PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

AnáliseMorte: Final Fantasy XII - Um pouco sobre FF12

Prepara pro almanaque!

Final Fantasy é uma franquia de RPG, produzida pela Square Enix, a maior e melhor produtora de RPGs Virtuais do planeta (eu sou puxa saco mesmo). 


Como todo RPG, os jogos demoram, são longos e complexos, então é de se esperar que a analise fique longa e complexa. Mas tentarei ser menos enrolado que o normal, e mais direto.

Antes de começar, saiba que não falarei exatamente tudo de FF12. Na verdade eu explicarei, falarei da história, personagens, jogabilidade, só o básico. Mas, como o jogo tem uma vida útil expandida de dias (sem exagero, são mais de 24 horas de conteúdo extra) eu acredito que será melhor se escrever sobre só o adicional, numa postagem posterior. É quase como se eu dividisse o artigo em duas partes...

Spoilers... acho que fazer um texto sem spoilers sobre Final Fantasy seria no mínimo confuso de mais, por essa razão, dessa vez, terei de spoilar =/... triste não!?

Bem, dito isto, segue o texto.

Boa leitura.


Introdução



Quando eu joguei Final Fantasy 12 pela primeira vez, fiquei estupefato.

O jogo é incrível, os gráficos (pra época) eram inimagináveis e a história, deus... a história era surreal.

"FF12" (na real é FFXII, mas traduzido fica FF12) foi lançado exclusivamente pra PlayStation 2 (e recentemente foi relançado em HD pra PS4... se bobear, pode ser que a square quebre a exclusividade como fez com outros Final Fantasy's, tomara), onde ele usava o máximo que dava da capacidade do PS2 (só que sem lags, diferente de Shadow of The Colossus)

Mas, apesar de incrível, isso é até comum pra essa franquia. Todos os Final Fantasy's se superam de alguma forma. Eles sempre tiveram uma história perfeita, ou uma jogabilidade perfeita, ou gráficos perfeitos. Sempre são perfeitos... pelo menos a maioria deles (As CGs de FF são lendárias).



Final Fantasy foi o título responsável pela salvação da Square Enix, e desde então, se tornou um ícone dos RPG's virtuais.



Seria legal se eu falasse do primeiro Final Fantasy e fizesse as análises de forma sequencial, porém isso é tecnicamente desnecessário, pois a franquia é completamente desconexa.

Uma característica sempre presente é a de que cada jogo numerado se passa em um universo próprio, numa realidade original, sem vinculo cronológico algum com os outros jogos numerados. O primeiro Final Fantasy não tem absolutamente nada haver com o segundo Final Fantasy ("II", os números são sempre em romano) e assim sucessivamente. Logo, FF12 é um jogo original, sem ligação com os anteriores (em enredo). 



Mas, existem coisas que se repetem em todo FF, como algumas criaturas "mascotes" que, independente do universo ou do tempo em que o jogo se passa, sempre tão presentes, hora como parte da trama, outrora como mera participação especial. Esses elementos, personagens e até "nomes" são apenas pra deixar aquela marca de que "é parte da franquia" (Moogles e Chocobos sempre tão presentes, aqui os Moogles alugam os Chocobos, e também teletransportam).



Existem também continuações diretas, que carregam o número romano seguido de um numero cardinal (tipo X-2) que significa que é uma sequência do jogo original (X) se passando com os mesmos personagens, no mesmo universo, mas sem quebrar a principal característica dos FF's, pois é quase como uma DLC. 



Inclusive, como no caso de Final Fantasy X-2 (que é continuação de Final Fantasy X, e não tem absolutamente nada haver com Final Fantasy XII) muita coisa muda, desde jogabilidade até tema do jogo, mas os personagens são os mesmos.

Explicando a Jogabilidade

Final Fantasy 12 vai além de mera diferença narrativa. Ele também é diferente em jogabilidade, de uma forma bem inovadora e arriscada, porém bem funcional e eficiente.



Todo Final Fantasy é RPG (exceto spin-offs) e, até o surgimento do XII, eles seguiam o mesmo padrão: RPG de Turnos, em que as batalhas são estáticas, onde o jogador aguarda por sua rodada pra selecionar uma ação e assim, assistir a batalha.



Além disso (algo bem chato por sinal) as batalhas ocorriam contra inimigos invisíveis. Conforme o personagem transitava, batalhas poderiam surgir aleatoriamente de inimigos que nem apareciam no mapa, onde o personagem e seu grupo (representados por apenas o protagonista) eram transportados pra um novo cenário, onde a luta ocorreria.



Com o término da batalha (geralmente os gráficos durante a batalha mudavam e melhoravam em comparação aos gráficos do mapa normal) o personagem voltava pro mapa normal e continuava a jornada, até aparecer mais algum monstro invisível, salvo quando, como parte da história, apareciam os inimigos visíveis (chefões) mas, o padrão das lutas era o mesmo.



Só que no 12 somos apresentados a uma nova forma de rpgear, com tanta ação quanto estratégia.



O jogo fugiu completamente da forma padrão dos FF's, não apenas com a quebra da transição de mapas, como também com a adição de total liberdade de movimentação antes, durante e após as lutas. 



Ainda há o esquema de batalha em turnos, onde o jogador precisa aguardar uma barrinha encher pros seus ataques saírem, mas a coisa ficou bem mais dinâmica, pois o jogador pode (e deve) movimentar seu personagem livremente pelo mapa, fazendo assim coisas como aumentar o tempo de espera do inimigo, se afastando de mais (há uma distancia mínima pro ataque ser realizado, mesmo se a barrinha já tiver enchido, e isso vale tanto pro inimigo quanto pro personagem), segurando ao obstruir sua passagem (se o inimigo tiver como alvo outro personagem do grupo, da pra impedir ou atrasar seu ataque só afastando ele do alvo) e etc. 



A liberdade de movimentos muda tudo, e é algo que simplesmente me seduziu.



Eu, particularmente, odeio RPG em turnos. Acho chato, não curto ficar esperando pra atacar, e acho as transições de cenário desnecessariamente enjoativas. Mas, em FF12, não tem nada disso. Tudo acontece na hora, e o jogador realmente joga.



Além disso, os membros do grupo não só aparecem no mapa normal mesmo, como também podem ser alternados a hora que o jogador quiser. É possível controlar qualquer um dos membros do grupo e andar com ele, liderar com ele, lutar com eles.



É uma liberdade tão... grande, que só isso é o suficiente pra tornar a jogabilidade incrível... mas tem mais!



É possível configurar a Inteligência Artificial dos membros do grupo, incluindo o líder, e automatizar certas ações. O pior é que isso funciona lindamente, e por exemplo, se o jogador configura todos os personagens do grupo pra curarem uns aos outros quando o HP estiver abaixo de 50%, apenas o primeiro que iniciar a ação irá fazer isso. Não acontecem erros como, todos curando ao mesmo tempo (o que torraria MP desnecessariamente) e nem falhas técnicas onde sei la, eles não responderiam corretamente.



Através do "Gambit", da pra fazer altas configurações, prever situações, criar estratégias, e mesmo se durante a luta algo sair errado, da pra corrigir na hora, pois o jogo para pro jogador fazer a configuração (como um "Pause" mesmo) e assistir o desenrolar de sua estratégia, isso enquanto ele move os personagens livremente e os adapta a situação.



Além disso tudo, o jogador tem ainda mais liberdade! Todos os personagens podem ser o que quiserem, usar o que quiserem, tudo depende de como o jogador os quer. 



Todos podem usar magias Brancas, Negras, Esotéricas, Verdes, Temporais, etc (são tipos diferentes de magias, respectivamente: Beneficentes, Danosas, Causam Status Negativos, Causam Status Positivos, Alteram o Estado do Personagem com Relação ao Tempo e Espaço, etc).



Todos podem usar todos os tipos de armas (Espadas, Espadas de Duas Mãos, Arcos, Machados, Armas de Fogo, Lanças, etc).



Todos podem se equipar com tudo (Escudo, Armaduras, etc).



Todos podem usar "Técnicas" (que são magias que não usam MP, mas tem efeito incerto, pois podem falhar).



Todos podem fazer Invocações (algo sempre presente em FF, da pra invocar criaturas divinas durante a batalha, que no caso de FF12, são seres que representam os 12 - ou 13 - signos).



E todos podem fazer Especiais (que cara, é a coisa mais irada de se fazer).



Tudo depende apenas da Licença que cada personagem possui.



Uma novidade (que pode ser confusa no inicio) é que, há um tabuleiro de Licenças, que são exatamente as mesmas pra todos os personagens, mas o jogador precisa liberar conforme seus desejos.



Todo monstro derrotado da no mínimo 1 ponto de licença. Esse ponto vai pra todos os personagens do grupo, e vai acumulando. Cada Licença, que permite usar equipamentos, armas, habilidades ou técnicas, deve ser "comprada" com certo número de pontos. E ao ser liberado, ele revela (em forma de cruz) os quadros de licença mais próximos e o que eles permitem. 



É possível ver o preço de cada licença mesmo com ela sem estar revelada, mas só da pra saber o que ela libera depois de revela-la. Ainda assim, como o tabuleiro é o mesmo pra todos os personagens, da pra traçar uma trajetória pra cada personagem, em uma direção diferente do tabuleiro, assim descobrindo onde e como liberar o que o jogador decide.



São 6 personagens fixos no total. eles são liberados apenas na metade do jogo, e até la o jogador vai recrutando um a um, uns entram, uns saem, mas no fim sempre serão esses mesmos 6 personagens. Daí, baseado no quadro de licenças de cada um, o jogador consegue saber exatamente o que fazer e como fazer.



Mas, apenas ter a licença não é tudo, é preciso ter os equipamentos, armas, pergaminhos de magias e licenças. Eles não são "consumidos", mas cada um tem seu preço, em mercadores que aparecem ao longo do jogo. E ai vem o limite... pois não da pra usar um equipamento que você não possui ainda, mesmo se tiver a licença liberada. 



Os mercadores não vendem tudo. As coisas vão surgindo nas lojas conforme o avanço do jogador. Quanto mais longe na história ele tiver, mais itens aparecem nas lojas, mais caros também.



Pra terminar, as licenças também dão benefícios, como HP a mais, Slots de Gambits extras (daí aumenta a quantidade de comandos diferentes e paralelos possíveis), efeitos extras dos itens, velocidade de conjuração das ações, etc.



Daí você me pergunta: E onde entram os leveis nessa bagunça?



Leveis são o básico de RPGs. Todo RPG tem Level Up, Experiência e afins, e essas coisas que geralmente são responsáveis pela liberação e autorização de uso de habilidades, armas, equipamentos, etc, etc, etc. O que é diferente em FF12 pois isso fica a critério das Licenças.

Ainda assim, há leveis, e eles pouco influenciam no jogo. Na verdade, eles aumentam o HP máximo, resistência, força, MP, ou seja, atributos em geral dos personagens. Apesar de não ser algo tão importante, isso da uma bela mãozinha, e no level ideal, as batalhas ficam cada vez mais fáceis. 



Eu, no level 50 (+/-) com o líder e 40 (+/-) com os demais personagens, conseguir derrotar o último chefe, e acho que da pra fazer com ainda menos leveis. Mas reconheço que foi bem mais difícil do que na primeira vez em que zerei FF12, onde meus personagens estavam todos na faixa do level 80... e minha estratégia, em ambas as situações, foi exatamente a mesma.



Eu gosto de usar algo que eu chamo de "Estratégia do Líder Carismático Invertido", que consiste em configurar um Gambit em todos os personagens pra jogar uma maldição chamada "Reverse" ou "Revés" (em espanhol) no líder do grupo, junto com uma habilidade chamada "Decoy" ou "Carisma" (em espanhol) que faz o personagem bufado ser o alvo de todos os inimigos (como os inimigos podem escolher quem vão atacar, isso faz eles atacarem apenas o líder). 



Com isso, configuro os demais gambits com suportes diversos, exceto "cura" ou semelhantes, pois o efeito de "Reverse" é justamente, por uns 12 a 15 segundos, fazer o amaldiçoado receber cura quando ganha dano, e dano quando ganha cura. Ou seja, pelo tempo bufado, o líder, que também é o alvo de tudo quanto é ataque, se torna imortal, enquanto o resto do grupo senta a porrada nos monstros tudo.



Essa estratégia é incrível, mas só funciona quando essas habilidades ficam liberadas, e isso só ocorre perto do final do jogo. Ainda assim, pelo menos pra vida útil pós jogo, da pra curtir bastante esse truque.



Enfim, deu pra entender como funciona o Action RPG de FF12?! É bem inovador não?

Resumão da História



Tamo num período de guerras e conflitos, onde um ladrão, uma mocinha, uma princesa suicida, um regicida, um pirata dos céus e uma coelhinha renegada se juntam, pra por fim em uma bomba nuclear mágica. No meio da jornada, além deles se unirem e se conhecerem, virando miguxos, eles descobrem a fundo os segredos da arma nuclear, bem como desmascaram uns aos outros, descobrindo a real história de cada um. Além de tudo isso, eles lutam contra diferentes ameaças ao reino, participando direta e indiretamente da grande guerra que se forma ao decorrer da narrativa.

Pois é, essa é a história de Final Fantasy 12, bem resumida.

É claro que ela é muito mais profunda que isso, e cada um dos personagens tem uma história própria, enraizada e misteriosa, que vai sendo revelada aos poucos. Também tem muitos personagens secundários de grande importância, vilões que não são bem vilões, etc. No fim, a coisa é bem mais complicada do que meu singelo resumo demonstra.

Personagens

Eu falarei de cada um dos personagens, contando seus segredos e revelando absolutamente tudo o que eu lembrar pra revelar, então aqui mora o grande spoiler.

Principais

Rasler, Principe de Nebradia



Rasler é um personagem que não é jogável, nem aparece de fato no jogo. Ele morre, e sua morte é impactante pra alguns dos personagens, sem contar que serve pra introduzir a história e explicar o que ta havendo.



Rasler é o príncipe de Nebradia, que se casa com a princesa de Dalmasca pra formar uma aliança política entre os dois países vizinhos, contra o Império de Archadia e Rozarria. Explicando melhor:



FF12 se passa em Ivalice, terra formada pela união de alguns continentes, que se separam por Rozarria, Nebradia, Dalmasca e Archadia.



Rozarria e Archadia vivem em guerra por posse territorial, e quem ta no meio?! Dalmasca e Nebradia. Daí, sempre há disputas pra obter o controle por esses dois países e assim, conseguir a melhor posição estratégica pra vencer a guerra. Archadia consegue isso, e domina Dalmasca e Nebradia, garantindo sua vitória.



O príncipe Rasler morre defendendo seu país, Nebradia, abençoado pelo rei de Dalmasca e depois disso, uma arma nuclear é usada e varre Nebradia inteira, acabando com a vida la e criando um terrível exemplo.



O mesmo iria acontecer com Dalmasca, mas o rei busca por rendição ao Império de Archadia. Infelizmente, as coisas não saem bem, e ele é assassinado, tendo Dalmasca conquistada por Archadia (pelo menos não foi destruída como Nebradia).



Isso é só um resumo do que acontece, pois as disputas políticas e territoriais são bem mais complexas e envolvem mais um monte de nomes. Mas, pra ficar bem fácil de entender, esses são os 4 nomes importantes: Archadia, e o Império Conquistador que apela pra bombas nucleares; Nebradia, a terra dos mortos que foi queimada por Archadia; Dalmasca, o país que os protagonistas tentam proteger, apesar de já ter sido conquistado por Archadia; e Rozarria, o Império que luta contra Archadia, mas apela menos.




A morte de Rasler é o estopim da tramoia... e ele é usado pra manipular os protagonistas o tempo todo.

Reks, A Testemunha



O primeiro personagem jogável é um jovem soldado, que na verdade só aparece no começo do jogo, e é irmão mais velho do protagonista.



Reks é um dos poucos remanescentes de uma das guerras, e ta lutando pra proteger o rei de Dalmasca, seu rei. Mas, durante a batalha, ele testemunha a traição do capitão que ele confiava, que mata o rei na sua frente, depois de esfaqueá-lo e deixa-lo pra morrer.



Posteriormente, Reks é resgatado e chega a depor, o que condena o traidor, mas ele fica num estado catatônico e morre pouco tempo depois. O que gera um sentimento vingativo em seu irmão, e rancor por parte do regicida.



Mas, nada era o que parecia, e na verdade Reks foi usado por Archadia pra espalhar um falso testemunho, e servir aos propósitos do império, pra que assim eles conseguissem total domínio por Dalmasca.

Vaan, O Ladrão



Ele é o irmão, dois anos mais novo, de Reks. Ele consegue se despedir de seu irmão, e é quando descobre o nome do regicida.



Vaan é jovem e entusiasmado. Trabalha como faz tudo na capital de Dalmasca e sonha em ter uma nave e sair voando por ai.



Ele tem um forte senso de justiça, e por causa disso acaba se envolvendo na guerra. Vaan tenta roubar uma Joia Real de Dalmasca, após o domínio do império, pra preservar a verdadeira essência de seu país (eta patriotismo!) mas, isso o coloca no meio do fogo cruzado e bem, ele se ferra.



Só que graças a isso, ele se torna um dos Rebeldes, que luta a favor de Dalmasca e contra Archadia, e junto com um pequeno grupo, ele se envolve numa trama bem complexa.



Vaan é só um garoto órfão, jovem, ladrãozinho, que protagoniza FFXII, mas que na verdade só pensa em se vingar do verdadeiro assassino de seu irmão: O Império.

Penelo, A Mocinha




Outra criança que se envolve na guerra e é a melhor amiga de Vaan.



Ela mora junto com Vaan e é uma das órfãs de guerra. Ela acaba se juntando ao grupo de rebeldes por puro acaso, arrastada por ter um suposto vínculo com um certo pirata.



Ela não tem nenhum vinculo com a realeza, nem é uma grande rebelde lutadora por justiça. Ela apenas acaba sendo sequestrada e resgatada por Vaan e seus novos amigos, decidindo segui-lo e assim, ajuda-lo a vencer a guerra.



Algo a se destacar é que Penelo é a primeira a ter contato com um dos filhos do Imperador de Archadia, e ela se torna amiga dele! Curiosamente, isso demonstra que é possível unir todos os reinos ao invés de guerrear atoa, e que na verdade toda a guerra era consequência de interesses conturbados e muita conspiração desenfreada.



Apesar de não ter absolutamente nada de especial, Penelo acaba influenciando a história, sendo apenas uma garota comum.

Balthier, O Pirata dos Céus


O Pirata dos Céus, ex Juíz, filho do Cientista do Mal e por fim, inspiração pra Vaan (e talvez paixão de Penelo). Balthier o tempo inteiro se diz "O Protagonista", e eu diria que ele não ta errado não.



Vaan só é o protagonista designado, o qual o jogador nunca deixa de controlar (em cidades só da pra ver Vaan, diferente do que ocorre nos mapas abertos onde todos do grupo aparecem, mesmo se Vaan tiver "morto"). 



Mas Balthier que carrega toda a história nas costas (e se Vaan não tivesse roubado a joia primeiro, Balthier quem protagonizaria).



Balthier é meio egocêntrico e extremamente calmo, e faz de tudo por dinheiro e remuneração (porém também sege seu instinto justiceiro). Ele acaba "recrutando" Vaan sem querer, pois Vaan chega primeiro à Joia Real que ele queria. Daí ele, sua parceira e Vaan acabam capturados e presos, se juntam pra fugir da prisão, e ai não se separam mais...



Pois logo depois, Penelo é sequestrada por inimigos de Balthier, que acreditam que ele e ela tinham algum vínculo (tudo por causa de uma pequena cena em que Balthier tenta acalmar Penelo dando uma de "Don Juan") e ele se vê obrigado a salva-la. Mas, isso acaba envolvendo ele com o resto da trama, por puro azar...



Balthier já trabalhou pro Império de Archadia alias, como um dos Juízes (Generais) e ele era fodão (ainda é, mas sem armadura). Ele abandonou seu posto, e virou pirata, por causa de seu pai, que havia ficado cegamente obcecado com seus projetos e construiu armas mágicas nocivas, seguindo os conselhos de uma figura chamada Venat, que só ele via... Balthier achou que ele tava maluco e por isso fugiu, trocando sua espada por uma belíssima arma de fogo (se bem que acho que quando ele era Juiz ele usava armas de fogo ao invés de espadas).

Fran, A Coelhinha Renegada



Ela é uma coelhinha muito graciosa que mexe com magia e arcos, e é parceira, conselheira e melhor amiga de Balthier.



Fran é centenária, porém bem sexy (a raça dela, "Vieras", vive por séculos - é o que fica subentendido com uma cena bem hilária em que Vaan faz questão de perguntar a idade de Fran, após a irmã dela mencionar que ela partiu a 50 anos).



Ela foi embora de sua terra natal, pra conhecer o mundo dos humos (humanos) e provavelmente foi assim que ela encontrou Balthier. Por conta disso, ela perdeu sua conexão com o Bosque onde as Vieras vivem, além de ter perdido o direito de voltar pra la. Ela simplesmente não é bem vinda, apesar de ter irmãs la, a mais velha aparentemente sendo a líder delas.



Apesar dela ter sido praticamente exilada, Fran acaba voltando junto com o grupo (Vaan e os outros) em busca de uma de suas irmãs, pra obter informações que os ajudariam, nesse retorno que um pouco de seu passado é revelado, além da sua outra irmã (a líder) a confronta-la. Apesar de humos e Fran não serem bem vindos, eles conseguem entrar de boa, só tendo vários olhares tortos, mas sem qualquer agressão, o que significa que o povo de Fran é bem pacífico.



Bem, Fran não consegue conversar com o bosque, uma habilidade aparentemente padrão pra todas as Vieras, que ela perdeu por ter abandonado sua raça e traído a tradição de jamais sair do bosque. Mas, sua irmã, a pedidos dela, pergunta se o bosque ta de mal e ele fala que não, que ta de boa, só ta de birrinha, mas ama a Fran como todas as outras.



Apesar de não ter essa habilidade mais, Fran apresenta sensibilidade a magia, e a névoa (Mist), que em FF é, resumidamente, energia mágica presente em toda parte, mas que pode ficar mais densa e até ser visível dependendo da concentração.



Ela também sente e é influenciada pelas Neticitas (Nethicite em inglês), o que pode, dependendo da quantidade de energia acumulada, tirar toda e qualquer Viera do controle e entrar num status semelhante a "Bersek" (Furia, quando perde o controle dos movimentos e ataca sem pensar).


Eu falarei melhor de Neticitas depois...

Bash, O Falso Regicida



Bash é o acusado por ter matado o Rei de Dalmasca, traindo sua pátria e também, ferindo mortalmente Reks, a testemunha de seus atos de traição.



Ele é capturado no ato, e declarado morto publicamente. Mas, acidentalmente, por ironia do destino, quando Vaan, Balthier e Fran são presos, não por terem roubado a Joia Real (que foi o que fizeram), mas por serem considerados rebeldes, eles acabam fugindo da prisão, e no caminho, se deparam com Bash, vivo, porém anoréxico e preso, como se estivesse sendo torturado.



Nesse mesmo encontro, Bash é visto sendo confrontado por seu irmão, um Juiz, que tem exatamente a mesma cara que ele (mas tem o cabelo curto).



Vaan acaba soltando Bash pra fugir, mas logo em seguida tenta se vingar pelo que ele fez a Reks, é quando ele escuta o argumento de que na verdade, Bash foi um bode expiatório de seu próprio irmão gêmeo, e que na verdade, aquele Juiz que Vaan viu, era o verdadeiro regicida, e aquele que feriu Reks.



Resumindo, Bash era inocente, e apesar de ter sido declarado morto, ele foi mantido prisioneiro por seu próprio irmão, o verdadeiro culpado. Tudo era um esquema do Império... mas graças a Vaan, ele ganha a chance de expor a verdade.



Boa parte da história se passa nele lutando por sua honra, e provando por seus atos que é inocente, não só pra Vaan (que nem demora muito pra confiar e acreditar nele) mas pra todos, incluindo um antigo colega e a própria Princesa de Dalmasca.

Ashe, Princesa de Dalmasca



Ashe comete suicídio após a morte de seu amado e seu pai... pelo menos é isso que o Império divulga. Mas, na verdade Ashe estava viva, sob o disfarce de Amalia, uma líder rebelde.



O Império fez de tudo para destrona-la, e ao fazê-la morrer, eles conseguiram o controle total de Dalmasca. Porém, ela estava viva, e precisava provar que era a verdadeira sucessora ao trono.



Tudo é bem político, e Ashe não consegue nem mesmo através de seu tio de consideração, que a reconhece sem problema algum, provar publicamente que é a princesa de Dalmasca (afinal, ele mesmo foi o responsável pela declaração de sua morte, e de Bash, sob ordens do Império).



Pra isso, a melhor forma seria obtendo uma Joia Real que ressoava próximo a linhagem real. Porém, a Joia estava dentro dos cofres de Dalmasca e Ashe já não tinha mais acesso... mas... olha que incrível, Vaan havia roubado ela do castelo! Tudo estaria resolvido se Vaan entregasse a pedra pra Ashe no tempo certo, mas quando ela, Vaan e os outros se encontram, são capturados e a tal joia é confiscada pelo Império.



A joia na verdade era uma Neticita, (uma de 3), que pertenceu ao "Rei de Ivalice", um soberano do passado que trouxe paz por séculos à Ivalice, O Grande Rei Raithwall. O cara era fod4, ele cortou 3 Neticitas de uma Pedra Gigante Divina (Cristal do Sol), e deixou uma com Dalmasca, uma com Nebradia, e foi enterrado com a última. Essas pedras não só tinham ligação com sua linhagem (logo, os reis de Dalmasca e Nebradia que o sucederiam) como era uma arma divina poderosíssima capaz de reduzir qualquer coisa à névoa.



Ashe descobre e testemunha o tamanho do poder da Neticita, ao ver uma frota do Império usando uma joia recém confiscada do grupo (a segunda que eles conseguem) que no momento que é testada no motor de uma das naves, faz com que tudo exploda e suma em meio a uma névoa enorme, levando consigo todas as demais naves da frota imperial (Vaan e os outros só se livram dessa por causa de uma neticita artificial que Penelo tinha ganhado de seu amigo).



Enfim, Ashe recupera a segunda joia, mas a partir daí começa uma busca por poder e vingança, onde seduzida pelo poder das neticitas, ela vai atrás de formas para regenerar a força da pedra, aprender a utiliza-la e conseguir mais poderes além desse, tudo com o propósito de acabar com o Império de Archadia. Mas a história reservava muitos obstáculos e revelações...

Principais Paralelos

Esses personagens são tão importantes quanto os principais. O que muda é que eles não chegam a ser controlados pelo jogador e participam dos grupos temporariamente. São como personagens extras, que inclusive não são afetados pelo limite máximo de personagens ativos.

Ah é, tem isso: Apesar de serem 6 protagonistas, apenas 3 podem ser usados ao mesmo tempo. 3 ficam como "time reserva" e podem ser usados a hora que o jogador quiser, só mudando a seleção no menu mesmo (desde que eles não estejam em ação, sendo atacados ou atacando).

Porém apenas 3 ficam no mapa, na luta, exceto no caso do "Principal Paralelo", que entra como 4° membro e nunca sai da formação. Mas como eu disse, não pode ser controlado pelo jogador (nem mesmo com Gambit, e esses personagens extras tem até um inventário e equipamentos particulares que só a máquina pode usar... tipo poção infinita).

Larsa, O Príncipe Imperial



Sabe o filho do imperador que virou amigo da Penelo?! Pois bem, ele é Larsa, que escuta Vaan e os outros conversando e planejando o resgate de Penelo, se aproveitando da oportunidade pra ir até as Minas de sua cidade e buscar por algo que ele queria muito verificar.



Larsa, apesar de curtir uns segredinhos, é um garoto bastante confiável e responsável, além de ser muito inteligente e ter um senhor senso de justiça. Sua personalidade supera a de seu irmão mais velho, e ele sim parece ter sangue de imperador, pois pensa muito a frente de seu tempo, na necessidade dos outros e busca fazer o que é correto, sempre.



Ele queria saber o que o Império tanto escondia nas minas, por essa razão se une a expedição clandestina de resgate dos desconhecidos viajantes. O Império havia proibido a entrada de civis nas minas, mas Penelo havia sido mantida refém pelos inimigos de Balthier justamente nas minas. Daí Larsa vê a oportunidade na missão de resgate e se junta, pra explorar melhor os segredos do Império. Nessa hora, Larsa entra pro grupo, mas não é um personagem controlável pelo jogador.



Mas, depois que eles terminam, o Império acaba encontrando Penelo e logo em seguida, enquanto o grupo de Vaan se esconde, Larsa aparece, se entrega e resgata a garota, dizendo que ela estava com ele, o que convence o Império a manda-la pro castelo sob custódia do projeto de imperador.



Bem, o que importa é que, não só Penelo acaba sendo salva por Larsa e tecnicamente pelo Império, como também Larsa descobre o segredo do Império: Magicitas.



Dentro das minas da cidade dele, tinham muitas Magicitas sendo mineradas. Eles haviam encontrado uma fonte enorme desse minério, que tem o poder de produzir energia mágica. O Império queria o máximo de Magicitas possível, pra produzir Neticitas Artificiais, um minério criado baseado nas Neticitas, com o mesmo poder (Absorver Magia, Acumula e Explode) só que feito em laboratório.



Larsa tinha uma amostra de Neticita Artificial, e ele da de presente pra Penelo... graças a isso, ela salva todo mundo da energia emanada pela Neticita que explode a Frota Imperial. Viu, todas as histórias vão se encaixando.



Enfim, o garoto faz questão de apoiar o grupo de Vaan, e concorda em lutar contra seu próprio irmão... mas as coisas acontecem em seu próprio tempo, e Larsa sofre bastante até se decidir, afinal ele tinha muito orgulho de seu brother.

Vossler, O Cavaleiro



Depois que Ashe se disfarçou de Amalia, um dos cavaleiros reais qu sobreviveu se manteve ao lado dela, criando os Rebeldes. Ele é leal, ele é fortão e ele é o Vossler.



O cara ajuda e protege "Amalia" o máximo que sua honra permite, e seu principal objetivo é fazê-la retornar ao trono, o que implica em tudo, inclusive traição. Ele julga Bash e inicialmente se recusa a lutar ao lado dele, mas ele segue Ashe e descobre a verdade sobre seu antigo parceiro, só pra no final inverter os papéis...



Vossler é muito leal, mas ele acaba traindo o grupo de Vaan, pelo bem de Ashe, entregando-os para o Império sob a promessa de que a princesa seria reempossada. Claro que a promessa não é cumprida e logo após sua decisão, ele se da conta de seu erro e se envergonha por sua desonrada ação.



Antes disso, ele ajuda Vaan e os outros a fugirem do Império (logo após a apreensão da primeira Neticita - roubada do castelo)...



Liberar Ashe de uma prisão após ter sido capturada (após a Neticita ter sido confiscada impedindo que Ashe fosse reconhecida, ela é descoberta como princesa pelo Império e ao invés de ser tratada como mera Rebelde, é levada sob custódia pra uma prisão separada do grupo, mas Vossler ajuda a resgata-la)...



Conquistar o poder de uma segunda Neticita (Ashe não desiste após perder a primeira, e vai atras de outra Neticita, a que tava enterrada com o Rei Antigo de Ivalice)...



E por fim ele trai o grupo, se voltando contra eles e lutando como um inimigo (depois de que eles conseguem a segunda Neticita e uma Espada capaz de destruir as Neticitas, Vossler tira a máscara e diz que tinha aceito um acordo com o Império em troca da Neticita).



Apesar disso, ele reconhece seu erro e lamenta por ter traído a princesa, se entregando à explosão da Neticita na Frota Imperial.

Reddas, O Outro Pirata



Outro Pirata (pelo que entendi, ele é tanto dos mares quanto dos céus) aparece pra roubar a cena, já chegando com o pé na porta, promovendo um massacre contra o Império. O enraivecido Reddas...



Ele vai aparentemente sozinho lutar contra os guardas imperiais e atacar Dr. Cid, o cientista criador de Neticitas Artificiais. Vaan e seu grupo chegam com o mesmo propósito, e se deparam com a batalha já acontecendo.



Reddas já foi um Juiz também, reconhecido e condecorado, que se horrorizou com o uso da Neticita em Nebradia anos atrás e abandonou o cargo, se convertendo em um respeitado e renomado pirata, com sua própria tropa e regalias. Como Balthier, ele achou melhor lutar por conta própria do que por um império fascista.



Ele não se importa em receber ajuda de Vaan e seu grupo na batalha contra o Império, e faz questão de ajuda-los também. É uma troca perfeita, e no fim, Reddas faz questão de ir com eles até o local final, onde a Pedra do Sol estava, para destruí-la ou usá-la (fica a critério de Ashe).



No fim, Ashe e Vaan decidem, juntos, destruir a Pedra do Sol e todas as Neticitas, de uma vez por todas (portando duas espadas capazes de destruir Neticitas, uma pertencente ao grande Rei de Ivalice, e a outra um presente dos deuses) mas, Reddas pega uma das armas e vai sozinho pro ataque, o que causa uma devastação enorme, causando sua morte (diria mais que foi um sacrifício).

Personagens Secundários Importantes

Bem, além dos personagens que entram pro grupo de vez em quando, tem alguns que são apenas coadjuvantes, servindo pra guiar os personagens e ligar as pontas soltas. São muitos, mas eu falarei apenas dos que considero mais importantes:

Migelo, O Mercador



O primeiro grande personagem coadjuvante é o (aparentemente) pai adotivo de Vaan e Penelo. Ele os emprega e cuida deles. Apesar de ser meio grosso, e não ser da raça humo (ele é da raça Bangaa), ele se da hiper bem com Penelo e Vaan, e é respeitadíssimo por eles.



Ele quem fala do sequestro de Penelo, e tecnicamente é quem obriga Balthier a regata-la (que tava pensando em ignorar o caso). O cara é gente boa, mas não passa disso.

Dalan, O Velho Sábio



Outro personagem de baixa importância, porém crucial pro andamento da história, é Dalan, um velho que vive na cidade subterrânea (subúrbio) abaixo da cidade capital de Dalmasca. Ele é respeitadíssimo pelos habitantes, e reconhecido por sua sabedoria.



É com ele que Vaan conta pra conseguir pistas de como invadir o castelo, e roubar a Joia Real. O cara ajuda, ciente do propósito de Vaan, e posteriormente ele quem faz Vaan se unir aos rebeldes, indiretamente...



Quando Vaan retorna da prisão, após fugir com Balthier, Fran e liberar Bash (ainda puto com ele por acreditar que ele era um traidor e assassino) ele se separa do grupo e vai visitar Dalan, que lhe entrega uma espada e solicita que ele faça a entrega num local especial e secreto, dizendo inclusive que ninguém mais além dele era qualificado pra entrega.



Pois bem, quando Vaan chega no tal local, ele encontra Bash e Vossler discutindo, e sua entrega era para Vossler, que em meio a discussão, acaba confiando a espada à Bash, justamente por ver que Vaan, apesar de tudo, da um voto de confiança pra Bash ao defendê-lo. Ele decide acreditar na história de Bash, e por causa disso, Vossler também acredita. Tudo isso foi orquestrado por Dalan. Se pa até o roubo da Neticita também foi parte de seus planos... o cara era sábio.

Ondore, O Ministro Narrador



Com toda certeza esse cara é o mais importante da história, não por participar, mas por conhecer. O carra é responsável pela narração antes e durante todo o jogo. É o cara que explica o que ta acontecendo, de uma forma um pouquinho detalhista de mais, mas graças a ele, a história fica mais clara.



Ele faz a leitura de suas anotações que são mostradas em algumas partes transitórias da história. Além disso, Ondore é o tio de consideração de Ashe, e o líder da armada ant-imperial.



Ele era melhor amigo, extremamente próximo, do rei de Dalmasca, e depois de sua morte, ele acaba assinando um acordo de neutralidade perante o Império, rendendo uma cidade flutuante de Dalmasca, e declarando a morte do regicida e da herdeira.



Mas, quando ele descobre que Ashe e Bash estavam vivos (Vaan que tem a ideia de sair pela cidade divulgando a vida de Bash e com isso chama a atenção de Ondore que convoca o grupo pra uma audiência e voilá! Ashe e Bash não só estavam vivos, como juntos, contra o Império.



A partir daí ele reconhece que há um problema, e passa a "conspirar" contra o Império, sem deixar de servir o Império. Ele confia pra caramba em Ashe, e apesar de desconfiar de Bash (e até desafia-lo), ele acaba sedendo e no final, ele quem treina e lidera as tropas contra a armada do Império. É uma senhora guerra, que acaba com todos unidos e fazendo as pazes.

Al-Cid, Príncipe de Rozarria



Esse cara faz o que eu considero uma participação especial, pois ele aparece, fala um pouco, faz uma cena, e sai. Ele também paquera e demonstra bastante interesse em Ashe. Eis Al-Cid, filho do Império de Rozarria, que decide se unir aos rebeldes de Dalmasca e assim, dar uma chance de igualdade na guerra contra o Império de Archadia.



Mas o mais legal, é que ele representa Rozarria inteira na história. É talvez o único continente de Ivalice que não pode ser visitado, e o único personagem (falante) que aparece de Rozarria é Al-Cid. Além disso, ele, Larsa e Ashe se encontram perante um grande líder religioso, e tem seus "sonhos" revelados como iguais, o que significa que os 3 representavam a união de Ivalice, algo que o Império de Archadia estava prestes a destruir.

Gran Kiltias, O Líder Religioso




Por fim, o último personagem que considero importantíssimo pra história, é o Gran Kiltias, um tipo de "papa" que acolhe desabrigados e prejudicados pela guerra, em um enorme templo nas montanhas.




O cara é tão... santo... que consegue falar sem nem estar acordado, ou mover os lábios. Ele usa telepatia, e se comunica com todos à sua presença, de forma sábia e muito transparente. Ao que parece, ele tem a habilidade, por ser um Kiltias, de ler a mente e ver os sonhos/desejos das pessoas que o cercam (de quebra ele ainda dorme de pé).




Ele é visitado por Ashe, Larsa e Al-Cid ao mesmo tempo (destino!?) e declara que eles são o futuro e a esperança de Ivalice. Ele oferece os segredos da Espada do Rei, capaz de cortar e destruir Neticitas, e diz que o Gran Kiltias do passado foi quem recebeu do Rei de Ivalice, a espada que era a única coisa capaz de destruir as joias que carregavam o poder do reino. Ele até ironiza isso, já que o próprio Rei de Ivalice preferiu confiar a única arma que poderia desafia-lo, a um líder religioso neutro, ao invés de guardar para si ou passar como herança pra sua linhagem. Era como se Raithwall já tivesse previsto o que ocorreria no mundo séculos após sua morte.




Com a espada, Ashe ganha a oportunidade de destruir as Neticitas existentes, que eram só fragmentos do Cristal do Sol, ou ir até o Cristal do Sol, pegar mais Neticitas (cortando ele), ou simplesmente destruir tudo de uma vez, acabando com o Cristal do Sol e consequentemente, com todas as Neticitas.



Infelizmente ele não vive pra ver isso, e o Gran Kiltias é assassinado por um Juiz corrompido.

Vilões Importantes

Vilão é o que não falta em FF12, nisso eu considero os monstros, as caças*, as raças malvadinhas, etc. Mas, existem os principais, que dirigem a história, e serão esses dos quais falarei a seguir.

Vayne, O Rei Imperial




Um dos principais antagonistas sem dúvida é Vayne, irmão mais velho de Larsa.



Ele é o principal responsável por toda a conspiração e sujeirada por trás do Império de Archadia. O conflito inicial do Império contra Dalmasca, Nebradia e Rozarria pode não ter sido algo iniciado por ele, mas sim por seu pai, líder do Império de Archadia, mas a forma como as coisas sucederam e todas as tramoias envolvendo assassinados, bodes expiatórios e afins, isso sim teve o dedo de Vayne.



O cara orquestrou a morte de seus irmãos mais velhos (ele os condenou por traição, e conseguiu que fossem executados) assim, se tornando herdeiro direto ao comando de sua família (Solidor, sempre os líderes imperiais) e por fim, ele matou seu próprio pai a sangue frio, pra obter controle sobre o Conselho Imperial (quem ele acusa pelo assassinato e tira do jogo) e o Império.



Seu pai, como Larsa, não teria problema algum em fazer um acordo com Dalmasca e sessar a guerra. Mas com ele fora do jogo, o domínio total seria possível pelas mãos de Vayne, que não só tinha todas as frotas imperiais ao seu comando, como também tinha o poder das Neticitas e das Neticitas Artificiais. 



Ele não tava sozinho, ele tinha Dr Cid, seu cientista e amigo, e os Juízes, um pequeno número de soldados de alta patente e poder que, por si só eram temidos pra caramba, mas Vayne aumenta ainda mais a força deles, dando Neticitas Artificiais.



Enfim, apesar de malzão, sem dúvida alguma, Vayne tinha seus motivos pra fazer tudo o que fez... e a longo prazo e com muita, muita compreensão, da pra entender bem sua motivação: Ele queria um mundo livre. Sob domínio dele, mas livre e unido.

Dr. Cid, O Criador de Neticidas



Pai de Balthier, criador das Neticitas Artificiais, malucão, Dr Cid é sem dúvidas um dos grandes vilões do jogo, se não o principal (afinal, ele e Vayne trabalham juntos, mas Cid ta por trás de toda a tecnologia e exploração).



Balthier o enfrenta com um peso no coração, mas ciente que seu pai não tava bem da cabeça. Cid tinha o hábito de falar com um ser invisível que ele chamava de Venat, e parecia ter enlouquecido completamente, ao ponto de trabalhar nas armas nucleares mágicas.



Bem, ele é pistoleiro, como seu filho, mas muito mais tecnológico, usando e abusando de suas máquinas pra se defender e atacar. Ele é enfrentado duas vezes, e em ambas ele apela pra caramba. Seu objetivo era obter as 3 Neticitas só pra disseca-las e desenvolver Artificiais cada vez mais poderosas e perfeitas.



Ele manipula Ashe de certa forma, pois é graças a uma orientação que ele da antes de fugir após a primeira batalha, que ela chega até o local onde consegue a segunda espada quebradora de Neticitas, e é abençoada para encontrar a joia mãe, o Cristal do Sol. Depois disso, Cid segue o grupo até a grande joia e na hora certa se revela, e tenta usar o poder do Cristal do Sol na marra.



Por sorte, ele é derrotado, graças a Reddas principalmente. E olha que o cara apela viu, ele chega a invocar um Esper (um dos 12 espíritos do Zodíaco), logo após o jogador ter enfrentado outro Esper! É bem tensa a batalha contra ele, e é a penúltima, que antecede a batalha final do jogo, mas é na minha opinião mais difícil que a última.




Enfim, Cid morre no fim, após se despedir de seu amigo invisível, que aparece.

Venat, A Divindade Conspiradora



Ele é o verdadeiro vilão do jogo, ou pelo menos parte dele. Venat é um Occuria, um "deus" de Ivalice, imortal, onisciente e onipresente. O cara se aliou a Cid e Vayne para levar o equilíbrio ao mundo dos humos e tirar as influências dos Occurias sobre os seres mortais.



Venat oferece poder e informação, mas deixa que os humos ajam por conta própria e ponham em prática seus próprios planos, objetivados em dominar e controlar Ivalice à sua maneira.



Ele é considerado um traidor pelos outros Occurias, por ter se aliado a humos o oferecidos os segredos divinos sem autorização ou uma seleção prévia. Apenas os Escolhidos poderiam ter acesso a tais informações e poderes, mas Venat se rebela e entrega isso a seus próprios escolhidos: Vayne e Cid.



No fim, Venat se despede honradamente de Dr. Cid, tratando-o como um grande amigo, e depois, faz algo semelhante quando Vayne, o último inimigo do jogo, fica prestes a morrer. Vayne agradece pela ajuda de Venat e lamenta não ter se tornado o rei que ele acreditava que se tornaria, e após se despedir, Venat incorpora nele e usa seu corpo para causar um pouco de destruição desenfreada.




No fim, Venat não morre (afinal é imortal), mas é derrotado.




Apesar de ser um vilão, tecnicamente, o cara é menos vilão que seus irmãos.

Occurias (Ocurios em espanhol)
As Demais Divindades Conspiradoras




Os Occurias são os deuses de Ivalice, que mal se movem (geralmente ficam no templinho deles, paradinhos e só na deles) mas fazem questão de manipular Ivalice a bel prazer.




No passado, bem no passadão, eles fizeram um acordo com Raithwall, na verdade o acordo foi Raithwall. Confiado como eleito, ele recebeu a Espada dos Reis e o direito de cortar o Cristal do Sol, pegar fragmentos e adquirir seu poder para reinar. Com isso, ele trouxe paz à Ivalice, e reinou sob todos os continentes.




Mas, antes de morrer, Raithwall dividiu o poder dos fragmentos entre as terras centrais e seu túmulo, mas temendo pela forma como seus sucessores usariam tal poder, ele deu a Espada dos Reis para alguém neutro, o Gran Kiltias de sua época.




Com a traição de Venat e o despertar das Neticitas, e a criação das Neticitas Artificiais, os Occurias ficaram revoltados e decidiram eleger novamente alguém para usar o grande poder, e eles escolheram Ashe. 




Assumindo a forma de Rasler Espiritual, eles guiaram Ashe para as pedras e para a espada, com o propósito de fazê-la seguir os passos de Raithwall, e imita-lo, coletando mais partes do Cristal do Sol (inclusive, a segunda espada "Espada do Pacto" é dada por eles, pra ela tirar fragmentos do cristalzão). 




Porém, eles queriam que Ashe usasse o poder das Neticitas pra eliminar todo o Império de Archadia (ou seja, tecnicamente, Archadia inteira) e isso era pra servir de exemplo pra que ninguém ousasse questionar os deuses novamente. O Occurias queriam que Ashe terminasse a guerra em nome deles, sendo usada como uma espada no mundo mortal, só isso. Eles tava pouco se lixando pra vida, e queriam exterminar todos que seguiam Venat.




Logo, nenhum Occuria era inocente ou beneficente. Tanto Venat quanto os demais estavam errados, e agindo contra Ivalice de alguma forma. Claro que Ashe não se deixa levar e acaba contrariando os Occurias, e com ajuda de Vaan e posteriormente Reddas, o Cristal do Sol é destruído de vez.




Obs.: Provavelmente os Occurias cogitaram em escolher Vaan. Na primeira aparição do espírito de Rasler (que era eles disfarçado) Vaan consegue vê-lo, e posteriormente ele diz que tinha visto seu irmão, Reks, não Rasler. Apesar disso, nenhum outro no grupo testemunha a aparição do espírito, seja qual fosse sua aparência, o que indica que talvez, Vaan seria um eleito. 



Mas, só poderia haver 1 eleito e Ashe quem foi escolhida, por sua linhagem, e por ser sempre a primeira a avançar (apesar de Vaan ser o líder no gameplay, uns 60% do jogo gira em torno de Ashe, e 35% em torno dos demais personagens e 5% em torno de Vaan).

Gabranth, o Regicida Real



Por fim, o verdadeiro vilão, quem traiu e condenou seu irmão gêmeo Bash: Gabranth, o Juiz.




Gabranth o tempo inteiro agiu contra Bash, ele se passou por seu irmão para matar o Rei de Dalmasca, traindo todo mundo, em nome do Império. 




O cara é um Juiz, e faz questão de levantar suas espadas contra Bash e seus amigos, o tempo inteiro, sempre pensando no Império acima de tudo.




Ele seguia as ordens do Líder Imperial de Archadia, antes de Vayne assassina-lo e assumir seu posto, mas pouco antes disso acontecer, o patriarca da família Solidor diz para Gabranth proteger seu filho menor, Larsa, justamente por temer as ações futuras de Vayne.




Posteriormente, Gabranth jura lealdade à Vayne Solidor, apesar de hesitar um pouco. O que o faz se decidir é justamente a Juíza que ele precisa matar para confirmar sua lealdade. Ele e uma Juíza eram responsáveis pela proteção de Larsa, e assim que Vayne assume o Império (sem nem esperar o corpo de seu pai esfriar) a Juíza condena Vayne pelo assassinato e tenta elimina-lo, mas ele é protegido por outro Juiz, que já possuía o poder da Neticita (ou seja, tava do lado de Vayne e ciente da conspiração). 




Bash é incumbido de dar o golpe final na Juíza, que não apenas era sua colega de função, como sua amiga. Ele hesita, mas ela mesma implora pra que ele o faça, dizendo que ele precisava viver para poder proteger Larsa. Pensando dessa forma ele mata sua amiga, e jura lealdade. 




Posteriormente, Gabranth faz de tudo para proteger Larsa, ao mesmo tempo que luta a favor do Império e segue as ordens de Vayne. Ele é o primeiro a seguir o grupo até o Cristal do Sol e ataca-los, antes de Dr. Cid aparecer, e sua luta contra seu irmão é bem marcante, bem como as ações desesperadas e vingativas de Vaan, afinal ele havia matado Reks...




Mas, no final do jogo, depois de novamente lutar (um pouco mais fraco, mas mais apelão) contra Bash e os outros, Gabranth se redime e, para defender Larsa (que se volta contra Vayne) ele luta contra o Lord Imperial, ao lado de Bash (mas ele não chega a entrar no grupo, apenas luta individualmente).




Alias, existem personagens ao longo do jogo que podem lutar individualmente, porém paralelo ao grupo, sem necessariamente entrar na formação. Eles aparecem em mapas específicos e só.




Bem, no fim, Gabranth tem seu real nome revelado por Bash, "Noah", e ambos se perdoam (Gabranth julgava seu irmão por ter fugido de sua terra natal, dominada pelo reino de Archadia e ter se unido a Dalmasca, enquanto Bash julgava Gabranth por ter se unido ao Império que destruiu sua terra natal.) Noah pede perdão, e antes de morrer (devido seus muitos ferimentos de batalha) ele pede pra Bash assumir seu lugar, como Juiz guardião de Larsa. 



Uma vez que o Império estaria sob nova direção, aos comandos do jovem Larsa, Bash não tinha com o que se preocupar e acatou o último pedido de seu irmão gêmeo.



E bem, é isso. Há mesmo a necessidade de contar toda a história (T_T)? Ok... segue um resumo um pouco mais detalhado:

História



Tudo começa com Reks participando da batalha defensiva para o rei.




Depois de bastante pancadaria (ao estilo tutorial), Reks fica pra trás, dando cobertura enquanto Bash e os outros soldados avançam pra sala do trono, para proteger o rei.



Depois de vencer alguns soldados, Reks chega até a dita sala e encontra todos mortos, incluindo o rei.




E então, Bash (Gabranth disfarçado de Bash) enfia uma faca nele, e o deixa agonizando no chão, enquanto assiste Vayne aparecendo e prendendo no ato Bash pelo que ele fez.


Um tempo depois (2 anos), Vaan aparece na capital de Dalmasca, caçando ratos no esgoto.


Ele luta um pouco, depois vai pra cidade, assiste uns guardas abusando do poder, e da uma de trombadinha roubando dinheiro deles e dando no pé...


Quando despista os guardas, ele é parado por Penelo que confisca a grana e fala pra ele parar de se meter em confusões...


Ela também diz que Migelo ta procurando por ele, e quando Vaan o encontra, recebe uma missão simples de entregar um recado.


Mas, depois de dar o recado, o garoto aproveita a oportunidade para aceitar outra missão, onde ele deveria caçar uma criatura que tava causando problemas nos portões da capital.


Depois de caçar com êxito... 


Vaan volta pra cidade mas é barrado pelos soldados imperiais, que estavam proibindo a entrada de qualquer um, exceto em casos de entregas imperiais.


O filho do Imperador, gestor de Dalmasca, Vayne, estava de visita, e a cidade estava fechada pra isso. Mas Vaan quase inicia uma rebelião até que Migelo e Penelo aparecem e enrolam os guardas pra que todos entrassem (eles os subornam com bebidas).


Migelo da uma bela bronca em Vaan por ter saído sem sua permissão e por ter aceito missões sem que ele soubesse. Mas no fim geral fica bem e vai assistir a parada alegórica de Vayne.


O cara entra com estilo, é vaiado de início mas faz um baita discurso que no final, convence o povo de Dalmasca a apoia-lo. 


Vaan fica revoltado, e posteriormente, ele ainda vê Migelo babando ovo pro Vayne...


Que se curva perante ele e demonstra idolatra-lo. Mesmo com Penelo dizendo que Migelo só tava fazendo a social, Vaan fica revoltadíssimo e é ai que decide saquear os cofres de Dalmasca.


Depois de conversar com Penelo mais um pouco, Vaan decide por seus planos em prática, e é até zombado por sua amiga...


Mas ele não se intimida ou constrange, ele vai até o velho Dalan pra conseguir informações de como chegar aos cofres do castelo e recuperar a Joia Real, simbolo de Dalmasca.


O velho não faz cerimônia e diz que ajudará Vaan, mas que ele precisava de uma Pedra Solar pra poder localizar a Joia, caso contrário ele acabaria se perdendo no labirinto que era o castelo.


Ele vai até uma das aldeias próximo a cidade, pegar uma dessas pedras do sol, e ganha a tarefa de manufaturar sua própria pedra do sol (resgatando também um dos garotos que tinha como função essa produção). 


Ele encontra Penelo na vila, que o ajuda na missão.




Depois de equipados com a pedrinha, eles se separam e Vaan vai pra sua invasão, com a promessa de não se meter em confusão pra Penelo...


Bem, Vaan recebe orientação do velho sábio de como chegar através dos esgotos até o castelo, e como usar a pedra pra se direcionar pro lugar certo (ela ressoava com a Joia Real, direcionando o caminho mesmo ele estando escondido).


Paralelo a isso, os Rebeldes, liderados por Amalia e Vossler se preparavam pra iniciar um ataque ao castelo, onde Vayne e mais uns seletos estavam participando de um tipo de festa/banquete.


Através dos túneis impestiados dos esgotos, Vaan chega ao castelo, a tempo de se misturar da festa...


E paralelo a isso, só pra variar, Balthier e Fran também estavam chegando.


No Castelo, Vaan faz um tumulto pra poder avançar antes dos convidados e consegue despistar os guardas, e encontrar o cofre real...


La, meio que por acaso, a Joia Real ressoa perante Vaan (eeeta... na verdade ela ressoa por causa da pedra... mas quase que Vaan vira rei rs).


E o garoto recolhe a joia... 


Bem na hora que Balthier e Fran chegam.


Mas, Vaan não entrega, diz que é dele e que ele quem robou, e ai ele sai correndo.


Na correria, Vaan testemunha a batalha entre os rebeldes e os soldados, e quase se ferra, mas Balthier e Fran o salvam.


Mas por causa do peso extra, Fran não consegue estabilizar a "moto voadora" e todos vão direto pro chão, pros esgotos.


Sem a moto, eles decidem escapar pelo subsolo mesmo, e Balthier e Fran decidem não pegar no pé de Vaan e deixa-lo com a pedra por hora, formando um grupo de fuga.


Então eles avançam e avançam, encontram alguns rebeldes derrotados nos túneis, alias, o Império parecia ter previsto o ataque deles, por isso eles estavam tão preparados (e era isso mesmo).


E pra melhorar, eles acabam dando de cara com Amalia encurralada por guardas imperiais.


Vaan tenta ajudar, e consegue mais uma aliada...


E ai eles começam a enfrentar os guardas imperiais, até escaparem...


Nesse momento a pedra ressoa, mas Vaan teima em manter ela com ele, e eles fogem juntos...


Eles enfrentam várias criaturas no caminho, e até se deparam com um ser poderoso...


Mas após vencerem, são cercados por soldados liderados pelo Vayne em pessoa...


Amalia tenta lutar, mas Balthier a contém...


E eles são capturados.


Em meio a escolta, Penelo aparece e fala que Vaan é inocente e tudo mais...


Ela fica desesperada...


Mas Balthier toma a cena e acalma a garota, deixando um lenço com ela como prova de que ele traria Vaan de volta.


Isso funciona e ela fica mais calma... e o grupo segue pra prisão mais temida de Archadia, enquanto alguns Bangaas percebem Balthier, um inimigo declarado deles e um de seus alvos...


Vaan acorda na prisão, ao lado de Balthier, e começa a explorar...


Não demora muito e ele é atacado por alguns bandidos...


E arrastado prum tipo de arena, onde os caras vão pra cima dele armados e ele totalmente indefeso.


Mas Balthier aparece, também desarmado, e ambos lutam juntos pela sobrevivência.


Depois de vencerem e os inimigos fugirem...


A guarda imperial chega, fazendo com que todo mundo fugisse, menos Balthier e Vaan que estavam presos na arena, mas eles se escondem contra a perspectiva dos soldados...


Pra variar, junto com eles estava um dos Bangaas que queriam Balthier, e estava negociando por sua cabeça com um Juiz.


Daí Fran aparece, abre um dos portões e se junta a Balthier e Vaan, que seguem os soldados...


Eles conseguem passar por alguns portões que os guardas abrem, e ainda recuperam todos seus equipamentos e armas que haviam sido confiscados...


Eles continuam seguindo o Juiz e seus soldados, até chegar a uma porta mágica...


E ai eles testemunham uma grande reunião fraternal...


O Juiz que eles seguiram era Gabranth, que estava indo visitar seu irmão, Bash.


O fidumamãe chega a tirar o capacete pra encarar seu maninho...


Mas depois de ser respondido a altura, o Juiz vai embora e deixa seu irmão pra mofar um pouco mais.


Daí Fran, Balthier e Vaan exploram a sala, em busca de uma rota de fuga...


Mas Vaan não se aguenta de raiva, percebe o suposto regicida e pula na grade pra tirar satisfações...


O que faz muito barulho, chama a atenção dos guardas e por fim, os força a soltar a jaula e ir pro fundo do poço... literalmente.


Por sorte, eles não morrem na queda, mas Vaan ataca Bash, até ser separado por Balthier que os obriga a trabalharem juntos.


Contra a vontade de Vaan, Bash entra pro grupo...


Eles tinham parado nas entradas de minas quer serviriam como rota de fuga, mas estavam lotadas de criaturas malditas... 


No caminho, Bash e Vaan conversam um pouco e lutam lado a lado, até que Bash chega a explicar razoavelmente sua história.


Bash conta como as coisas realmente aconteceram, fala de seu irmão disfarçado e o culpa.


Vaan custa a acreditar mas, da um voto de confiança e eles seguem viagem.


Daí eles lutam contra uma criatura enorme, parasita das minas, e conseguem abrir caminho.


Do lado de fora, eles só precisariam atravessar um pequeno deserto pra chegar à Capital de Dalmasca. Bash tinha planos do que fazer, Vaan precisava voltar pra Penelo e Balthier precisava pegar seu lenço de volta.


Eles atravessam o deserto...


E quando chegam na cidade, se separam.


Bash vai fazer suas coisas, e Balthier e Fran também (que desistem temporariamente da Joia Real).


Vaan vai direto pra Dalan, mostrar a pedra...


E Dalan o recompensa com uma Espada que ele deveria entregar à um rebelde.


E pra surpresa de Vaan, o rebelde estava frente a frente com Bash, onde todos discutiam a veracidade de suas palavras e argumentos, votando se ele era traidor ou não. Bem na hora, Vaan aparece, defendendo-o e declarando que seu irmão. Reks, foi usado pra espalhar a falsa traição de Bash.


Vossler era o rebelde à quem a espada deveria ser entregue, e ele da um voto de fé ao Bash, mantendo-o vivo, mas se separando dele, só pelo que Vaan disse.


Daí ele entrega a espada pra Bash e diz que ficarão de olho nele.


E Vaan e Bash se unem novamente.


Ambos vão de encontro à Balthier, com o propósito de pedir ajuda dele. Bash tinha planos ainda. No caminho, Vaan passa a acreditar em Bash.


Vaan encontra Balthier num bar, em meio a uma briga com Migelo, que o culpava pelo sequestro de Penelo. Ela havia sido levada pelos Bangaas inimigos de Balthier e deixado uma carta demarcando um local para Balthier se entregar. 


Os Bangaas eram caçadores de recompensa que esperavam por Balthier nas minas de uma cidade voadora.


Apesar dele se recusar de inicio, Vaan se oferece pra resgatar Penelo e compra a ajuda de Balthier oferecendo a Joia Real em troca de uma carona em sua nave. Bash não pensa duas vezes e decide ajudar Vaan independente do que Balthier dissesse e por fim, Fran e Balthier concordam e todos vão pra nave dos piratas.


Vaan fica empolgadaço, pois seu maior sonho era voar! Daí eles vão pro Strahl, a nave de Balthier&Fran.


Então eles partem para tal cidade, que flutuava graças ao poder de Magicitas espalhadas por ela inteira, e tinha uma mina enorme e proibida pelo Império.


Assim que eles chegam, se deparam com soldados imperiais agitados, e concordam em não dizer seus nomes (pra não atrair suspeitas) e vão direto pras minas...


Mas no meio da conversa, Larsa (que se apresenta como "Lamont") aparece querendo se juntar a party.


Balthier não vê problema em deixar um garoto de 12 anos misterioso e com nome falso acompanha-los em uma expedição contra a lei numa mina mágica repleta de zumbis, monstros e sequestradores Bangaas... então ele se junta.


E de quebra Vaan chama Bash por seu nome, o que entrega tudo...


Pois bem, o grupo enfrenta os desafios das minas...


E chegam a um local lotado de Magicitas mineradas...


Larsa portava um Neticita, e ele queria ver o que o Império escondia, encontrando seu segredo: Um local cheio de Magicitas. Daí ele conta tudo pro grupo, e Balthier decide interroga-lo, afinal as informações que ele sabia eram segredo absoluto do império (e Balthier sabia, afinal ele era filho de Cid e um ex Juiz).


Mas, os Bangaas chegam e começam a perseguir o grupo, com Larsa saindo correndo primeiro.


Larsa corre do grupo, o grupo atrás do Larsa e os Bangaas atrás do grupo.


Depois de despista-los, todo mundo se esconde e Larsa se encontra com soldados do Império, que tinha acabado de capturar e render Penelo.


Larsa é recebido por um Juiz e Ondore, e tem sua identidade como Principe Imperial revelada, além de tomar Penelo sob sua custódia para assim protegê-la dos Bangaas.


Ele era um convidado de Ondore, marquês da cidade voadora (Bhujerba) e no fim, leva Penelo junto pro castelo. Curiosamente, Bash queria falar com Ondore, mas eles precisavam de uma audiência particular. Então, eles buscam por uma forma de consegui-la.


Vaan tem a ideia de dizer que é Bash e que ta vivo pra todo mundo da cidade, e com isso, a noticia chega ao marquês. Eles se reúnem, Bash se revela.


Seu objetivo era solicitar a soltura da líder rebelde Amalia. Mas Ondore diz que Amalia estava na frota Imperial, e quando Vaan diz que Penelo era sua amiga e estava com Larsa, Ondore diz que eles também estavam na frota, prestes a partir.


Daí, em meio a uma rápida reviravolta, Ondore manda prenderem Bash e os outros, levando-os para a frota imperial.


Presos pela segunda vez, eles estavam no mesmo local que Amalia e Penelo.


E são levados à presença dela, que recebe Bash com um belo tapa na cara.


Eles haviam descoberto a identidade real da princesa...


Rola uma briguinha básica onde Ashe condena Bash por seus atos...


E pra variar, a joia real ressoa de novo... 


Daí o Juiz confisca e manda prenderem Bash e os outros separados de Ashe.


Mas, no caminho um dos guardas ataca os demais e libera os prisioneiros.


Era Vossler disfarçado.


Ele pede desculpas pelo que disse um tempo atrás e se une ao grupo, com o objetivo de resgatar a princesa.


Eles atravessam a nave e encontram a princesa Ashe, depois de enfrentar muitos guardas e alarmes.


Daí eles a soltam e apesar de Ashe ficar brava pela presença de Bash, Vossler a convence a se unir ao grupo.


Juntos eles enfrentam mais um monte de guardas em busca de Penelo...


E depois de a encontrarem, eles vão todos atrás de uma nave menor pra fugir da frota o mais rápido possível.


Larsa os orienta pra onde ir, e diz que o Juiz sabe da fuga deles. 


Ele também da sua Neticita Artificial de presente pra Penelo e Vossler fica para cuidar dele.


Quando o grupo chega ao ponto de fuga, o Juiz os aguardava e ataca usando magia...


Mas a Neticita Artificial os protege, absorvendo a magia toda.


E ai rola lutinha.


E depois de vencerem, Vossler aparece com uma nave pra fuga e eles vazam...


eles voltam pra cidade voadora e la, Vossler deixa o grupo, convencendo Ashe a conversar com Bash e escutar o que ele tinha a dizer.


E ai, o grupo de 6 fica completo, e o jogo começa de verdade... brincadeira o jogo já começou (já pensou tudo isso fosse só a introdução!?). Pois bem, Ashe acompanhada de Bash e os outros vão se encontrar com Ondore outra vez, porém agora ela se apresenta (ele sabia da captura de Amalia mas não sabia que ela era Ashe, e ambos não tinham se visto).


Ela estava viva, e apesar do próprio Ondore ter anunciado sua morte, a mandos de Vayne, ele fica chocado com seu erro mas diz não poder fazer muito, pois apesar dele saber quem era Ashe e não menor dúvida, ela precisava de provas de sua linhagem, para convencer o povo e o império.


Ele afirma que sem provas ela não poderia reinar, e manda geral descansar.


Mas Ashe tenta roubar o Strahl e buscar outra Neticita, a que tava na tumba do Rei de Ivalice, quando é pega no flagra por Vaan.


Eles discutem um pouco e Balthier aparece, falando com outra voz através de um dispositivo de modificação sonora (uma pontinha que no final faz grande diferença).


Não demora quase nada e todo mundo aparece (geral tava de olho na princesa só pode) e aceitam irem juntos até a tumba do rei Raithwall...


Dois sequestradores piratas dos céus, um soldado guardião, uma princesa sequestrada e duas crianças. Essa era a nova descrição da formação do grupo.



Juntos, eles passam pelo enorme (enorme mesmo) deserto com máquinas petrolíferas abandonadas (pertenciam a Rozarria em tentativas fracassadas de extrair petróleo no passado), dominado por uma raça humanoide hostil e perigosa.




Na hora do reconhecimento de terreno, enquanto Bash explica sobre onde estavam pisando e o que desafiariam, Vossler aparece pra acompanha-los na jornada, prontinho pra ajudar, dizendo inclusive que Ondore entendia o suposto sequestro mas que, pro via das dúvidas, ele foi acompanha-los.


Daí depois de passar pelos perigos do deserto...


(Rola até uma sidequest bem legal em que o jogador pode ajudar a caçar uma criatura rival aos habitantes do deserto, ganhando assim uma flor que pode ser usada pra enfraquecer um chefe que protege a tumba do rei. Alias, nessa sidequest, a rainha da raça habitante do deserto aparece, e é bem malvada pois mata o carinha que pediu ajuda dos forasteiros... é legal.)



Daí eles chegam ao templo, derrotam uma ave guardiã mística chamada Garuda...


E vão de encontro à Neticita do Rei Raithwall.


Prontos pra mais uma expedição perigosa, eles entram enfrentam os monstros e desafios da tumba.


E se deparam com um Esper, o primeiro que encontram, poderoso e guardião do tesouro real.


Depois, Ashe pega vê seu falecido marido, e recebe a Pedra das mãos dele.


Então, eles saem da tumba, só pra serem abordados pelo Império e sua frota Imperial.


A bordo da nave principal, o mesmo Juiz que eles derrotaram aparece.


Ele havia seguido o grupo, e queria a Neticita...


E quem que entregou eles? Vossler. Ele havia traído o grupo e prometido a Neticita em troca da Princesa Ashe de volta ao trono.


Sem ter escolhas, Ashe entrega a Neticita, e o grupo é novamente preso. O Juiz decide testar a Neticita (e os engenheiros o fazem no motor da nave principal)...


Ai da merd4, pois no mesmo instante que geral ta sendo escoltado pra cadeia...


Fran é afetada pela Neticita que começa a sugar a energia da nave inteira e ressoar...


O grupo se solta das algemas e rola lutinha contra Vossler...


Que é derrotado e lamenta por ter traído eles, mas diz ter sido por Dalmasca e por Ashe.


No mesmo instante, a pedra começa a entrar em estado crítico e todos os alarmes soam...


O grupo pega uma nave e sai, deixando Vossler pra trás...


E ai tudo explode.


A frota inteira desaparece em meio a névoa.


E apenas o grupinho se salva (graças a neticita artificial de Penelo ao que parece) e eles aidna conseguem pegar a Neticita, que é tudo o que sobra da explosão.


Daí, 4 dias depois, o grupinho ta discutindo sobre o que farão agora que sabem do poder da joia.


A princesa começa a desejar o poder da pedra e pensa em utiliza-la, enquanto o grupo tenta convence-la do contrário. Mas, independente de poder usar ou não, ela não sabia nada sobre a pedra.


É ai que Fran menciona um povo que talvez saberia, já que eles são bem próximos às Magicitas, e ashe contrata os piratas para leva-la até esse tal povo. Em contrapartida, Balthier pega a aliança da princesa, dizendo que era seu pagamento (e era a coisa mais valiosa, tirando a Neticita, que ela possuía). Mas ele diz que devolveria depois em troca de algo mais valioso...


E então eles partem pra mais uma jornada (que nesse caso é pura enrolação então, vou acelerar...)...


Eles passam por campos e encontram os Garif (raça ligada às Magicitas). Sabe aquele deserto onde Vaan pegou a pedrinha com luz solar? Então, esse mesmo deserto virou uma planície linda e rica em vegetação, pois tava em período de chuva (e mano, passou nem 1 mês).


Eles conversam com o líder dos Garif, que fala que infelizmente eles não manjavam nada da pedra e o grupo não foi o primeiro a perguntar sobre isso. Ele diz que a pedra, apesar de antiga e poderosa, tava vazia e sem força (também pudera né, devastou uma frota inteira sozinha) e por fim, diz que não pode ajudar. 


Ao término da conversa, Larsa aparece, coloca a princesa a par do estado atual dos reinos e diz que uma guerra tava pra começar. E ai, a princesa entra no dilema de dever ou não usar o grande poder da Pedra. Além disso, o exército do Império já tinha uma dessas pedras sob seu poder, duas se contar com a que utilizaram contra Nebradia, então o negócio tava tenso (Larsa apareceu só pra botar pilha na garota).


No dia seguinte, Larsa se junta ao grupo e convence a ir ao monte de Bur-Omisais (terra do Gran Kiltias) pra apresentar-la a alguém que poderia ser de grande ajuda na guerra, um inimigo porém possível aliado.


Mas no caminho, eles acabam sendo barrados pelo Bosque que era caminho, e Fran os leva até sua vila natal, pra pedir ajuda (desvio de jornada de pura enrolação.)


Chegando la, inicialmente ela se recusa a entrar, e pede pra Vaan e os outros procurarem por uma garota em seu nome (que na real era sua irmão menor) mas, ela não tava na vila, e Fran fique cabreira, indo até a líder e questionando onde a menina tava...


Daí descobre que ela saiu do bosque, como Fran, e não havia voltado. Fran fica preocupada, e o grupo desvia totalmente de caminho, indo encontrar e salvar a irmã desaparecida de Fran (mano!) É ai que Vaan pergunta a idade de Fran... rs...


Enfim, na missão eles descobrem que a mina tinha ido pra uma mina. É, havia outra Mina por perto que também estava reservada pelo Império, lotada de monstros e criaturas agressivas. E eles entram pra procurar a irmã de Fran.


Eles encontram mais um monte de Magicitas sendo extraídas e Larsa já lança suas teorias, de que o império estaria se preparando pro caso de uma guerra, e pelo fato de perderem acesso a mina da cidade voadora. 


Enfim, la eles também encontram a irmã de Fran.


Confusa e num estado parecido com o de Fran quando ela endoidou por causa da Neticita ativa, ela corre, eles a seguem, dão de cara com um dragão enorme contra o qual lutam (pura enrolação...)


Daí eles encontram a menininha que explica que tava bisbilhotando a vida dos caras e se meteu no rolo todo e na briga do império contra as criaturas da mina, e também se afetou pela névoa. Mas Fran e os outros a salvaram, já que as outras Vieras pouco se importavam com o que acontecia fora dos bosques, e provavelmente deixariam a menininha pra morrer ali mesmo.


Dai eles devolvem a menina pro bosque, ela toma bronca da líder e Fran faz questão de apoiar a bronca e se recusa a ficar ao lado de sua irmão, tudo pra ela não repetir os erros dela.


Daí a viera vai pra sua cabana chorar e os aventureiros voltam pra missão principal, com o bosque apoiando a viagem agora, e com um item entregue pela líder que permite passar pelos portões mágicos.


Daí eles voltam pro caminho certo, lutam contra um dragão planta enorme...


E chegam nos montes nevados (essas jornadas são longas mas parecem acontecer em apenas um dia.).


Direto pro lugar onde os refugiados ficavam, Larsa e o grupo de Vaan vão ao encontro do Gran Kiltias.


Eles começam a conversar e Ashe é imediatamente reconhecida pelo Gran Kiltias, além de Larsa e Al-Cid que aparece logo em seguida.


Geral conversa e entra num acordo de formar uma aliança entre os reinos, com a benção de Kiltias, após vencer/acabar com a guerra. Nessa hora Larsa diz que já que Rozarria e Dalmasca estavam de boa e de acordo, ele poderia muito bem representa-los diante seu pai, que com certeza toparia sessar guerra e formar uma aliança definitiva em nome de Ivalice. Mas, Al-Cid diz que o Imperador de Archadia tinha acabado de ser assassinado (noticias correm muito rápido, os Moogles - eu chamo de "Kupo" - desse FF são ligeiros, trabalham com teletransporte e talz).

 

Com isso, Ashe decide acabar de vez com o império e impedi-los e continuar a guerra, e pergunta como restaurar o poder da Neticita e usa-la. Nessa hora Kiltias até para de se mostrar e leva a conversa a sério, acordando e respondendo... da até medo...


Daí o cara fala de um poder maior que as Neticitas, que o próprio Rei de Ivalice entregou ao Gran Kiltias de sua época, e direciona Ashe para encontra-la: A Espada dos Reis, cortadora de Neticitas.


Daí o grupo vai, e Larsa fica (pra bater um papo com Kiltias. Na viagem, eles atravessam outro templo maluco, que só conseguem entrar utilizando a Neticita como chave (demorei mó tempo pra descobrir isso).


E depois de enfrentar mais um monte de monstros e obstáculos, o grupo se depara com um chefão...


Um monstro bom pra upar (aparece ao acaso, mas ele é uma boa pedida pra um up bem configurado).


E o segundo Esper, Mateus, guardião da espada (que é tenso pois invoca um monte de capangas)


Ai depois de derrota-lo, eles encontram a Espada dos Reis.


Ashe pega a espadona, que é pesada pra caramba, e na hora de testar o tal poder de cortar Neticitas, o espírito do Príncipe falecido aparece e balança a cabeça negativamente, como se tivesse dizendo: "Faz isso não mozona". 


Resultado: Ashe erra o golpe propositalmente, e geral do grupo se decepciona pois começa a ver que ela num tava bem da cabeça e cogitando a possibilidade de usar o poder da pedra pra matar todo mundo, inclusive eles (eta... não chega a ser tudo isso, mas Balthier da umas indiretas que sugerem esse pensamento). 


Mas eles também percebem que a Neticita fica desesperada quando a espada levanta, e começa a "sangrar névoa". E se acalma quando a espada erra, como se ela tivesse viva e pressentisse o perigo, o que prova que a espada funciona (ou pelo menos faz mó cagaço pras pedrinhas).


Daí eles voltam pro Gran Kiltias, pra falar as novas, e percebem no caminho que o monte foi atacado pelas naves imperiais (outra frota aparece passando por cima deles assim que saem do templo, eu jurava que eles seriam presos de novo - afinal, o que mais ocorre aqui é prisão - mas na verdade os caras tinham atacado e destruído o templo do Gran Kiltias, com refugiados e tudo mais).


Eles correm, e quando chegam, encontram tudo destruído, um monte de gente ferrada e reclamando (mais ainda, pois já tavam todos ferrados e reclamando antes) e vários deles dizendo que os soldados imperiais atacaram sem razão, mesmo com todo mundo se rendendo. 


E ai o grupo encontra o Gran Kiltias, morto, com o seu assassino na cena do crime, um Juiz.


O cara não só tinha acabado de matar o papa de geral, que era de boaça, como também tava possuído por Neticitas Artificiais, e até Venat aparece.


Daí rola lutinha.


E o Juiz morre. Aí eles checam seu corpo e descobrem que ele tinha neticita artificial enfiada em tudo quanto é buraco, e confirmam que o Gran Kiltias tava morto. Eles também se lembram de Larsa, e o Al-Cid aparece bem na hora, dizendo que ele tava bem, ou pelo menos mais ou menos, pois Gabranth o havia levado embora. Na real, os juízes foram todos pessoalmente pra levar Larsa de volta pro império, mas mesmo depois dele ter se entregue pacificamente, um dos Juízes decidiu matar geral... por sorte o grupo chegou à tempo de destruí-lo, se não mais pessoas além do Kiltias teriam morrido.


Pois bem, Ashe fica brava, put4 da vida, e as coisas só pioram quando Al-Cid menciona que Rozarria estava preparando um ataque preventivo contra o Império, algo que nem ele conseguiria parar, e que provavelmente iniciaria a guerra, dando motivos mais do que suficientes pra Archadia apelar pro poder das Neticitas.


Aí Ashe decide ir até eles e destruir as Neticitas. Balthier faz questão de mencionar os Laboratórios Draklor (de seu pai) e eles partem pra viagem... que mano, é longa viu. Eles não podem ir de navinha, tem que ir a pé mesmo, e é um caminho inexplorado e totalmente contra-mão do que já foi explorado. Balthier chega até a fazer uma apresentação de slides no mapa... 


No fim, é só dar a volta pela praia, fazer uma side-quest pra pegar um barco e andar por algumas 3 ou 4 horas.


Depois de passar por um senho mapa... cruzar uma floresta... fazer uns Moogles trabalharem pra abrir um portão...


Daí eles chegam na praia, que não é nem metade do caminho... 


E rola muita conversa, lutinha, enrolação, eles aceitam uma side-quest pra caçar uma criatura num templo subterrâneo, que é até engraçada pois eles parecem uns power rangers versão monstros desajeitados (da mesma raça da primeira caça, aquela do Vaan)...


Que quando morrem viram anjinhos... é hilário...


Mas enfim, eles fazem tudo isso (e mais um pouco, pois rola outro chefão) pra chegar na favela de Archadia...


Ai eles conhecem um carinha que os ajuda a passar da favela pra parte rica da cidade, onde o comércio se baseia em "Informações" (desculpa pra uma side-quest enrolada) onde os caras te pagam pra fofocar... 


Basicamente isso... mas a moeda da cidade é justamente essa moeda da fofoca, e só é possível pegar o "taxi" da cidade usando essa tal moeda.


Balthier vai na frente, pois além do cara das dicas ser amigo dele, ele manjava da cidade (afinal ele morava la) e ai, quando Vaan e os outros chegam até ele, descobrem que ele tinha dado várias moedas dessas pro cara entregar pra eles, mas na real o cara tinha passado a perna... 


Enfim, enrolação total. Eles partem pro laboratório do papai, e encontram tudo revirado.


Quando chegam ao escritório do papai, também ta tudo revirado...


E por fim, eles vão pro único lugar onde Cid poderia estar, o único andar que da pra acessar e que eles ainda não checaram, e lá esta ele, lutando contra Reddas.


Então o grupo tenta ajudar na briga, e rola mais lutinha...


Dr. Cid é apelão, e trapaceiro (ele se defende com máquinas)... mas ele perde a luta...


E foge, dizendo exatamente onde iria. Algo que o grupo não percebe que é uma singela armadilha, mas opta por segui-lo (detalhe, na fuga, ele sai andando de boa, e ninguém tenta para-lo... vai entender!)


Juntos com Reddas, eles se reúnem na praia dele, e planejam o que farão a seguir.


Seguindo as pistas de um poema que Fran ouviu em sua cidade natal, eles decidem ir para Giruvegan, um lugar sagrado e escondido onde Dr. Cid disse que iria (Há, ninguém sabe onde fica, como chegar ou como entrar, então o Dr. Cid deu a dica de onde iria pra que o grupo se matasse pra chegar ao local e obter o que ele queria, pra depois ele roubar... truque mais velho do mundo!). E então eles decidem ir pra Giruvegan... e rapidão, se liga na roupa da garota:


Ela é uma das fieis seguidoras de Reddas, e na boa, isso é normal?! Enfim, eles pegam umas dicas desses caras e vão pro meio do mato procurar a entrada pra Giruvegan.


Quando chegam, é um local enigmático onde o caminho se revela quando se olha do local certo, pra direção certa (demorei mais um tempão pra descobrir isso)...


E no fim, é obrigatório usar Belias, o primeiro Esper (guardião do rei) pra abrir o portão... mas é só metade do caminho, pois depois...


Tem luta contra chefão...


Um lugar chato pra caramba pra atravessar, cheio de monstros que dão Vírus (debuff chato que faz o HP reduzir pra 1 e mesmo depois de morto não sai)...


Mais uma luta contra chefão...


E um portal que leva pra dentro de um Cristal Gigante (que nem tem mapa)...


Onde tem um labirinto simples, porém chato, com alguns portões de signos...


E por fim, mais um chefão (outro Esper)...


E ai, Ashe é levada, sozinha, à presença dos deuses de Ivalice, que a elegem e dão a Espada do Pacto pra ela, que era uma espada capaz de cortar Neticitas (ela já tinha uma, agora tem duas).


Assim que ela pega a espada, com o dever de eliminar o Império de uma vez por todas, com as coordenadas de onde estaria o Cristal do Sol pra ela poder cortar quantas Neticitas quisesse, o grupo aparece e os deuses desaparecem.


E ai o grupo diz que apesar de não terem visto, eles ouviram o papo todo, e ficam na dúvida se Ashe iria seguir as ordens dos Occurias usando e abusando do poder deles, ou se poria fim às guerras.


Eles vão pra onde os Occurias mandaram ir, uma Torre onde no topo estaria o Cristal do Sol, e senhor, que fase tensa... É um mapa enorme, lotado de etapas e desafios, enigmas, frescuras... que eu vou resumir:


Alias, Reddas vai junto, com o propósito de assegurar que Ashe e seu grupo não usem as Neticitas pra fins errados, como ocorreu com Nebradia. Ele também oferece um dispositivo que faz com que a nave de Balthier consiga voar até mesmo sob grande quantidade de névoa, o que impedia qualquer um de se aproximar da tal Torre... enfim...


Eles chegam na Torre...


E enfrentam o primeiro Chefão...


Eles entram na Torre...


Passam pelo primeiro desafio (coletar itens do primeiro piso)


Enfrentam o segundo chefão (tartarugona)


Segundo desafio (matar bichos verdes pra construir pontes...


Terceiro chefão (peixão)...


Terceiro desafio (passar por andares inteiros com 1 de 4 opções do jogo desabilitadas - Magia/Ataque/Mapa/Itens)...


Quarto Chefão (tigrão)...


Daí tem um elevador...


Pra mais uma coletânea de desafios seguidos (passar por portais aleatórios, portas invisíveis, inimigos, etc)...


E aí tem outro elevador...


Com outro chefão, o quinto, nesse caso é um Esper pra variar ( O Leão, que para o elevador no caminho)...


E depois de vencê-lo, eles andam um pouco mais e chegam no bendito Cristal do Sol.


Ashe se prepara pra destruí-lo, ou corta-lo... 


O espírito de Rasler aparece pra impedir...


Então, Gabranth aparece atrás do grupo, falando que foi ele que assassinou o rei de Dalmasca.


Rola tensão no ar, Reddas toma a dianteira e enfrenta Gabranth, revelando seu passado como Juiz, enquanto Ashe se decide...


Então ela diz que os mortos já estão mortos, e ela não vai matar gente só pra vinga-los, e decide destruir o cristal logo de uma vez. Com isso, Rasler fala com a voz dos Occurias e é cortado ao meio. 


Então, Vaan concorda, e eles lutam contra Gabranth.


Lutinha contra o sexto chefão seguido...


Rola intriga familiar...


Daí quando Gabranth perde, Dr. Cid aparece e ironicamente, diz que Gabranth é um traidor pra todos os lados, que ao enfrentar a princesa, agiu contra Dalmasca, e traiu a confiança de seu protegido (Larsa) e mano, ele fica puto, ataca Cid que é defendido por Venat.


E ai rola lutinha, contra o sétimo chefe seguido... Dr. Cid. Alias, ele começa a liberar o poder do Cristal do Sol... e a luta é pra fazê-lo parar com isso e impedi-lo de fazer merd4.


Ele explica todos seus planos enquanto isso, e a luta é tensa...


Mas pra variar, ele invoca um Esper no meio da batalha, o que significa que o oitavo chefão aparece, pois é preciso derrotar ele antes de continuar a luta contra Dr. Cid.


Depois de derrotar o Esper, Cid volta com metade da barra, mas volta ainda mais apelão...


E ai ele perde.


Balthier se aproxima do corpo dele, que vai sendo absorvido pela Neticita Mãe, e no fim, eles se despedem um do outro. Venat também se despede do seu amigo.


Daí Vaan e Ashe caminham pra cortar o Cristal do Sol de uma vez... com bastante dificuldade...


E Reddas aparece correndo, pega uma das espadas e ensina como se faz.


A explosão é vista e ouvida por toda Ivalice, e apesar do grupo ter escapado a tempo, Reddas não sobreviveu (toma, foi se mostrar...)


Mas, apesar de parecer que era o fim, ainda tinha uma enorme ameaça. Al-Cid conta pro grupo que Vayne estava em batalha contra Ondore. Deu merd4, mesmo sem as Neticitas ele tinha pode pra caramba e no fim, Ashe e o grupo precisam para-lo. (Detalhe, é citado "Bahamut", e da forma como Al-Cid fala, parece que é alguma besta gigante que acordou quando o Cristal do Sol explodiu, mas na real, é uma nave-fortaleza, de Vayne...)


Eles decidem entrar no meio da batalha, invadir a nave de Vayne e caça-lo.


É uma sequência de tiros ao estilo Star Wars, e cara, tem Bahamut de um lado...


Ondore e sua frota do outro...


Tiro pra tudo quanto é canto...


E Strahl la no meio...


Que aparece, e só consegue cobertura e permissão de Ondore (que queria abatê-lo) por causa do dispositivo de vozes de Balthier, que Vaan utiliza pra fingir a voz de Larsa e fingir que ele estava com eles, como uma carta na manga pra convencer Vayne a parar a batalha.


Daí eles entram em Bahamut...


Rola uma incursão louca, luta contra soldados, luta contra máquinas fortonas...


E daí, Gabranth aparece (bicho que não desiste) e a luta final começa.


Depois de dar um pal nele...


Bash chama ele pelo nome (Noah) e convence ele a parar com a frescura de ser malvadinho, falando pra ele viver pra merecer e honrar seu verdadeiro nome.


Daí eles correm e encontram Vayne e Larsa.


Vayne tagarela, e levanta sua mão contra o grupo dizendo pra Larsa que tudo vai acabar rapidim, debochando deles por serem fracos.


Mas Larsa levanta sua espada contra seu irmão, e o enfrenta, dizendo "Fod4-se se somos fracos, se ta ferrado!" ou quase isso.


E Gabranth, acabado, vê Larsa e seus reais ideais.


Rola lutinha, com Larsa como aliado.


Quando Vayne é derrotado, ele cai e Larsa faz a besteira de tentar socorrê-lo, e algo o derruba.


Vayne começa a se transformar e sair da jaula, pois havia neticitas artifiais de Venat em suas veias.


Daí rola luta de novo, com Vayne apelando, mas agora Gabranth aparece, como semi-aliado, batendo em Vayne. pra proteger Larsa.


A luta é complicada pois Vayne invoca um monte de espadas que voam de um lado pro outro, e distraem os Gambits (difícil mirar nele, e o gambit do líder faz o alvo mudar, então é preciso fazer uma luta manual com o líder, pros aliados agirem corretamente. Além disso, Gabranth ta na luta mas mal da pra nota-lo.)


Depois de muitos especiais exagerados e uma luta cansativa, Vayne é derrotado pela segunda vez, parado alias por Larsa! Que usa uma Neticita pra parar as espadas.


E Vaan aproveita a deixa pra fincar uma espada em Vayne, que é empurrado pra longe...


Massalvo por Venat, que impede Vaan de continuar a atacar Vayne.


Daí Vayne sai da nave, chora um pouquinho, lamenta a derrota, se despede de Venat...


E morre, tendo seu corpo possuído por Venat, e recebendo um upgrade tunadão de vários pedaços de metal.


Ai rola a luta final, contra Vayne possuído que voa de um lado pro outro, apelando com magias e defesas impenetráveis, sem nem ter barra de hp visível.


Depois de um bom tempo numa luta chata pra caramba, depois que ele finalmente começa a piscar em vermelho...


Veyne é derrotado.


Ele explode, tudo explode...


Geral comemora um pouquinho...


Depois se lembram que tão no meio da guerra e correm pro Strahl.


La, Penelo recebe orientações de Fran e Vaan de Balthier, pois tinha um problema com a saída e eles precisavam checar. Daí Vaan recebe autorização pra pilotar a nave.


Eles conseguem sair em segurança, mas Balthier e Fran ficam pra trás. Enquanto isso, Bash e Larsa conversam sobre Gabranth, que foi resgatado por eles, fraquíssimo, além de falarem sobre o futuro do Império.


No meio do tiroteio, O Strahl declara fim da guerra.


Bash, disfarçando-se de Gabranth fala pros exército do Império parar o ataque...


Larsa, em nome da casa Solidor, confirma a ordem.


E Ashe, diz pra armada de Ondore também parar, declarando o fim.


Afinal, o dispositivo de Balthier é totalmente único (provavelmente só ele no mundo tinha isso), já que todos acreditam nas vozes ouvidas e param os ataques... mas...


Bahamut tava muito danificado e iria cair assim mesmo na capital de Dalmasca, que não suportaria o impacto, teria a proteção destruída e seria esmagada. Daí, um dos Juizes ordena força máxima contra a grande nave pra destruí-la em pleno ar mesmo.


Entretanto, a bordo dela ainda estava Balthier e Fran, e pra variar, eles ficaram justamente por ter percebido o que ocorreria e estava tentando reparar os motores dela.


Ashe e os outros convencem as tropas a não atacarem, e Balthier consegue tirar Bahamut da rota da cidade, fazendo ele pousar no deserto. Infelizmente, no meio da confusão, Fran acaba se ferindo por causa de um destroço e Balthier se recusa a deixa-la la sozinha... 


Suas últimas palavras são para Vaan, deixando sua nave aos seus cuidados... 


E a enorme nave-fortaleza pousa, explodindo em alguns pontos e fim.


Um ano depois, Penelo vestiu uma calça.


Ashe se tornou rainha.


Bash assumiu o papel de seu irmão como guardião de Larsa, virando o novo Gabranth.


Noah morreu por seus ferimentos.


Vaan vacilou e deixou Strahl ser roubado um pouco antes...


Por Balthier e Fran, que deixaram a aliança de Ashe como moeda de troca.


Que também deixa um recado que é um tipo de convocação pra uma missão (eu acho).


E por fim, Vaan conseguiu uma nave só pra ele.


E foi atrás de Balthier... a aventura nunca acaba.


Ah, Penelo virou sua co-piloto, mas acho que esqueceu de ir pra nave no final e ficou olhando de longe...


E fim!



Ufa, finalmente acabou.


RPGs são bem longos, e apesar desse post não ter ficado tão enorme quanto achei que ficaria, já aviso que essa é tecnicamente a primeira parte apenas. No futuro farei um post falando melhor dos Entes, dos Segredos, das Referências aos outros jogos, das "Participações Especiais" e do sistema de Caçadas (Hunt). Mas provavelmente vai demorar, já que agora vou focar em outro jogo.

Bem, de qualquer forma, obrigado por sua leitura.

Considerações finais:

Da pra ver Cid segurando Balthier quando bebê nos créditos, dentre outras imagens...



Tipo os irmãos gêmeos quando crianças...



Tudo no formato "concept art", o que deixa evidente o quão profundos os universos de FF são.

É isso...

See yah.

2 comentários:

  1. Cara,na segunda parte eu aconselho a falar um pouco sobre o conturbado desenvolvimento do jogo.Ele mostra uma troca de diretores do jogo e consequentemente,dos protagonistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algo perceptível. O jogo realmente teve uma estranha acelerada no enredo numa certa parte, e também é perceptível vários desvios de foco. Ainda é um jogaço na minha concepção, mas sim, vou pesquisar bastante e falar sobre desenvolvimento de forma mais detalhada. Será um pacote de extras, em todos os sentidos... mas por hora vou focar a atenção em outro trabalho da Square Enix. Se tudo correr bem antes do fds já ta pronto.

      See yah sr Will (eu to meio cansado de FF... kkk)

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+