PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

domingo, 22 de janeiro de 2017

AnáliseMorte: The Walking Dead - Não Resta Tempo - O 5° Episódio da 1° Temporada.

Ta ta, hora de chorar.

Chegou a hora de falar do último episódio linear da primeira temporada de The Walking Dead Game.



É algo muito difícil de se fazer... mas a história tem que terminar, mesmo sendo um dos finais mais tristes que já vi em jogos de vídeo-game. 

E sim, como sempre, haverão spoilers, inclusive o grande plot twist... eu vou falar tudinho. Lembrando que o jogo se adapta às escolhas do jogador, e minha análise consiste somente na minha versão baseada nas minhas escolhas. Por isso, recomendo que leia (caso ainda não leu) as análises anteriores...
Tudo pronto?! Então boa leitura!!!


Certo, o final da primeira temporada é marcado pela infecção de Lee no final do 4° episódio, e como ele lida com isso, enquanto busca por Clem. É interessante ver em primeira pessoa como rola a infecção e como o infectado se sente conforme se transforma... sim... Lee passa por isso.


O episódio é de certa forma curto, se tratando principalmente de uma grande retrospectiva em meio a eventos inesperados, onde rola muita conversa sobre tudo o que aconteceu e o que foi aprendido ao longo da jornada.

Todas as escolhas e ações são relembradas e discutidas, não com apenas 1 personagem, mas com todos os sobreviventes. Aos poucos, tudo vem a tona e o jogador assiste os resultados de suas escolhas ao longo dos episódios anteriores.

De novidade, ao menos em jogabilidade, não há nenhuma muito evidente. No máximo, o fato do jogador não precisar mais se preocupar com mordidas possibilita cenas de ações bem mais... dinâmicas... mas praticamente todo o episódio consiste em conversas, com uma ou outra ação ou movimentação.



Enfim... falarei dos personagens... todos tristes... alias o esquema das expressões serem muito bem detalhadas nesses jogos da Telltale foi extremamente eficiente, passando as emoções certas da forma certa, e me possibilitando tirar fotos bem emocionadas pro texto... enfim...

Lee



O ex-condenado que saiu de uma viatura e passou a ajudar uma garotinha desconhecida; que enfrentou mortos vivos em fazendas, ruas, hotéis, tudo pela garotinha; que salvou a garotinha de fazendeiros canibais; que guiou e protegeu a garotinha por uma enorme e perigosa jornada... no fim foi infectado justamente por se preocupar de mais com a garotinha.

Esse cara... ele representa tudo o que há de melhor na humanidade... após um apocalipse zumbi é claro.


É triste ver que apesar dele ser o protagonista, nem mesmo ele está a salvo... e essa é a grande revelação e surpresa do quinto episódio... afinal ele... ele... bem...

Lee faz de tudo pra encontrar Clem, e ele realmente da seu máximo pra isso. No fim de tudo, quando ele a encontra, ele ainda a ajuda e salva, de várias formas, mesmo estando na situação mais precária possível.

Clem



A garotinha sobrevivente, que se desenvolveu ao longo de sua viagem com seu guardião acidental.

Ela foi sequestrada no final do quarto episódio, mas ainda esta viva, e em segurança... ou quase.


No fim de tudo, ela e Lee tem seu encontro... seu último encontro... e ambos precisam se decidir sobre qual será o destino de Lee... 

Kenny



Sério, esse episódio é cheio de perdas e baixas e bem, Kenny não escapa.


Depois de perder sua família, sem tempo pra depressão, e descobrir que o adolescente do grupo foi responsável indiretamente pela morte de todos, ele esta instável.

Mas, no fim de tudo, Kenny toma uma decisão que o coloca em extremo risco, e bem, é triste...

Ben




Ben... depois de todas as mancadas que ele já deu, era de se esperar que algo muito ruim acontecesse com ele e consequentemente, um certo alívio surgiria. Mas, exatamente pelo contrário, sua morte é trágica e muito consequente.

Ao menos ele recebe bem mais que o mero perdão de Kenny.

Omid



Ele ta melhor.


Só isso, ele não chega a ter uma participação tão marcante, além de apenas ser selecionado como futuro guardião, junto de Christa, de Clem. Lee decide isso antes de ir para a missão suicida de resgate à Clementine.

Christa



Ela continua grávida.


Exatamente como Omid, ela parece ter surgido só pra se tornar tutora de Clementine junto de seu namorado, algo que não é de todo insignificante, mas também não é a coisa mais importante do mundo. Pelo menos Clem terá com quem ficar caso Lee não aguente... Lee...

Homem Misterioso


Por fim, conhecemos o misterioso cara do walkie-talkie.

E ele é um retardado psicótico que decide cuidar de Clem no lugar de Lee, "salvando" ela das guarras do cara, apesar dele ter protegido ela com todas as suas forças.

Sua participação é num mero interrogatório, onde ele entrevista Lee... com o intuito de conhecê-lo melhor, antes de mata-lo (vai entender...).

Mas, Clem salva Lee na hora H.

Alias, o cara é tão fora de si, que carrega a cabeça da esposa numa bolsa e conversa com ela pra tirar as dúvidas... 

Enfim... esses são os personagens desse episódio. O que houve com os outros do episódio anterior, e o que ocorreu com estes... você saberá agora com a história:


Tudo começa do exato momento que Lee fala com o misterioso cara...



Com hordas enormes de walkers, que chegaram pelos trilhos do trem, perambulando pela cidade...




Lee e os outros discutem sobre a mordida e buscam por uma alternativa pra saírem do necrotério, já que vários walkers aparecem nos esgotos. Lee não estava sozinho, e pode contar com a cobertura e apoio dos seus amigos enquanto busca uma saída alternativa (em todos os sentidos).


Depois de encontrar uma saída do local, uma porta do elevador que ele consegue abrir... 


Lee desmaia.


Ele acorda bem na hora que Kenny ta quase cortando seu braço fora.


Como ele havia desmaiado sem razão, tudo indicava que a infecção já havia avançado... mas todos acreditam que cortando o braço infectado fora, ele teria uma chance de não se transformar. Lee precisa escolher se corta seu braço fora, ou se continua assim mesmo... e ele decide cortar fora.


Depois de uma cena muito, muito agoniante...


Lee fica sem seu braço.


Eles estancam o sangramento e vão pro fosso do elevador pra escapar dos walker, ir ao telhado e posteriormente procurar por Clem.


O caminho não é nada fácil, e o braço de Lee faz muita falta, mas ele faz questão de aguentar.


Uma vez no telhado do hospital (o necrotério ficava no subsolo de um hospital), eles se veem encurralados.


Mas Lee encontra uma escada que serve de ponte pra uma torre com um sino. Seguindo a lógica de Molly, ele podia usar o sino pra chamar a atenção dos walkers pra um ponto, e depois fugir pro lado oposto.


Ele sozinho carrega a escada e a posiciona... e ele também se oferece pra usar a ponte improvisada, pois caso algo desse errado, ele já tava morto mesmo.


De fato da merd4 e a escada cai, mas ele consegue chegar na torre e tocar o sino.


Depois, ele salta de volta pro prédio, mesmo sem o braço, fraco pela infecção e pelo sangramento.


Eles conseguem então voltar para a mansão, onde Ben havia ficado para monitorar o barco... e se deparam com uma surpresa...


Ao invés de barco, só havia o Ben preso na garagem.


Ele conseguiu fazer mais uma mancada...


O grupo de velhinhos e doentes liderado por Vernon voltou pra mansão, passou a perna em Ben e roubou o barco...


Lee questiona se Clementine estava com eles e Ben deixa claro que eles roubaram o barco apenas, e pareciam irritados por Clem ter sumido, e por Lee e os outros terem saído.


Daí Kenny fica emputecido e chinga muito Ben, culpa ele por tudo de errado e joga na cara o quanto ele é um lixo...


E ai Ben explode, e desabafa tudo em Kenny, lamentando por tudo que houve, se desculpando e por fim, declarando que ele também perdeu muita gente, mas diferente de Kenny ele não pôde nem mesmo se despedir, ou ao menos saber como ou onde eles estavam.


Ben chega a gritar, e no fim Kenny fica sem palavras... daí uma horda de walkers aparece e invade o casarão.


Geral tenta defender a casa mas os mortos entram com tudo, quebrando janelas e derrubando as portas...


O grupo corre pro segundo andar, mas o número de walkers era enorme e eles não conseguem segurar, mas eles tentam.


Depois que a munição acaba, todos vão pro sótão.



Presos, eles buscam por uma saída, quando Lee começa a passar mal... 


E em meio a uma discussão sobre o perigo que corriam ao ficarem presos com um infectado, o walkie talkie chama, e Clementine diz onde está, mostrando que está bem, até ser interrompida por alguém. Ela estava no local em que seus pais se hospedavam, o hotel que Lee e ela haviam planejado visitar quando chegassem em Savannah.


Então eles retomam a discussão, onde Kenny diz que não vai deixar que mais um "Larry" apareça. Então, Lee e Kenny quase brigam feio...




Mas, Lee se segura e quando Kenny reage, pegando uma estátua pra atacar Lee, ele joga ela contra uma parede ao invés de esmagar a cabeça de seu amigo...


Com isso, um buraco se abre e eles descobrem uma saída. Eles passam a revesar os ataques contra a parede pra abri-la mais, e enquanto isso, a galera descansando conversa bastante sobre o passado e sobre a infecção de Lee, se a amputação funcionou ou não, etc.


Durante a conversa com Kenny, ele pede desculpas por ter se exaltado e também, lamenta muito pelo estado de Lee.


Depois disso eles conseguem sair do sótão direto pra um quarto logo abaixo.


E lá eles encontram os pais do garoto que tava morto no sótão, que haviam cometido suicídio.


Eles conversam sobre isso, sobre o fato de desistirem ou lutarem contra um destino certo pra todo mundo, falam sobre ter sido a escolha certa deles, se matarem antes de se converterem. Mas, Kenny lembra de Katja e diz que isso é pura covardia, falando para Lee não desistir pois encontrariam Clem logo.


Eles não encontram outra forma de sair da casa além de uma janela pro prédio ao lado. Daí, Lee testa a passagem primeiro...


Então todos passam, um a um. Mas na hora que o Ben vai pular, a grade de proteção desaba.


Às pressas, todos pensam no que fazer, e Kenny toma a dianteira, descendo as escadas de segurança e indo salvar Ben.


Lee vai junto, e ambos descobrem que Ben, apesar de vivo, estava empalado e preso.


Kenny e Lee tentam salva-lo mas ele acaba gritando muito de dor, o que atrai vários walkers pelos dois lados do beco.


Kenny checa a arma, que só tinha uma bala, e fala pra Lee fugir enquanto ele cuidaria da horda e de Ben. Lee tenta se recusar a abandonar seu amigo, mas Kenny insiste, joga ele contra a grade de segurança e tranca, ficando pra trás com Ben e um monte de walkers.


Depois de se despedir e desejar boa sorte ao seu amigo, Kenny luta contra os walkers, atira em Ben e desaparece em meio ao mar de mortos.


Lee retorna pro topo do prédio e explica tudo o que houve pra Christa e Omid.


Eles vão em busca de Clementine, por cima dos prédios mesmo, e Lee reforça seu pedido aos dois, para que eles protejam Clem caso ele não resistisse.


Eles chegam perto do hotel e mais uma vez, Lee se oferece pra ir na frente. Ele começa a atravessar por uma placa...


Mas a placa desaba, separando Lee do casal. Ele decide continuar, e pede pra eles esperarem fora da cidade, e resgatarem Clem assim que a vissem.


Ele segue ao último encontro no hotel.


Lee simplesmente anda no meio dos mortos vivos, como se fizesse parte deles.


Ele porém não se deixa morder (isso é opcional, mas eu fiz questão de resistir!) e enfrenta todos que tentam devora-lo, ficando ensopado de sangue.


Até que ele chega no hotel, onde busca por Clem e encontra um quarto com o Homem Misterioso.


Clem grita, mas Lee obedece o cara e fica em silêncio, além disso, Lee entrega todas suas armas, deixando tudo em cima de uma mesa.


Então, ambos se sentam e começam a conversar, com o cara maluco apontando uma arma o tempo inteiro.


Lee é sincero, e responde todas suas perguntas com a pura verdade. O cara estava observando ele o tempo inteiro, seguindo ele desde o dia que seu grupo roubou seus suprimentos.


Aquele carro do final do segundo episódio era dele, e quando o grupo pegou os suprimentos, condenou ele, sua esposa e sua filha à morte. Mas, ele sobreviveu e planejou vingança contra o grupo.


Depois, ele percebeu que Lee era o líder, e também viu que ele colocava Clem em risco o tempo todo...


E com isso, ele decidiu salva-la, tirando ela da guarda de Lee, nem que fosse à força.


Na conversa, o cara tenta convence-lo de que abandonar Clem com ele é a melhor e única alternativa... mas...


Apesar de ser bem convincente com seus argumentos, expondo os erros de Lee, ele olha pra bolsa e conversa com sua esposa, deixando claro que ele é lelé da cuca.


Nesse meio tempo, Clem consegue sair do quarto em que estava trancada...


Chega de fininho por trás dele e o golpeia, abrindo uma brecha pra Lee desarma-lo e lutar.


Depois de muita pancadaria, Lee vai pro chão e o cara começa a enforca-lo... 


Mas Clem atira na cabeça do maluco.


Com isso, finalmente Lee encontra Clem e a abraça...


Lee checa se ela estava bem, e ela repara no braço "sumido" de Lee, além de mencionar o quanto ele fedia.


Lee diz que conversarão melhor sobre isso quando estiverem seguros, e depois de explorar o local um pouco (inclusive checar a bolsa, onde tinha a cabeça da esposa do cara)...


Eles saem... mas um walker aparece bem na porta...


Porém ele não faz nada contra Lee, como se ele já fizesse parte da turma.


Lee o mata, e percebe que seu cheio servia de camuflagem.


Ele então tem a brilhante ideia de camuflar Clementine também, para que saíssem pela porta da frente, em meio à multidão de mortos-vivos.


Ele abre a barriga e pega as tripas do walker recém morto e passa em Clem e depois, devolve o boné dela, que ela tinha perdido la na casa.


Eles saem no meio dos walkers, andando devagar e silenciosamente.


Lee protege Clem, e a deixa calma o tempo inteiro...


Mas ela vê seus pais na multidão...


Ela havia encontrado eles, mas eles já tinham morrido.


E bem na hora que Lee vai conforta-la... 


Ele desmaia...


Quando ele acorda, está em segurança dentro de um prédio que Clem trancou. 


Clem havia resgatado seu corpo, arrastado até um prédio ali perto, e trancado. Tudo sozinha, em meio a vários mortos-vivos... brinca!


Mas, Lee se preocupa com o fato dele estar infectado e ambos estarem presos juntos, e tenta tirar ela de la o mais rápido possível. É ai que ele conta que foi mordido.


Ele vai perdendo as forças gradativamente...


Até não aguentar mais, cair e não conseguir se mover.


Mas ainda assim ele continua ajudando Clem, orientando ela pra onde ir e o que fazer pra sair dali.


Ele a faz se armar com um taco e abrir uma porta. Depois ele vê algumas algemas e pede pra Clem pegar...


Ele pede pra ela prendê-lo com as algemas, só por precaução.

 

Depois ele pede pra ela pegar as chaves e a arma do segurança morto dentro da cabine que ela abriu...


Mas o walker se solta da cadeira em que estava preso e começa a rastejar em direção à pobre Clem...


No meio da adrenalina, Clem bate sem querer num pilar com vaso, derrubando-o na cabeça de Lee... que fica atordoado.


Ainda assim ele tenta ajudar e com muito esforço ele chuta o taco de beisebol pra Clem, que consegue se salvar.


E então, ele se despede. Ele diz tudo o que precisa dizer pra Clem, fortalecendo ela mentalmente pro que virá a seguir...


Ela chora muito, e ele pede pra ela deixa-lo e seguir em frente.


E pede pra ela buscar por Omid e Christa.


Depois de tudo isso... ela sai.


E Lee desmaia pela última vez.


Fim.

É... é algo... complicado.


Minhas escolhas finais foram: Cortar o braço fora; Ficar puto com Kenny; Entregar as armas pro cara maluco; Não matar o cara maluco; E pedir pra Clem deixar Lee, sem mata-lo. Além disso, dessa vez após o salvamento também aparece uma lista com todas as escolhas feitas durante a temporada.


Te juro que busquei alternativas pra manter Lee vivo, mas é impossível. Todos os finais possíveis são marcados com a suposta morte de Lee. "Suposta" pois em nenhum dos finais Lee aparece morto de fato.


Caso o jogador escolha atirar, a câmera não mostra o tiro acertando, nem o corpo dele após o tiro. Da mesma forma que deixando ele, a câmera só mostra ele desmaiando, não se transformando nem agonizando até a morte.

Ou seja, existe uma possibilidade minúscula dele ter sobrevivido... eu quero acreditar nisso, pois... poxa... olha esse final. Eu chorei muito, mas prefiro manter as esperanças (mesmo ciente que em TWD não tem isso...).

Ah, depois dos créditos...


Clem aparece fora da cidade, viva.


E ela vê uma dupla ao longe.


É impossível distinguir quem são, mas Clem precisava encontrar Omid e Christa conforme o último pedido de Lee... então ela fica com cara de assustada... e fim. Provavelmente ela foi até eles.

 

E é isso.

Essa história é paralela às histórias da HQ ou Série, mas consegue ser tão boa, tão impactante, quanto elas. Na verdade eu me emocionei muito mais com a história de TWD Game do que com a série, mesmo com aqueles finais tensos e cheios de drama... Acho que o fato de ser um jogo em que o jogador se sente na pele do protagonista, e inclusive decide o que ele fará e como fará, intensificou muito essa conexão, fazendo desse trágico fim, algo marcante e muito, muito triste.

Recentemente, lançaram um filme chamado "Train to Busan" (traduzido pra "Invasão Zumbi" no nosso belíssimo país) em que a trama parece uma mistura de "Guerra Mundial Z" com justamente, TWD Games. O final inclusive, é extremamente parecido... mas emociona menos quando comparado ao final do jogo. 


Por isso que amo games! Eles sempre são mais... profundos. E a Telltale ta de parabéns, pois fez um jogaço.

Terminei a análise da primeira temporada! Viva!!! Mais uma e posso começar a jogar a terceira!!! Detalhe: A próxima análise será transitória.

Espero que tenha curtido. Foi demorado, foi longo, se juntar todas as cinco análises da uma big... mas bem, eu gostei! Até a próxima...

See yah!

2 comentários:

  1. O seu gameplay foi quase igual ao meu,tirando o final.Tive que deixa-lo descansar no fim das contas...
    Enfim,esse jogo merece toda a fama que conseguiu(conseguiu levantar definitivamente o nome da Telltale)e estou correndo para comprar um videogame,preciso jogar a Season 3(pelo menos tenho até ela lançar inteira,o que me dá uns meses).
    Boa analise e boa sorte na segunda temporada(e estou curioso quanto a analise do Michigan: Report from Hell,deve ser divertida ).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comecei vários jogos paralelos e to na corrida pra ver qual sairá primeiro. Mas Michigan: Report From Hell me deixou triste.

      O jogo é incrível, eu adorei, e fiquei no clima logo no primeiro monstro que apareceu. A ideia é ótima e a execução também... o que me deixou triste é que no emulador ele laga, pouco, mas laga... e isso é péssimo.

      Não descobri solução alguma, e não quero queimar um dvd só pra jogar no PS2 pois... bem... quero aposentar os consoles faz tempo, pelas fotos. Porém, isso significa que terei de jogar com lag, e poxa... investi tanto no pc pra não ter mais esse problema =/

      Mas, se as coisas não piorarem, vou analisar sim.

      Sobre TWD... eu poupei Lee pois achei que ele sobreviveria, só isso. Eu sei que ele ficou muito tempo infectado e também chegou a desmaiar antes mesmo de cortar o braço, mas ele cortou poxa! Eu acredito que ele se livrou da infecção, mas teve hemorragia e ficou fraco pelo sangramento (mesmo isso fazendo pouco sentido e tudo apontando pra ele infectado mesmo). Poxa... eu gostava tanto dele...

      Enfim, eu também to correndo contra o tempo pra terminar a segunda temporada e começar a terceira. Eu to com a terceira aqui já... pensa na ansiedade kkk.

      Bem, saiu RE7. Vou esperar minha rescisão pra comprar ele e jogar. To igualmente ansioso.

      Enfim, see yah sr Will... e vlw por me acompanhar.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+