo tempo.


Bacana né? Eu sei, não contei a história em seus mínimos detalhes, e na realidade eu não o farei, pois não acho certo nem prático dissecar um jogo tão belo quanto este. Mas, como eu terei de explicar as personagens e referências do jogo, afinal esse é o dever de uma análisemorte, acabarei falando todos os detalhes, querendo ou não.

Mas, a história do jogo é basicamente essa. 

Personagens

O jogo tem uma história simples, porém ela é dividida e contada em um gameplay longo, onde a personagem passa por vários locais diferentes do corrompido País das Maravilhas. Em cada um desses locais, ela se depara com personagens antigos e já conhecidos, alterados por eventos que se seguiram após sua antiga aventura, ou por causa da corrupção recente.


Alice Liddell




Ela é a protagonista, a não mais pequena Alice.

Ela é uma só, com uma única personalidade porém, ela muda seu aspecto e estilo dependendo de onde se encontra. 



Em seu mundo imaginário, ela muda de vestido para se adaptar ao ambiente. No mundo real, ela sempre anda com o mesmo vestido sem vida, cinzento e xadrez. Seus vestidos no País das Maravilhas são lindos, reluzentes, enfeitados, coloridos, detalhados, e são dessa forma pois é seu mundo, e em seu mundo, ela pode se vestir como bem entende. 



Também há uma certa ligação entre seus vestidos e seu emocional, onde dependendo de como ela se sente, os vestidos tomam forma, deixando ela ainda mais brava e corajosa, resistente e veloz, forte e versátil, etc. 



Tanto que, no final do jogo, ela assume seu vestido principal no mundo real, onde tudo fica misturado em sua cabeça e sua bravura toma conta, permitindo que ela tome uma decisão perigosa porém, apesar de tudo, lógica. Alice empurrou seu inimigo nos trilhos do trem, pois como ele mesmo disse "Ninguém acreditaria na verdade de uma louca." E Alice havia descoberto que ele era o assassino de sua família, dentre outros crimes, e por injuria dele sair impune, ela decidiu mata-lo e em seguida, se refugiar em seu mundo maravilhoso.



Sobre essas viagens de Alice, elas são involuntárias. Acontecem dependendo do emocional dela, e ela fica presa no pais das maravilhas até se resolver emocionalmente, por dias. Ou seja, sempre que ela passa do mundo real pro mundo imaginário, ela fica dias presa la, lutando, tentando salvar sua mente, e depois acorda no mundo real, enfrentando as consequências de seu estado "desligado". Essa é sua loucura. 



Por exemplo, no começo do jogo ela passa pelo local onde o túnel do Trem está sendo construído ainda... o mesmo trem que iria servir de carrasco para seu maior inimigo. 



O tempo na cabeça de Alice flui de forma muito bagunçada, e ela mesma passa a deixar de distinguir realidade de imaginação, e de certa forma, o país das maravilhas faz parte concreta do mundo que Alice vive, e existe, ao menos pra ela.


Gato Sorridente


O gato feliz que teve a cabeça estourada no último jogo, e voltou a vida quando Alice resetou seu estado mental e salvou o país das maravilhas do colapso.


Ele continua magrelo e meio debilitado fisicamente, mas permanece sábio e filosófico. Ele aparece com muito mais frequência agora, e desaparece também (talvez medo de explodir de novo). Sempre que ele surge, trás uma mensagem ou duas, orientando Alice ou criticando ela, sempre tentando ajuda-la e aconselha-la. 

Ao fundo aparece a Tartaruga Falsa dando um salve...

O gato é isso, o guia de Alice no país das maravilhas e seu principal conselheiro. "Principal" pois todos no país gostam de palpitar e aconselhar. Todos tem alguma lição de moral pra ela, mas o Gato é aquele que está sempre perto dela, sempre observando. Ele fica sempre invisível, mas quando acha necessário se revela e conversa. Ele também é o único que surge em todos os cantos do País das Maravilhas, afinal, ele acompanha Alice de perto.


No começo do jogo, Alice segue um Gato branco até um beco, onde ela cambaleia entre as realidades pela primeira vez depois de iniciar sua terapia. Essa cambaleada iniciou tudo, e é a partir daí que ela tenta salvar sua mente.


Pois bem, o gato provavelmente lembrou Alice do Gato Sorridente e por esta razão, ele sempre está a frente em suas visitas ao mundo das maravilhas. Se pensar bem, o Gato desempenha um papel muito mais importante do que o clássico Coelho Branco.


Coelho Branco


O Coelho Branco e Atrasado que foi esmagado pelo Chapeleiro Maluco na última visita de Alice, mas retornou quando ela salvou a si mesma. 



Ele é assustadoramente feio e, passa longe de ser um coelho agradável. Não me recordo de quantas vezes ele apareceu no jogo, justamente por isso sei que não foram muitas. Alice só o encontra pra conhecer o estranho Trem que vem destruindo tudo em seu mundo. Mas pra ser sincero esse coelho dessa vez não é o objetivo de Alice, nem mesmo um dos. Alice tem várias perguntas pra responder, e o Coelho não parece ter as respostas dessa vez. Tanto que após encontra-lo ela decide procurar por alguém mais sábio, como o Chapeleiro Maluco ou a Lagarta. 



O Coelho pode significar justamente isso, a maturidade de Alice em buscar por seus próprios objetivos por conta própria, sem contar com o acaso, como era em sua versão infantil ou até mesmo, no jogo anterior. Decidida, ela se vê livre de correr atrás do coelho perdido e atrasado. 


Chapeleiro Malucóvsky


O mesmo cara gigante e bizarro meio "homem" meio máquina que foi o vilão do jogo anterior, viciado em chá.

O Chapeleiro recebeu o que merecia, e após ter sido derrotado legal por seguir as ordens da Rainha, ele foi deixado aos cuidados da Lebre e do Ratinho. Pois é, eles o dividiram, tomaram conta de tudo que era dele, e tocaram o terror.



Pra variar, a Lebre e o Ratinho que eram as vítimas loucas anteriormente, trocaram de lugar com o Chapeleiro e passaram a conduzir a "Mesa de Chá" da forma mais insana e desorientada possível. O Chapeleiro Maluco pede para Alice restaura-lo e ajuda-lo a recuperar seu lugar, em troca de informações de como salvar o país das maravilhas dessa vez. 


É legal isso, pois é ai que Alice percebe que está lutando contra um mal muito maior do que a Rainha, e a desordem em sua mente está sendo produzida por algo muito mais aterrorizante e perturbador.

Quando o chapeleiro louco mata seus amigos, Alice se liberta temporariamente da confusão e retorna pro mundo real.


Lebre e Ratinho




Eles são vilões agora, e como Alice tenta ajudar o Chapeleiro por causa do acordo que fez com ele, eles querem dividi-la em 5 partes também.

Eles não são maus, apenas ficam tentando impedir que Alice pegue os membros do Chapeleiro, que eles reaproveitaram em seu estabelecimento de Chá.



A insanidade dos três beira o ridículo, tanto que a Lebre o e Ratinho chegam a construir um Robo gigante para enfrentar Alice... 



Mas o mesmo é destruído pelo Chapeleiro que, logo em seguida, chora a morte de seus amigos e fica fazendo drama com seus corpos, tentando dar chá pra eles. Geral é louco nesse mundo, mas no território desses três, loucura é apelido.



Talvez, A Lebre e o Ratinho simbolizem a loucura de Alice e a indiferença dela com relação as demais pessoas, sendo elas próximas ou não, e o mesmo se aplicaria ao Chapeleiro. Digo talvez porque, eles são loucos de mais pra tentar interpretar. A "Mesa de Chá" seria como um ambiente familiar comum de Alice, distorcido pela insanidade pois tudo o que ela tem e conhece sobre família ficou confuso de distorcido, incompleto, por causa do acidente e de como ela viveu posteriormente.



Tartaruga Falsa



A mesma tartaruga que Alice ajudou a recuperar seu casto no jogo anterior, volta como Capitã.



Ela era maquinista da ferrovia do país das maravilhas, e quem melhor pra consultar do que ela sobre um estranho trem destruindo tudo que existe?

Alice a encontra e descobre que ela foi forçada a abandonar o cargo, demitida, e agora trabalha como Capitã de um barco submarino.




A Tartaruga leva Alice para visitar o mundo submerso e assistir um show da Morsa e Carpinteiro.



O significado e representação da Tartaruga é o descontentamento de Alice com a forma como as pessoas lhe veem, mesmo ela se esforçando pra fazer o melhor, sempre, todos a condenam e rebaixam, remanejam e nunca reconhecem seu potencial. Se é que tem significado, porque aqui ela só aparece para conectar Alice ao momento mais violento e bizarro do jogo todo.


Morsa e Carpinteiro


Esses não apareceram no jogo anterior, porém são personagens clássicos de Alice no País das Maravilhas.



Na história original, Alice conhece a história deles, que fazem algo incrivelmente bizarro e violento, de forma tão natural que parece normal. Porém, aqui a mesma coisa é mostrada da forma como realmente aconteceria.


                                              Mas eles se alimentam de Ostras, isso é normal!
                                                     Ou comem alguns peixes e coisa e tal. 
                                                  Realmente, se olhar bem, tem um lado mal.   
                                                      Talvez algo assim pode soar canibal. 
                                                 Em um mundo onde tudo que existe é igual. 
 .                                                                                    
...Uau... 

Na animação de Alice não mostra, mas a carnificina gerada pelo "almoço" do Carpinteiro e da Morsa é óbvia.



Aqui, temos a chance de acompanhar tal processo, onde o Carpinteiro gerencia uma obra teatral, na qual a Morsa é um dos astros, e as Ostras são dançarinas. Em meio a música sobre a Morte, a Morsa que a representava se empolga e, como parte do show, todos são devorados. Só que, diferente da poética versão original, aqui a violência não é omissa.



Curioso isso, porque é nessas horas que se descobre que a versão de Mcgee não foge tanto ao roteiro original.

Enfim, após assistir a bela obra produzida por eles, Alice vê a parte onde o Trem participa e destrói tudo que já não estava tão destruído assim e acorda.

O Carpinteiro e a Morsa seriam como Alice enfrentando e encarando o próprio Realismo. A Realidade nua e crua, onde o sofrimento de uns é o prazer de outros.



Lagarta





A Lagarta sábia que vira borboleta 500 vezes, em todas as histórias de Alice.



Ela, que no jogo anterior foi um dos grandes sábios que ajudaram Alice, aqui também é procurada com esse mesmo fim.

Alice busca descobrir mais sobre seu fragmentado passado e a Lagarta seria uma grande ajuda, porém para alcança-la, ela fica num tamanho ainda mais minúsculo do que o comum e entra no mundo dos insetos. No topo da montanha estilo bonsai, ela encontra a Lagarta, perto de se transmutar.



Claro que o Trem estraga tudo, mas antes disso, a Lagarta filosofa sobre grandes mudanças e as coisas de sempre, e pra finalizar orienta Alice a procurar por ninguém mais ninguém menos que a Rainha de Copas.

A Lagarta é meio óbvia de se interpretar, é lógico que ela representa as transformações de Alice e aquela baboseira sobre ela ficar num casulo até virar uma borboleta, referindo-se ao crescimento psicológico e até físico de Alice.


Rainha de Copas


A mesma rainha que Alice matou, que antes era uma união entre todas as principais consciências de Alice (Chapeleiro, Rainha e Alice) agora, toma a forma de sua irmã mais velha, Lizzie Liddell, aquela que morreu no incêndio.



Ainda assim, sua maldade é a mesma, e mesmo querendo a todo custo ferrar com Alice, ela também quer "salvar" o País das Maravilhas, afinal ela faz parte dele, e ele só existe se Alice existir, e o trem estava arrasando com tudo.



A Rainha orienta Alice a lutar, e também ajuda ela a juntar as peças do quebra-cabeças e descobrir o real vilão da história: O Assassino de sua família.

Entretanto, é preciso ressaltar que ela é bizarra, tão bizarra que o castelo inteiro é feito de sua própria carne (tal qual da pra fazer até um belo vestido pra Alice) e ela tomou conta de todos os outros reinos também, inclusive devastou todos do reino de xadrez.



A Rainha de Copas é a representação da hierarquia na mente de Alice, e os reais mestres da mesma. Quem manda, acima de tudo, e quem tem poder para controlar Alice. Claro que, Alice a derrota, significando que quem manda é ela, e o fato dela tomar a forma de sua irmã, é apenas uma referência as memórias bagunçadas de Alice a respeito de sua família amada, e a forma como as mesmas a afetavam.


Gêmeos Gordos


Os gordinhos que no jogo anterior foram inimigos do manicômio, aqui só são referências a enfermeiros do mesmo.

Esse é um dos momentos curiosos do jogo. Quando Alice encontra os gêmeos, ela está internada, careca, presa. Só que o que a levou de volta ao internato não fica tão claro... sabe-se apenas que algo que ela fez enquanto estava "desligada" a levou de volta ao hospital... porém... ela sai de la muito facilmente, pela porta da frente, completamente restaurada, com cabelo e tudo mais. Aí fica difícil dizer se a passagem dela no manicômio aconteceu mesmo pela segunda vez, ou se foi coisa da cabeça confusa dela, relembrando o passado e mesclando as memórias recentes, formando uma lembrança falsa de algo que aconteceu.



Durante todo seu estado internado, ela fica completamente confusa, viajando entre as duas realidades. Isso indica que nada do que estava acontecendo era real. O fato dela sair facilmente também implica que provavelmente ela nem tenha voltado pro hospital de fato, ou, que ela nunca saiu de la.



Daí surge outro problema: Se ela nunca saiu, o final do jogo não seria possível, não seria real. E o jogo teria acabado ali, no hospital. Mas o jogo continua, porque a consciência de Alice continua... e bem, tudo que se seguiu foi parte de seu próprio mundo.



Então, tecnicamente, daria pra definir dois finais, um bom e um ruim, de Alice Madness Returns, a partir desse momento.



Eu sei, eu deveria falar dos gordinhos, só que eles são apenas os personagens que perfuram e tratam a mente de Alice, são apenas enfermeiros revistos pelos olhos dela. Na dúvida, só olhar pra essa imagem:



Continuando, se Alice fosse parar no manicômio pela segunda vez, ela não sairia mais. Ela chegou a ser inclusive presa em uma de suas viagens, mas não internada. Se algo a levasse de volta, ela não sairia, pois já era maior de idade e já tinha um belo histórico.

Logo, quando ela encontra os gordinhos, ela já estava viajando, reimaginando a realidade real. Era só uma passagem pelo País das Maravilhas, onde a realidade era revista.

Seu medo de voltar para o hospício, a fez criar um lugar dentro do País das Maravilhas que retratasse o mundo real caso ela fizesse as escolhas certas. Se ela decidisse contar a verdade, e o que descobriu sobre o Assassino real de sua família, ela seria vista como louca novamente, e internada.


Isso lhe ajudou a tomar sua decisão final, e enfrentar seu inimigo diretamente.


Doutor Assassino



Esse é o médico que tanto causou mal a Alice Liddell. 

Quando ele aparece, é como dono de uma fábrica de Bonecas, que fabrica todas as bonecas do mundo de Alice. Tudo isso são referências e mais referências ao Orfanato, gerenciado pelo mesmo doutor, e as crianças do mesmo, que eram cuidadas, transformadas e manipuladas por ele, para se tornarem "brinquedos para adultos".



Pois é, mais um espaço dedicado a uma única decisão de Alice. Ela precisava encarar o maldito médico, mas como fazê-lo sem ir parar no manicômio? Não havia forma de fazê-lo ser preso, nem de denuncia-lo com sucesso. Alice conhecia muito bem a realidade em que os outros viviam, e a sua própria, e sabia o que era possível e também, as consequências do que fazia.

Querendo ou não, só havia um meio de deter o doutor e salvar as demais bonecas. Alice precisaria se tornar uma de suas bonecas e usaria o trem para detê-lo. No sentido figurado e literal, no mundo real e no mundo maravilhoso. Alice tinha de fazer isso.



Alice então o enfrenta, como um monstro nojento e gigante, e usa o trem para chegar até ele, e em seguida, destruí-lo.

Ela luta contra suas mãos e língua, isso em seu mundo imaginário. Lembrando que Alice se desliga do mundo real por dias, quando fica no país das maravilhas, é possível deduzir o que houve nesse meio tempo.



Enquanto Alice viajava pela região das Casas de Bonecas e lutava para salvar suas amigas bonecas e bonecos contra outros bonecos e bonecas gigantes e corrompidos, além dela mesma se converter numa boneca, no mundo real ela passava por experiências ruins, seu corpo ao menos, pois sua mente estava lutando para sobreviver e se manter intacta, afim de um dia trazer justiça.



Ela esperou até o trem chegar, ficar pronto, e no dia em que surgiu a oportunidade de acabar com o médico, ela o fez.


Não importasse as consequências dessa escolha, era tudo o que Alice poderia fazer e ela fez.


Pessoas

Enquanto Alice interage com vários personagens imaginários, dentro de sua própria cabeça, ela também interage com personagens reais, no mundo real. Interação breve porém significativa por causa de quatro figuras:

Mulher dos Pombos

Essa senhora acolheu Alice por um tempo após ela sair no manicômio.



Ela é viciada em alimentar pombos e, apesar de ter ajudado Alice, ela tem o péssimo costume de desviar dinheiro da Alice para alimentar seu vício. Ela tirou ela da sarjeta por assim dizer, antes dela passar a viver no orfanato, mas toda sua herança foi roubada por ela, com a desculpa de ser um "pagamento pelos seus favores". 




Ela é vista como um dos muitos monstros que prejudicou Alice, que devora seus bens por mera ganância, como muitos outros homens e mulheres do mundo real. Monstros.


Doutor

Esse é o Doutor Assassino.



Antes de ter sua real identidade descoberta por Alice, ele era quem cuidava dela e de seu estado mental, tratando ela com psiquiatria, dizendo que "É melhor esquecer". Seu trabalho no orfanato era, além de gerenciar o mesmo, fazer as crianças viverem bem consigo mesmas, esquecendo seus passados dolorosos. Claro que, ele também tinha lucros, através das meninas que ele manipulava para se converterem em prostitutas. 



Esse cara é o monstro final que Alice derrota, e joga nos trilhos do recém inaugurado trem. Mas, o maldito viveu tempo suficiente para abusar dela, de suas colegas e quase de sua irmã, a Lizzie, que ele matou como queima de arquivo, junto com os pais de Alice, e como Alice sobreviveu, ele tomou para si a responsabilidade de fazê-la esquecer tudo e, aproveitando seu confuso estado psicológico, manipular ela para jamais contar a verdade. Caso um dia ela se lembrasse e contasse, seria considerada louca e desacreditável suficiente para ninguém confiar em suas palavras.


Moça do Bordel




Essa senhora também foi uma dos que cuidaram de Alice por um tempo.



Ela tentou convencer Alice a vender seu corpo para viver melhor, melhor do que no Orfanato. Mas Alice jamais deixou ser usada, pelo menos não até aquele momento, e preferiu viver entre crianças a passar para um mundo adulto, cruel e nojento. 

Essa mulher da vida foi contratada para "cuidar" de Alice enquanto ela estava adormecida no País das Maravilhas. Se isso é correto ou não, não sei, mas essa mulher acabou se tornando uma amiga de Alice, pelo menos o mais próximo disso.



Durante uma das visitas de Alice, ela foi vítima de um Cafetão que queria dinheiro e quase morreu num incêndio, e posteriormente, esse cara foi preso por assassinar alguém, jogando a culpa do crime na própria Alice. Talvez, ela tenha se vingado do que ele lhe fez, inconscientemente, estripando alguém em seu lugar e incriminando ele, ou, apenas foi alvo de seu ódio e tentativa de incrimina-la... quem sabe.


Homem de Pijama



Esse cara foi quem deu o laudo final de Alice.



Ele disse que Alice estava louca e basicamente, é por causa dele que ela continuou internada por tanto tempo. Depois de livre e encaminhada para o Orfanato, Alice perdeu seu coelho de pelúcia pra esse mesmo doutor, e quando foi busca-lo, acabou descobrindo que o mesmo havia falido e não tinha mais seu consultório.

É importante dizer que não apenas ele, mas a Mulher dos Pombos e a Moça do Bordel também foram testemunhas da confissão de Alice a respeito do assassinato de seus pais. Inconsciente, ela disse que havia matado seus pais e que era a real culpada pelo incêndio, descrevendo-o enquanto passava pelas aventuras do primeiro jogo. 




Essas três pessoas ouviram tudo, e depois disso, Alice passou por culpada. Pra quem não se recorda, durante o primeiro jogo um dragão aparece e joga toda a culpa do incêndio em Alice, e a mesma luta contra isso até aceitar a verdade, no fim, e derrotar a Rainha de Copas. Durante todo esse processo, Alice ficava resmungando e murmurando coisas no mundo real, e no fim, ela acabou repetindo as palavras do dragão, assumindo a culpa sem saber. Mas nesse jogo, ela descobre a verdade, graças ao trem.



Inimigos

São muitos inimigos, e pra liberar alguns é preciso jogar no modo "hard". Só que, eu joguei no modo normal e, vou falar dos personagens básicos pra história:


Sombras Corruptas


Essas figuras feitas de gosma preta são muito recorrentes na aventura de Alice. São monstros pretos com cabeças e partes de bonecas. 


Eles são agentes da corrupção da mente e memórias e Alice. Aparecem como pragas, para infectar e impregnar a mente dela, lambuzando tudo com essa gosma viscosa de coloração negra e manchando toda a mente dela, com pura corrupção. No caso, elas usam partes de bonecas, o que indica que quem as criou foi o Doutor, logo, são como as mentiras do doutor personificadas. 

Figuras do País das Maravilhas


São inimigos baseados em monstros ou seres do próprio país das maravilhas. Tem Peixes Carnívoros, Homens com Colheres Gigantes, tipo gnomos, Parafusos com Asas, coisas assim. A maioria nem chega a dialogar, apenas ataca e pronto. Tem um tipo de monstro dessa categoria que é bem interessante...


Ha os Fantasmas, que são antigos marinheiros que morreram afogados e povoam o pais das maravilhas. Eles de inicio são inimigos, mas depois que Alice os ajuda, eles se revelam como realmente são, apenas espíritos confusos. 

Bonecas





São bonecas gigantes e aterrorizantes, discípulas do Chuck. 




Não sei se são seres próprios do país das maravilhas ou se são a representação das crianças já manipuladas pelo doutor assassino, mas o que posso dizer é que são assustadoramente feias e fortes. 


Tem umas bonecas que são as crianças que o Doutor vem tentando corromper, e parecem crianças cabeçudas torturadas, as quais Alice ajuda mas depois encontra mortas.

Cartas


Esses são de longe os mais interessantes, pois tem uma forte relação com o jogo anterior. 


Alice matou todas as cartas na aventura anterior, e agora, elas aparecem como Zumbis, e isso é muito show. Elas são Cartas Soldados Zumbis, que ainda servem a Rainha de Copas. 


Apesar disso, tem uma carta muito poderosa, que da as caras pela primeira vez. O Carrasco da Rainha, com foice e tudo, aquele que adorava fazer o corte das cabeças, surge pra por um fim na Alice. 


Uma das partes mais engraçadas do jogo surge ai, pois Alice fica gigante e começa uma fase onde ela pisoteia todo o reino, incluindo esse Carrasco, que fica num senhor cagaço. 


Não são só esses inimigos, mas são os mais importantes, ao menos por enquanto. (Eu jogarei no modo hard e tentarei liberar 100% do jogo, daí altero as informações dessa postagem se achar necessário, incluindo ou excluindo informações, afinal, estou trabalhando só com minha memória aqui, e ela é bem falha)


Antes de encerrar, vou falar das armas que Alice usa durante o jogo...

Alice tem a Poção do Encolhimento, que permite que ela fique minúscula e entre em locais pequenos, além de enxergar coisas ocultas como pinturas na parede ou plataformas invisíveis. 


Tem a Faca Vorpal, clássica arma que ela usou pra matar geral no jogo anterior.


Tem a Coelho de Brinquedo, que é um tipo de bomba relógio, explodindo em tempo determinado ou, quando ela bem entender, e servindo também de peso para ativar interruptores.


Tem o Cavalo de Pau, arma poderosíssima que é capaz de quebrar paredes e destruir barreiras, e relincha quando bate, é fofo.


Tem o Atirador de Pimenta, que ela ganha da Moça Canibal do primeiro jogo, que alias aparece aqui mas, ao invés de tentar comer Alice novamente, pede pra ela caçar Narizes de Porco, que são agora seu alimento favorito.


Esse "Pimenteiro" funciona como uma submetralhadora de pimenta, mortal mas, que vive travando pelo limite de disparos.


Tem a Chaleira, arma que funciona como um Lança Granadas de Chá Corrosivo. Ela explode e queima tudo que tiver perto, fazendo um baita estrago.


Tem o Guarda Chuva, que é um tipo de Escudo pra rebater ataques a distância, mas é chato de usar e nem defende bem, porém existe.


Além de tudo isso, ela tem as Borboletas, que compõem seu corpo no País das Maravilhas, dando-lhe vida eterna, poder de esquiva, super pulo, capacidade de flutuar e pular três vezes consecutivas no ar... etc etc etc. 


É, no jogo não há "game over". Alice não morre. E se por algum acaso ela cair de um penhasco, ela é automaticamente restaurada pelas borboletas no último ponto físico onde ela esteve, e, caso ela perca toda sua energia, o jogo volta pro último ponto salvo se o jogador desejar, ou, ela pode entrar no estado de Estéria.


Nesse estado, ao invés dela virar um demônio assustador como no jogo anterior, ela fica assustadora mas do jeitinho que ela é, só que os inimigos ficam assustados e ela violentíssima, mortalmente violentíssima. Ela também fica com um aspecto sombrio, com pele brancas e olhos de morte, além de sua visão ficar toda distorcida.

No futuro, já está sedo trabalhada uma continuação para esse game, intitulada "Alice in Otherlands". Só que essa continuação não será em jogo, não será um game, ao menos não por enquanto. Está sendo trabalhada como animação, um filme. Se ficará bom, saberemos no futuro, e quem sabe eu faça uma análise dele estilo Silent Hill!



Por fim, acho que é isso.

Reconheço que não ficou algo totalmente incrível nem extremamente detalhado, mas eu to um pouquinho cansado de digitar, afinal, só posso fazer isso uma vez na semana e fica chato ter de fazer as coisas corridas, mas é pior ainda deixar de fazer algo que eu quero muito fazer. Acho que há alguns furos na análise, que eu irei corrigir com o tempo. Como terei de jogar de novo, afinal tunei meu pc e to afim de ver esse game nos gráficos máximos desde o início, além de ter de liberar o 100% e também preciso rever a história pois joguei com um grande intervalo de tempo entre as fases (parei na metade pra jogar Mega Man e depois perdi as imagens de metade do gameplay), provavelmente voltarei a editar essa análise no futuro. 

Mas por hora, é isso. Espero que tenha curtido, e se tiver algo a acrescentar ou criticar, por favor é só comentar. 

Obrigado por tudo e, até a próxima!

18 comentários:

  1. Mais uma grande análise!! Demorou mas veio, e valeu muito a pena!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que valeu a pena kkk, eu fiquei com medo de não ter ficado decente ou completa, porque fiz em um único dia. Demorou pra postar porque eu tava preso na do KH, e depois descansei, mas eu digitei, editei, li e postei no mesmo dia xD... então tecnicamente, foi até bem rápida, daí o medo de não ficar boa.

      Mas, ficou! Então ta bom. Vou acelerar o passo e, assim que eu tiver uma tarde livre postarei mais uma.

      Excluir
    2. Ótimo! Vou ver se obtenho coragem para ler a do KH!

      Excluir
    3. Ah cara, acho que só gastei tempo nela. Se bem que adorei ter terminado, afinal registrei um dos muitos jogos que já tive o prazer de jogar, mas... os views dele tão baixos e num teve nem 1 comentário até o momento... mas... acho que ficou legal.

      Excluir
    4. Calma, sinto o mesmo quando posto cap novo nas minhas fics e não tem comentário! Mas o resultado acaba por ser muito bom, você vai ver!

      Excluir
    5. De nada! Sim escrevo fics de mistério e suspense sim! Tô inclusive postando uma chamada ''The Devil Within''!

      Excluir
    6. Interessante... o que é um fics?

      Excluir
  2. Fanfic! É um termo usado para designar uma história que você faz, baseada ou não num livro,filme,anime e etc!

    ResponderExcluir
  3. E o game realmente teve uma "continuação" que são dois curtas de Alice in Otherlands, nos quais Alice viaja nas mentes de Júlio Verne e Richard Wagner. Eu até gostei dos curtas e tal, mas sou um dos muitos que sentiu-se decepcionado com o fato de seren tão poucos. Seria maravilhoso ver Alice na mente de outras pessoas como Jack, O Estripador e outras mentes famosas como Van Gogh (my!!! Eu ia surtar!!), Thomas Edison (o cara que inventou a lâmpada elétrica) como havia sido sugerido na campanha no Kickstarter. Mc Gee ficou bem chateado com a reclamação dos fãs, também. E infelizmente, Oz foi cancelado devido ao envolvimento dele com o Otherlands, ou algo assim, mas você pode ver as imagens na net.

    Lembrando que ambos os curtas encontram-se disponíveis no youtube, e o Verne tá legendado em inglês no vimeo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério que saiu o Otherlands? Eu já tinha até desistido de pesquisar pela demora... os que achei até então são "Leviatã" e "A Night at the Opera"... são esses? Porque se são, eles são oficiais? Eu sabia que a art do Otherland seria variada, e que ele sairia em animação, mas é isso?

      Excluir
  4. Isso aí! Parece que passou batido mesmo, hein? Eu mesmo só pesquisei porque tinha lido que ia sair em 2014, e já estávamos em 2015! Não é possível que não tenha nada ainda, pensei. Aí pesquisei e descobri. São essas duas mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa eu cheguei a acompanhar um site do American Mcgee, mas nada sobre Otherlands surgiu la, então achei que tinham abandonado o projeto. Bem, vou assistir e se for bom analisar.

      Excluir
  5. Realmente muito boa análise :D

    Acabei de zerar e vim saber da história e o significado de cada bicho, pessoas no jogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sta Jeane, que bom que achou meu blog!

      Fico feliz por ter curtido o texto, e esteja convidada a ler mais alguns. Infelizmente acho que o Amercian Mcgee não vai mais fazer jogos da Alice, pelo menos não tão cedo. O "Alice in Otherlands" se resumiu a dois vídeos curtas e só... uma pena. Ouvi dizer que tavam planejando lançar um baseado no Magico de Oz, mas pelo que vi também cancelaram. Tenso né...

      Enfim, blw moça, e seja bem vinda.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+