PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

AnáliseMorte: The Walking Dead - Um Longo Caminho a Frente - O 3° Episódio da 1° Temporada.

Saiu a terceira temporada de The Walking Dead Game, e eu to extremamente curioso pra jogar e ansioso pra analisar. Porém, antes de tudo, quero terminar a primeira e a segunda temporada, pra assim analisa-las previamente e também, portar meu save pro terceiro jogo, dando continuidade ao trabalho do blog.


Então, engoli o choro, e dei uma acelerada no gameplay. Postarei as análises o mais rápido possível, pra assim poder jogar o novo TWD. 




Então, segue o terceiro episódio da primeira temporada, explicado e contado detalhadamente, baseado em minhas escolhas. 

Lembrando: 
O jogo se baseia em escolhas, e apesar dos principais fatos não mudarem independente do seu gameplay, alguns detalhes importantes podem mudar de jogo pra jogo. Por isso, antes de ler, tenha certeza de estar pronto para spoilers... independente de quantas vezes você tenha zerado (ou não) esse título.

Recomendo a leitura dos episódios anteriores antes de mais nada: 
Episódio 1 e Episódio 2

Boa leitura!

Bem, o sistema não mudou com relação aos episódios anteriores, apesar de uma sutil melhora visual e o acréscimo de zumbis um pouco mais... variados. Também foi incluído a opção de "atirar", o que nos episódios anteriores não era muito dinâmico, sendo que agora, o jogador literalmente mira pra poder disparar, por várias vezes.


Apesar disso, os Quick Time Events ainda são o trunfo do jogo na hora da ação, onde é preciso pressionar botões rapidamente, pegar itens no cenário antes da barra branca de espera zerar, ou seja, decidir o que fazer e fazer o mais rápido que der.


Tirando isso, sem novidades. Tudo gira em torno de escolhas e decisões rápidas... e apesar de ser "trapaça" na minha opinião, repito que o jogador sempre pode voltar atrás nas decisões "relembrando" o capítulo.


Cada episódio de TWD é separado em capítulos, e existem duas formas de reviver as escolhas. A primeira é saindo do jogo antes de um capítulo terminar. Ao "continuar", o mesmo retorna do último momento em que uma escolha importante foi realizada, sem afetar as escolhas anteriores do mesmo capítulo.


A segunda maneira é rebobinando. Isso apaga todas as escolhas feitas nele, e volta do início do capítulo em questão, sem prejudicar os capítulos e suas respectivas escolhas anteriores, porém permitindo decidir e agir de forma diferente. O chato dessa segunda forma é que ela volta pro comecinho do capítulo, e as vezes a "escolha de minerva" fica no final, sendo preciso jogar tudo de novo só pra mudar um erro.


Claro que tudo isso é "errado" apesar de ser uma opção. Na minha opinião, o que vale é a primeira escolha, por pior que ela tenha sido, afinal essa é a melhor característica de TWD da Telltale... alias acho que eu já até tinha falado disso na análise anterior... então vou parar de ser repetitivo e vamos aos personagens:

Lee



Ele ainda não se tornou o líder majoritário mas ta no caminho pra isso.


Seu perfil (em meu gameplay) continua sendo o de ser o mais equilibrado possível, evitando mortes desnecessárias e conflitos no grupo. Apesar disso ser bem difícil, pois os demais personagens não se gostam muito, e toda hora julgam Lee por suas escolhas, sendo certas ou erradas na opinião deles.

Ele também continua apoiando e protegendo Clem, não importa o que ela faça, pois ele confia muito nela e em seu potencial.

Antes de tudo começar, Lee era um professor, que assassinou um cara e estava indo pra prisão. Ele escapou disso e teve a chance de começar uma vida nova, graças ao fim do mundo. Porém, nem todos no grupo sabem disso, e Lee tem como opção contar ou não a todos, individualmente, um pouco de seu passado. Essa ideia é fortalecida e incentivada por outro personagem, que falarei mais a frente.

Clem




A mocinha permanece brincando, desenhando e fazendo coisas de criança, porém, ela começa a demonstrar vontade de querer ajudar o grupo de forma muito mais ativa.

Além de questionar mais, ela deseja participar mais, e isso é percebido e apoiado por Lee.


Porém, ela não deixa de ser criança, rendendo momentos fofos e descontraídos, como em suas confissões de quando e como prega peças em Lee. Alias, Lee é tudo pra ela, apesar de ser apenas um cara que ela salvou de hordas zumbis, ela o considera sua família.

Se bem que, ela ainda deseja encontrar seu pai e sua mãe, que estavam em Savannah antes de tudo começar. Detalhe esse que se torna muito mais importante ao longo desse episódio, juntamente com o fato do Walkie Talkie de Clem voltar a funcionar graças as pilhas do episódio anterior.

Kenny



O patriarca dos games, que conseguiu manter vivos sua esposa e filho, a todo custo, mesmo sendo bem ignorante na maioria das vezes, chega ao ponto de iniciar o jogo ao lado de Lee.


Seguindo os padrões de TWD Game, isso não é bom sinal, e de fato, coisas grandes e eventos desastrosos aguardam por esse cara, começando aqui no episódio 3.


Porém, algo que preciso dizer sobre Kenny é que, por mais estressado e estourado que ele seja, ele é um cara legal, que se preocupa muito com sua família, e que considera Lee um grande amigo... apesar de quase mata-lo várias vezes.


Kenny tem como principal objetivo manter sua família a salvo, e como plano ele pretende ir até o mar e conseguir um barco, algo que ele insiste desde o segundo episódio. Ele é contra ficar em um único lugar adiando o inevitável, e prefere que todos saiam o mais rápido possível do Motel em que montaram acampamento, não apenas pela escassez de suprimentos, mas pelo fato de haverem pessoas más por todo canto, que podem invadir a qualquer momento.  

Duck




Filho de Kenny, esse garoto não teve grande destaque nos episódios anteriores, mas agora ele rende boas risadas bancando o detetive ao lado de Lee... o que repito, não é bom sinal.

Duck é uma criança, que tenta ajudar o todo tempo, sem deixar de brincar. No final das contas, ele é de grande ajuda... mas as coisas ficam ruins quando outra criança faz tudo dar errado.

Katjaa




Katjaa é esposa de Kenny e mãe de Duck, a família sobrevivente. 

Ela é veterinária e foi de grande ajuda no episódio anterior, só que agora suas habilidades medicinais são levadas ao extremo, junto com sua resistência psicológica.

Lilly




Ela é a filha do brutamontes que teve a cabeça esmagada por Kenny no episódio anterior. Ela herdou seu estresse e ignorância, algo que ela não faz a menor cerimônia em demonstrar o tempo inteiro. 

Diferente de Kenny, ela não quer abandonar o acampamento, acreditando que o risco não vale a pena. Porém ela está abalada, e além de odiar Kenny pelo que ele fez, ela afundou em uma crise de perseguição e conspiração, e acredita que alguém no grupo está roubando suprimentos.

Carley




Ela foi salva no primeiro episódio e ajudou o grupo no segundo. Mas agora, ela se aproximou bastante de Lee, servindo de conselheira e até protagonizando momentos românticos.


Ela quem convence Lee a contar aos demais sobre seu segredo, e ela quem da os primeiros indicies de interesse por Lee. Em meu gameplay entretanto, eu evitei levar as coisas pro pessoal.

Ben




Esse é o garoto salvo no segundo episódio, que se juntou ao grupo como último sobrevivente de seu grupo anterior, um grupo de estudantes.

Apesar de não ser tão jovem quanto Clem e Duck, ele é considerado uma criança pelos demais do grupo, e apesar dele não brincar e desenhar como as demais crianças, ele também não se comporta de forma madura o tempo todo.

Infelizmente, Ben não se enxerga aceito pelo grupo, mesmo Lee tentando por várias vezes convence-lo do contrário... isso porque as mancadas de Ben não ajudam nenhum pouco, testando bastante a paciência de todos, mas principalmente, de Lee.

Chucky



Esse é um morador de rua, encontrado pelo grupo de Lee em um trem abandonado.


Chucky, apesar de meio misterioso e aparecer do nada, consegue rapidamente conquistar a confiança de todos os sobreviventes.



Não só isso, ele é responsável por influenciar Lee em uma das decisões mais importantes pra toda a série, onde ele o convence de incluir Clem na realidade em que eles vivem, para que ela não acabasse como todas as pessoas vulneráveis acabariam. Ele convence Lee a educar Clem para o novo mundo.

Omid




Esse cara aparece próximo ao final do terceiro episódio, e ele e sua namorada se unem ao grupo, mediante a circunstâncias inesperadas, sem ter muito tempo para decidir.

Omid se da bem com Lee, e não aparenta ser um cara ruim.

Christa



Christa é a namorada de Omid, e ambos aparecem perto do final do terceiro episódio.

Ela logo de cara demonstra certo interesse por Clem, e busca se aproximar e conhecer melhor a garota.

Lee não vê nenhum risco na proximidade de Christa ou Omid, mas ele também não se faz de besta e mantém os olhos bem abertos com relação a eles, observando-os o tempo inteiro.


Por fim, Christa demonstra ser tão temperamental quanto Lilly, o que de certa forma também não é um bom sinal.


Pois bem, esses são os personagens... curioso pra história? Então, la vem ela!



Tudo inicia com Lee e Kenny em busca de suprimentos por uma cidade aparentemente deserta.


Depois de passar por um pequeno acidente com uma escada, onde a mesma cai após Kenny subir, Lee não consegue se segurar nele, pois Kenny acaba fraquejando, e ele cai.


Ao cair, tudo piora, pois uma mulher berrando aparece ao fundo, pedindo por socorro, o que atrai um monte de walkers pra cima dela.


Lee mira com seu rifle, e pensa em atirar pra ajudar, mas Kenny recomenda que ele mantivesse a mulher viva, pra ser devorada e gritar, atraindo a atenção dos Walkers por mais tempo, o que lhes daria tempo para vasculhar o armazém ao lado e também, fugir, sem problemas.


Apesar de ser uma decisão um pouco desumana, como a mulher já havia sido mordida várias vezes, Lee decide seguir o conselho de Kenny, e ambos passam pelo caminhão tombado e vasculham um armazém.


Ao som dos berros de dor, medo e morte da mulher, Lee e Kenny encontram muitos suprimentos, e quando ela para de gritar, eles decidem fugir... mas, Lee acaba sendo atacado por vários Walkers e Kenny quase o deixa pra morrer, várias vezes... mas acaba dando certa cobertura.


No final eles conseguem se safar e levam uma mala lotada de suprimentos pro acampamento, entregando tudo nas mãos de Lilly, que mal os agradece.



Rola discussão, e Kenny levanta a questão deles precisarem sair do acampamento logo, pegar o trailer e ir pra perto do mar. Mas, Lilly discorda, todos brigam, e o cara ainda fala da ação de Lee em deixar uma mulher para morrer só pra eles terem mais tempo pra reunir suprimentos... o que deixa todos perplexos, mas também faz com que todos compreendessem o tamanho dos sacrifícios que os caçadores de suprimentos faziam, e o risco que eles corriam.



Indiferente disso, Lilly fica revoltada e expulsa todo mundo de seu quarto, depois de acusar geral pelo roubo de suprimentos que vinha ocorrendo, coisa que parecia ser só da cabeça dela.


Lee conversa com todos, mas principalmente com Carley, que o chama pra conversar as sós. Ela o convence a contar seu segredo pra todos, antes que Lilly usasse isso contra ele. Após ele tomar essa precaução de contar a todos, sem exceção, que era um assassino condenado antes do apocalipse começar...



Ele vai até Lilly, com quem conversa mais sobre a acusação dela. 



Apesar de duvidar, afinal a contagem não mostrava nada irregular, Lee aceita ajudar na investigação e busca descobrir mais sobre o que tava acontecendo, partindo de uma lanterna quebrada que Lilly o entrega como "prova".



Com a ajuda de Duck, ele encontra várias pistas e conversa com os "suspeitos", pra no fim descobrir que de fato haviam suprimentos roubados, e postos em uma caixa do lado de fora do acampamento.



Daí a coisa fica complicada, pois Lee informa de imediato a Lilly, porém paralelo a isso, bandidos invadem o acampamento, rendem todo mundo, e ameaçam matar geral.



Lee tenta apaziguar e durante a discussão, os bandidos mencionam que como eles não honraram "o acordo", geral ia morrer e eles levariam tudo à força.



Mas, todos resistem, e depois de um intenso tiroteio, o grupo inteiro vai pro Trailer de Kenny pra escapar às pressas. 


Mas, como vários walkers aparecem, no meio do massacre, Katjaa e Duck são atacados...


Kenny e Lee salvam ambos, e depois que todos embarcam eles saem a mil.



No trailer, Kenny dirige ao lado de sua esposa e seu filho, Ben entra em pânico, Clem fica assustada e Carley tenta manter a calma. Mas ai, Lilly começa a acusar todo mundo, começa a apontar o dedo e dizer que alguém ali havia causado aquela situação toda. Ela percebe o estado de Ben, e foca a acusação nele.



Daí, o trailer enguiça por causa de um walker atropelado e enquanto Kenny tenta arrumar, Lilly obriga todos a saírem e continua a tagarelar. 




Na discussão, Lee tenta fazê-la parar, e ela força uma votação, mas... Carley começa a desafia-la e Lilly fica irritada.



Daí quanto todos se viram pra responder Kenny que tinha acabado de arrumar o trailer.



Ela atira na cabeça de Carley.



Lee a desarma de imediato e a ficha dela cai, com ela pedindo desculpas por ter acabado de matar sem razão alguma um dos membros do grupo, e pior, justo Carley. Lee não perdoa, e simplesmente expulsa ela do grupo ali mesmo.



Antes de todos embarcarem entretanto, ela tenta apelar revelando o passado de Lee... mas todos já sabiam então, ela só se ferra.



Ela fica pra trás, ao lado do corpo de Carley.


De volta ao trailer, Katjaa decide contar sobre Duck e que ele estava infectado para Lee, e Kenny simplesmente diz que não é nada de mais, pedindo pra eles não se preocuparem e mantendo o foco na estrada. Katjaa aproveita e pede pra Lee contar a Clem sobre Duck e assim ele o faz, sem manter segredos mas também sem assusta-la atoa.



Ambos conversam, Lee fala de tudo, sobre Carley, sobre Lilly, e eles desabafam um com o outro, caindo no sono após uma longa conversa.




É ai que Lee tem um sonho em que Clem era uma walker.



Depois do pesadelo...


O Trailer para, pois o caminho estava bloqueado por um trem descarrilhado.



Lee e os outros exploram possibilidades para seguir em frente e descobrem que da pra recuperar ao menos a locomotiva... e usa-la para continuar a viagem.




No processo para a restauração, Chucky surge, recebendo os invasores de sua casa.




Depois de recuperarem a locomotiva, a viagem recomeça, com Kenny no controle, ignorando a condição de seu filho.


Durante a viagem, Duck não aguenta e Katjaa implora pra que Lee chame por Kenny e pare o trem, pra eles cuidarem logo de Duck.



Lee encontra certa dificuldade para convencer Kenny a encarar a realidade, mas depois de conversar e escutar o desabafo do cara sobre o que ocorreu na fazenda de Hershel no primeiro episódio e outros eventos dos quais ele se culpava, Lee consegue, como amigo, faze-lo parar o trem para lidar com a situação de seu filho.


Depois, Katjaa mostra e fala o quanto Duck estava mal e que ele não ia aguentar mais, e eles precisavam fazer alguma coisa. Kenny tenta convence-la de que as coisas poderiam não terminar tão mal assim, na negação e esperança de que a mordida nada fizesse... mas no final ele decide aceitar e Lee se oferece para por um fim em Duck por eles, já que tanto Kenny quanto Katjaa já haviam sofrido de mais.



Enquanto eles iam na frente pra floresta, pra se despedir de Duck, Lee conversa com Clem e tenta explicar o que iria acontecer, sem assusta-la... quando ele escuta gritos e tiros.


Lee corre para ver o que aconteceu e tentar ajudar... quando encontra Katjaa morta com Kenny sobre seu corpo chorando e Duck ainda vivo, em uma árvore, agonizando.




Katjaa havia se matado.



Kenny entra em choque mas, precisa dar continuidade ao plano original e por um fim em Duck antes dele se transformar.




Lee pega a arma, e mata Duck para polpar mais dor ao Kenny.



Depois disso, Kenny fica em silêncio, abalado, e eles voltam pro trem.


De volta a viagem, Lee faz companhia à Clem, que estava triste e assustada, não apenas pelo que havia ocorrido com Duck, mas com o fato de Chucky ter dito a ela que ela seria a próxima.



Lee fica irrtado e vai para Chucky tirar satisfações, quando o mesmo lhe explica que é pura verdade, e enquanto a menina continuasse despreparada, ela seria sim a próxima, pois o novo mundo era cruel.




Ele entende isso, e seguindo os conselhos de Chucky, decide ensinar Clem a se proteger sozinha.



Primeiro ele a ensina a atirar, aconselhando como mirar, e quando o fazer. Ele diz para Clem evitar matar pessoas ou Walkers quando fosse desnecessário, visto que matar pessoas é errado, exceto em último caso, e matar walkers com armas de fogo chama muita atenção.


Depois corta seu cabelo, pra deixa-la menos vulnerável, enquanto conversa sobre moralidade e reforça a ideia de usar armas de fogo apenas em momentos de veras importantes.



E por fim, ele decide montar um plano com ela. Mas pra isso ele precisava de um mapa, e depois de ir buscar o mapa na cabine de comando, ao voltar, Ben o interrompe e  revela que ele foi o culpado por tudo que aconteceu no Motel. Ele diz que ele fez um acordo com os bandidos para que eles não atacassem, onde ele dava suprimentos e remédios pra eles, sem que ninguém soubesse. Por isso, os caras atacaram ao não receberem a cota do dia... o que resultou não apenas na morte de Carley, como na morte de toda a família de Kenny.



Lee poupa o garoto e reage da forma menos agressiva possível, aconselhando que Ben não fizesse mais merd4 e também, evitasse contar isso pro Kenny agora, pois ele estava péssimo.



Daí ele volta pra Clem e começa a planejar o que eles fariam no futuro. Ambos concordam em aproveitar que o trem estava indo pra Savannah e procurar pelos pais de Clem, indo até um hotel que eles costumavam ir quando viajavam pra la.




Com isso, Kenny para o trem.


Mais um obstáculo, um caminhão tanque havia tombado e estava no caminho. Eles não podiam avançar pois isso resultaria numa explosão, e eles desembarcam pra estudar a situação.



É ai que Omid e Christa aparecem, interrogando um pouco o grupo e os ajudando a se virar pra tirar o tanque do caminho (descolando também uma carona de trem).



O grupo se junta e todos se ajudam. Lee interrompe o casal em conhecer Clem, levando ela pra checar uma cabana ali perto, o que só é possível graças a Clem que consegue abrir a porta pela janela de cima.


La dentro, Lee encontra um maçarico, porém preso do outro lado de uma grade, que Clem consegue passar também por cima. Só que, walkers aparecem e atacam Lee por trás...



E por pouco ele não morre, conseguindo se livrar dos walkers com muito custo. Daí, Lee olha pra Clem e percebe que ela estava com sua arma, apontando pros walkers, mas assustada de mais pra puxar o gatilho. 



Antes de qualquer coisa, um walker aparece dentro da grade com Clem, mas Lee consegue salva-la e ambos conseguem um maçarico prontinho pra ser usado. Lee também conversa com ela e lhe conforta, dizendo que é normal ter medo nessas horas, mas que ela precisa aprender a puxar o gatilho.



Então, Lee e Omid usam o maçarico na conexão do tanque com o caminhão, derrubando ele e abrindo caminho. Mas, no processo, Ben avista uma multidão enorme de walkers vindo pelos trilhos, o que acaba fazendo com que eles acelerassem mais o trabalho.




Todo mundo embarca no trem, e Omid e Lee conseguem soltar o tanque. Mas, eles ficam na ponte, e precisam pular pro trem antes dele passar e eles ficarem presos na ponte, com um mar de mortos vivos logo abaixo.


Lee pula primeiro, e Omid em seguida, mas Omid cai do teto do trem, fraturando a perna (antes de pular, eu joguei o maçarico na gasolina que caiu do tanque, mas só pegou um pouquinho de fogo, não explodiu nem nada, o que me fez pensar que eu deixei alguma coisa pra trás, pois essa ação não gerou consequência alguma). Christa pula do trem e busca por Omid, e ambos correm pra se salvar...


Lee ajuda Omid a embarcar por conta de seu ferimento, e em meio a xingamentos por ter deixado Christa pra trás, ela alcança o trem e embarca com eles, ficando todos à salvo.


E ai o trem segue viagem, com uma multidão de walkers seguindo pelos trilhos lentamente.


Lee e Kenny ficam na locomotiva com Clem dormindo numa cadeira e sua mochila aberta. Nela, Lee encontra um desenho de Kenny e sua família feito por Clem, e menciona que ela estava muito mais calada depois do que ocorreu, e começa a conversar com Kenny, sem revelar o desenho para não tocar em nenhuma ferida aberta...


Daí, o rádio de Clementine chama, e a voz de um homem diz que mal pode esperar para encontra-la em Savanna, alegando estar com seus pais e tudo mais...


Lee e Kenny ficam chocados e estipulam sobre quem seria o homem do rádio, pois a voz soava ameaçadora e mentirosa, além de estar visivelmente manipulando Clem, tratando-a como mera criança, com falsas promessas e etc. E ai... 


O episódio termina.


Essas foram as minhas decisões principais com relação a média dos jogadores: Eu não matei a mina da rua (o que me ajudou a obter suprimentos que não serviram de nada, pois os bandidos causaram o fuzuê), eu abandonei Lilly (que por hora não gerou consequência alguma... ainda), eu evitei bater em Kenny no trem para fazê-lo parar (o que consolidou mais a amizade entre ambos), eu matei Duck (o que de certa forma também ajudou Kenny) e eu salvei Omid ao invés de Christa (que evitou a morte de Omid, pois com a perna machucada ele não alcançaria o trem... eu acho).


E é isso... por enquanto. Obrigado pela leitura...

Na verdade já fechei os demais episódios então acredito que não demorará para a próxima postagem... ainda não declararei um feliz ano novo... pois deixarei pra última!

Até la... See yah!

12 comentários:

  1. Acho interessante ler sobre as decisões de outros jogadores nesse jogo,acho que acaba ajudando nas próximas temporadas(claro,depois de você já ter terminado o gameplay).
    Sei que o Kenny é meio rude,mas a situação que ele passou me deu um vazio na hora que joguei, principalmente na parte do Duck, perdi a noção da realidade por um segundo quando vi a Kaatja e decidi que nenhum pai deve ser obrigado á matar o próprio filho daquele jeito...
    Bem, ia fazer um cometário um pouco maior mas prefiro não dar spoilers então...eu acho muito triste e fofo a cara da Clementine quando o cabelo dela é cortado...também me partiu o coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hei sr Will! Acabei de corrigir alguns erros grotescos da postagem e vi seu comentário... foi rápido hein.

      Bem, eu não me lembrava de tudo pelo que o Kenny passou, e também bateu uma bad ao ver tudo de novo... eu me senti mal pelo cara. Por isso optei por ajuda-lo com Lee. É realmente triste ver a cara que ele faz mano... as lágrimas descendo pelo rosto, o desespero... alias algo que eu não menciono nas análises é o ótimo trabalho com expressões que esse jogo tem. Mano, é de cortar o coração.

      A Clem tem muitos momentos fofos e engraçados. A cara que ela faz mano, é muito fofo. Mas... lembrar que existe "aquele final" meio que torna essa fofura dolorosa. Sei la... eu fotografei bastante a cena em que Lee dorme com Clementine no colo... pois essa é uma cena maravilhosa.

      Ps.: Mudei a foto do corte, pois na outra o Lee tava com uma cara de dar medo.

      Excluir
  2. Belo post cara, gosto muito desse jogo, e esse capitulo é um dos meus preferidos. Bem, se cuide

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Telltale fez essa obra prima, e nos presenteou com ótimas continuações e jogos de outras franquias, com a mesma qualidade. Apesar desse não ser um dos meus favoritos (eu tenho melhores memórias do primeiro), todos os episódios são maravilhosos.

      Sr Tuth... vlw.

      Excluir
    2. Btw, o que achou da Season 3 (se tiver jogado)?

      Excluir
    3. Ainda nem joguei, mas to com o jogo aqui separadinho. Eu preciso jogar a segunda temporada inteira de novo pra poder jogar ele. Isso porque eu tinha guardado os saves mas, quando perdi o HD la se foram eles tudo. Mas, considero isso uma segunda chance, principalmente porque vi algumas fotos de relance e saca o Kenny?! Então... digamos que ele não estaria na minha 3° temporada.

      Em resumo, pelo pouquíssimo que vi, posso dizer que... eu to morrendo de ansiedade.

      Pior que só falta a 2° temporada, e ela é "de boa" comparado a primeira. Eu terminei o 400 Dias (maldito Jokenpô, me fez perder uma madrugada pra pegar um final com todos salvos) e bem... logo logo poderei jogar.

      O mais legal é que to registrando as histórias então, não precisarei jogar de novo... certas coisas doem muito de se ver... tipo o Lee... mano T_T... eu ainda to mal por causa dele.

      Excluir
  3. Cara gosto muito de suas análises, é diferente de tudo que tem por aí. Poxa já tinha finalizado esse jogo já tinha um tempo, mas lendo sua análise me deu vontade de jogar de novo e tambem como forma de entrar com a historia fresca ainda no 2 e no 3. Sou o cara que pediu a analise do Half Life ano passado, tava relendo a sua analise dele e lendo os comentários e tive que perguntar, quais jogos você está pretendendo analisar agora e quando sai a analise do HL2(isso se você nao analisar o blue shift e o opposing force)? Aguardo bastante a sua "dissecação" do jogo e opiniões formadas junto com teorias, tenho certeza que você vai se surpreender. E quando for jogar não se esqueça das dicas que eu e outros lhe damos no post do HL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só reformular uma pergunta, quando você pretende jogar HL2 para aí então fazer a anlise.

      Excluir
    2. Vlw sr Bruno... legal saber que os textos tão ficando tão bons assim rs. Obrigado por ler e apoiar.

      Vejamos... atualmente estou analisando TWD, pretendo terminar a primeira temporada esse fds (quero deixar o último episódio como uma saideira perfeita, por isso vou ter de me concentrar muito). Posteriormente, pretendo postar a analise de Donkey Kong Kountry 3 (que já ta na geladeira um tempo). Acabei de dar um upgrade monstruoso no meu pc (GTX 1050Ti, diferente de tudo que já tive... T_T) então to com uma grade de jogos enorme, e empolgadíssimo pra jogar de tudo. Entretanto, tenho alguns pré instalados que pretendia analisar já tem um bom tempo, como Dead Space (1, 2 e 3), RememberMe, Comdenmed, Bioshock 3 (o 1 e o 2 eu analisaria posteriormente), SkullGirls (analise de luta indie...), Republic, Final Fantasy 9 (versão de PC), Prince of Persia Forgoten Sands, Rise of Tomb Raider, Tomb Raider 2013, Tomb Raider Legends, Anniversary e Underworld, Life is Stranger, Inside, Sonic Generations, Street Fighter IV, Resident Evil 4, 5, 6, Revelations e Revelations 2, Outlast, Max Payne 2, Game of Thrones e Half Life 2.

      Mas agora peguei Just Cause 3, Assassin's Creed Unity, Hitman 2016, e to comprando jogos adoidado, pois to, como eu disse, muito empolgado.

      Ainda por cima há os jogos de video-games, como Wii/GC (principalmente Zelda Skyward Sword, Kirby's, Metroid Prime 1 e 2, No More Heroes 2 e Donkey Kong Country Returns), PS2 (Principalmente Kingdom Hearts 2 Final Mix, Guitar Hero 1, 2 e 3, Shadow of Colossus, Metal Gear Solid 3, Fatal Frame 1, 2 e 3 - "Project Zero" na verdade, pois é a versão européia), GBA (Principalmente Zelda Minish Cap e DKC3 em combo com o de SNES), Super Nintendo (Principalmente Super Metroid, Sunset Riders, DKC3 em combo com GBA), Nintendo 64 (Principalmente Conker's Bad Fur Day e Donkey Kong 64), PSP (Principalmente Castlevânia Chronicles X, Dante's Inferno e Mega Man Powered Up), DS (Principalmente Zelda Phanton Hourglass, Zelda Spirit Tracks, Kingdon Hearts Re-Coded e 368-2 Days) 3DS (Principalmente Kingdom Hearts DDD, Super Smash Bros "4" em combo com o WiiU, Zelda Triforce Heroes) e WIIU (Principalmente Donkey Kong Country Tropical Freeze, Super Smash Bros "4" em combo com o 3DS, Bayonetta 1 e 2). Apesar de eu ter alguns jogos que pretendo analisar em breve, a lista só cresce, pois tem muito jogo indie e jogos menos conhecidos que eu adoro e adoraria digitar sobre.

      O que posso dizer, é que atualmente, meu foco é TWD. Mas posteriormente, eu quero muito terminar do DKC3, pois o emulador de WiiU ta avançando muito rápido e logo logo o DKCTF ficará 100% jogável, algo que eu espero ansiosamente pois... que jogaço! Outro jogo que to me coçando pra analisar é o Kingdom Hearts (serie) pois preciso retornar ao universo deles logo. Fatal Frame é um título que preciso pelo menos analisar o primeiro, pois além de já estar com todos os jogos, eu to com as melhores versões pra analise e tipo... to empolgado também. Infelizmente é tanto jogo, que eu to custando a me focar em um só.

      Mas não desanime sr... apesar de eu não gostar, jogos de tiro são parte da minha seleção, creio que entre o primeiro e o segundo bimestre de 2017 vai sair uma análise de jogo de tiro, só não sei dizer se será Bioshock 3, Half-Life 2, Resident Evil (ai vem um porém, pois acredito que meu primeiro RE principal analisado será o 7, mas não tenho certeza, pode ser que eu analise um spin off da série como os Chronicles) ou Fear. Creio que qualquer um desses títulos renderá uma ótima analise, mas sei que o Half Life exigirá um trabalho beeeem minucioso... não que isso me desanime, na verdade isso me estimula, sem contar o fato de terem leitores querendo uma analise dele logo.

      Excluir
    3. Sr Bruno, posso afirmar que em 2017 sairá a análise de Half Life 2 (e eu pularei as DLCs do primeiro, apesar dos conselhos, pois pretendo criar uma ideia própria pra depois refina-la pelas DLCs). Se tudo correr certo (se meu pc não explodir ou minha internet não for cortada, sabe-se la por qual razão) eu pretendo postar todas as análises de todos os jogos citados acima. Sem exceção.

      See yah sr Bruno... e obrigado por me acompanhar nessa jornada cirúrgica.

      Excluir
    4. Vlw Shady, estava querendo pedir para ser pelo menos durante este ano nem que fosse em dezembro, mas você já disse antes.

      Fico no aguardo de suas análises e curioso para ver a de MGS3, é um jogo fantástico em todos os aspectos(vai dar trabalho analisar ele, o jogo tem coisa demais!!!) e o final vai te deixar puto(o final é bom mas as decisões morais que o snake toma ao longo do jogo junto com a revelação final que te deixam com raiva), principalmente depois que você analisar toda a trajetória do jogo. E uma dica jogue o MGS3 Snake Eater pois a câmera é movel, diferente do jogo original em que ela é fixa.

      Curioso também para Shadow of Colossus, rapaz que jogo massa e que também tem umas teorias interessantes espalhadas aí pela internet. Uma indicação que faço e sobre o ICO que acredito que você ja deve saber esses jogos são interligados e meio que um sendo o sucessor espiritual do outro( The Last Guardian lançado recentemente fecha a trilogia, mas esse não tenho a oportunidade de jogar por causa de recursos financeiros kkkkk). Mas enfim indico ICO como complemento de SOTC ou vice e versa, e também queria ver sua explicação sobre a interligação entre os dois jogos no final de tudo.

      Excluir
    5. Sr Bruno, ficaria surpreso quanto o quão próximas da realidade estão essas análises.

      Metal Gear Solid 3, começarei a franquia do zero por ele (jamais joguei MGS) e pretendo me aprofundar tanto quanto o outro jogo do mesmo criador... rs... e sim, começarei do Snake Eater mesmo.

      Shadow of the Colossus... ta tão perto... mas não falarei de ICO ou The Last Guardian... não ainda. Nem mesmo citarei ou compararei as obras por hora. Farei isso somente quando terminar todas as análises, pois assim as ideias vão se conectar perfeitamente... mas que jogos.

      Enfim, see yah sr Bruno, e fica atendo que tão por vir análises bem aguardadas...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+