PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

sábado, 22 de outubro de 2016

AnáliseMorte: The Walking Dead - Famintos Por Ajuda - Falando do segundo episódio do jogo!

Dando continuidade, depois de um longo tempo, trago a análise sobre o episódio que tecnicamente mais me chocou em TWD Game.


Espero que fique bom e que você curta.

LEMBRANDO: 

O JOGO SE BASEIA EM ESCOLHAS, E ELE SE ADAPTA A ELAS. FALAREI DA VERSÃO RESULTANTE DAS MINHAS PRÓPRIAS ESCOLHAS, ENTÃO APESAR DE HAVEREM SPOILERS, PODE SER QUE ALGUMAS COISAS FIQUEM DIFERENTES DE COMO VOCÊ VIU. OU SEJA, ESSA É APENAS A MINHA VERSÃO DA HISTÓRIA, A VERSÃO QUE EU JOGUEI,  VOCÊ PODE LER E AINDA ASSIM SE SURPREENDERÁ AO JOGAR. ENTRETANTO HÁ CERTAS REVELAÇÕES QUE SÃO IDÊNTICAS NÃO IMPORTAM AS ESCOLHAS... ENTÃO PENSE BEM ANTES DE LER, POIS HÁ SPOILERS DE QUALQUER FORMA.


PS.: Antes de ler, recomendo que veja a primeira parte:


Boa leitura.


A história do segundo episódio começa 3 meses após a chegada de Lee, Clementine e os demais sobreviventes ao Motel e aquela brusca queda de energia. Eles resolveram acampar por la mesmo e sobreviver o máximo que desse. 



Logo de cara, somos apresentados a um personagem novo, Mark, e em um ligeiro dialogo durante uma caçada, descobrimos a situação atual do grupo.



Lembrando que o jogo se adapta às escolhas feitas, tanto no próprio episódio quanto no anterior, se o save do episódio anterior for utilizado é claro. Sem o save, uma situação aleatória é gerada, mas com o save, uma situação consequente de escolhas anteriores brota. Mas, isso não é tudo: A Telltale lança um verdadeiro questionário durante o dialogo no inicio do episódio, e dependendo das respostas tudo vai se adaptando em tempo real. 



A questão é que, nenhuma das perguntas tem uma resposta correta, já que não é possível saber o que aconteceu, pois se baseia em fatos que ocorreram entre o primeiro episódio e o segundo episódio, sem a interferência do jogador. Claro que, é possível que o jogador escolha as respostas que lhe convém, e fazendo isso, a realidade que ele deseja pro grande hiato ganha existência e significado.



É complicado e simples ao mesmo tempo, mas vou usar como exemplo uma das perguntas:



Mark pergunta pra Lee se ele sabe quanta comida resta no acampamento. Não da pro jogador saber isso, pois o jogo mal começou, mas é possível responder como se soubesse, como se não fizesse ideia, ou de forma indiferente. Tudo isso molda o jogo às consequências e ocorrências do episódio anterior. Isso também ajuda a calibrar o jogo conforme a opinião do jogador, visto que da pra apoiar determinados personagens e rejeitar outros, só pela forma como Lee responde. 



A fórmula é a mesma do primeiro episódio e isso se repete pra todos os jogos da Telltale (não só em TWD, mas Game of Thrones, Batman, Wolf Among Us, etc), onde o jogador controla determinado personagem em terceira pessoa, anda com ele por cenários simples e exploráveis, com itens espalhados que podem ser recolhidos ou apenas verificados.



Além disso, é preciso responder a perguntas ou situações de forma rápida ou precisa. As vezes há tempo, as vezes não, e em alguns momentos nem da tempo de responder pois outros eventos interferem. 



Também há Quick Times, onde o jogador precisa reagir rapidamente, ou tudo resulta em morte. 



Apesar de certas respostas gerarem consequências imediatas, como a morte de um personagem, a perda de confiança, uma derrota humilhante, etc, é possível sair do jogo e voltar pro último capítulo salvo. 



É um truque injusto, não conta e conta como trapaça ao mesmo tempo, pois o que vale é a primeira decisão (depois de se conhecer as consequências fica fácil de mais escolher "certo") mas, isso não deixa de ser fácil e possível de se fazer, e as vezes é uma ótima saída. Um exemplo, eu vacilei logo no começo do jogo e depois de muitas conversas, perguntas e respostas, e praticamente perto do final do primeiro capítulo, deixei o carinha que deveria ser salvo morrer, por mero miss click (o mouse escorregou).



Daí, quis mudar essa consequência, reiniciei o jogo e "Relembrei" o evento... isso apagou todas as escolhas feitas até aquele momento (mantendo apenas as do episódio anterior) e tive de responder tudo de novo. 



Foi chato, mas no fim deu pra fazer as coisas da forma como eu queria. Se isso foi certo?! Nenhum pouco... mas como na primeira vez em que joguei eu havia salvo o cara (porém faz muito tempo), me permiti tal regalia. Entretanto, em jogos assim é injusto moldar o jogo conforme sua vontade com base nas consequências, já ciente de quais serão. Isso faz tudo perder a graça e no fim, a experiência cai pela metade ou pior, é totalmente nula. O legal de jogos assim está na "Ação e Reação" surpresa.


Enfim, como nada mudou com relação à jogabilidade, gráfico, trilha sonora ou formato, não tenho mais nada a descrever. Então, segue a lista de personagens importantes:

Lee


O protagonista, é um ex-presidiário que acabou sendo salvo por uma garotinha no estopim de um apocalipse zumbi. Ambos passaram a sobreviver juntos e se tornaram parte de um grupo grande de sobreviventes, tais quais montaram acampamento em um Motel.


Lee não é o líder, apesar de ser o protagonista, e ele está entre uma Garota e um Cara que são os atuais mandachuvas do acampamento. Uns apoiam o Cara, outros a Garota, mas Lee ainda tem aqueles que o apoiam e acreditam nele como líder, tipo Clementine e a moça que ele salvou 3 meses atrás, Carley.


Ele se preocupa muito com todos, mas principalmente com Clem, e isso fica evidente nesse episódio.

Clementine



A menininha que salvou Lee, de certa forma, agora é sua eterna protegida.



Ela é uma criança inocente, mas está se adaptando ao novo mundo, aprendendo com seu grande tutor. Ela respeita e se inspira em Lee, e o segue, não importa o que ele faça.



Ela perdeu seu Boné, e isso tem uma importância grande nesse episódio, pois foi ao longo dos 3 meses de sobrevivência que ele desapareceu, e isso gera uma consequência séria. Além disso, ela mantém seu Walkie-Talkie, mesmo sem bateria alguma, porque gosta e precisa dele. .



Resumidamente, ela não mudou em nada... ainda.

Kenny e sua família ("Duck" e "Kat")



Kenny é um dos líderes auto-proclamados do grupo. Apesar de nem todos concordarem com ele, ele se impõe o tempo inteiro e está planejando deixar o acampamento no Motel com seu trailer, e ir para as docas, buscar refúgio no mar.



Tal decisão não é infundada, pois mesmo sendo um local seguro, se encontra com pouquíssimos suprimentos e todos estão morrendo de fome. Na opinião de Kenny, já é hora de mudar, e ele está disposto a fazê-lo só com sua família, apesar de abrir uma vaga no trailer para Lee e Clem, com quem ele criou um forte laço de amizade e respeito, e de certa forma se identifica. 

Lilly e seu pai (Larry)



Lilly é a líder oficial, pelo menos é quem soma o maior número de ações para o grupo, contribuindo com manutenção do estoque de alimentos, vigiando o abrigo quase que 24 horas por dia e, decidindo o que deve ou não ser feito. 



Pra ela, a melhor escolha é permanecer no Motel, por ser um ponto seguro e sem incidentes até então, e mesmo com a falta de estoques, ela prefere insistir nessa permanência.



Claro que ela é totalmente contra Kenny, e faz questão de deixar isso muito claro, e com o suporte de seu odioso pai, ela consegue até mesmo intimidar os demais membros do grupo. Seu pai, que tem problemas cardíacos e forte índice de irritabilidade, odeia Lee, pois sabe de seu passado "criminoso" e não confia nenhum pouco nele. Consequentemente, Lilly também não demonstra nenhum carisma pelo protagonista.



Esses são os personagens com maior destaque nesse episódio, mas há alguns que são importantes, apesar de aparecerem menos...

Mark




Ele é um personagem que surgiu durante os 3 meses entre o primeiro episódio e o segundo. Ele entrou pro grupo, trazendo vários suprimentos (que duraram pelos 3 meses), é ex-militar, e ao que parece foi encontrado como último sobrevivente de seu grupo anterior, em situação extrema. Nada é mostrado, apenas discutido.




Bem... ele é muito próximo de Lee (a história já começa com ele ao lado) e isso se mantém, provavelmente pra intensificar o clímax...

Carley e o estudante (Ben)




Por fim, temos a mina que foi salva no episódio anterior (Carley) e um cara que é salvo nesse. Ao que parece, os personagens salvos viram coadjuvantes que, vão ganhando importância com o tempo, o que significa que um personagem salvo em determinado episódio pode se tornar um indispensável aliado. No caso da garota, ela apoia completamente Lee, igual ao rapaz recém resgatado que não é tão próximo, mas tem tendências para também se tornar um dos seguidores de Lee.



Curiosamente, Carley salva Lee várias vezes nesse episódio. Ela não segue Lee por obrigação, pois ela já não deve nada a ele, mas sim porque confia nele completamente.



Vilões


Tem vilões dessa vez, o que da um novo tom ao game. A ideia de que o perigo estava nos mortos é rapidamente substituída pelo perigo dos vivos. Tanto na série, quanto na HQ e no jogo a mesma coisa acontece: Pessoas ruins surgem durante o apocalipse zumbi.




Os mortos se tornam o menor dos problemas e a prioridade é buscar por Comida e Segurança, onde algumas pessoas acabam fazendo certas loucuras desumanas.



Mas nada disso gera mudanças no gameplay. Por exemplo, apesar de haverem vilões, o jogo não deixa de ser point&click pra virar FPS no intuito de combater os inimigos mais inteligentes que mortos-vivos. Tudo fica do mesmo jeito, onde só é preciso clicar e reagir rapidamente pra derrotar tanto os vivos, quanto os mortos.



Em termos de revelações, nesse episódio os sobreviventes fazem a descoberta mais chocante de todas: Todos estão infectados, independente de estarem mordidos ou não.



Isso tira completamente a ideia de segurança dos sobreviventes, imergindo-os na drástica realidade do novo mundo: Já ta todo mundo ferrado.



Então, temos os walkers, temos os assassinos, temos os sobreviventes "rivais" (que querem o acampamento ou recursos dos outros), temos os aliados feridos (que agora são uma ameaça percebida, já que a qualquer momento podem falecer e voltarem, mesmo sem mordida) e temos os sobreviventes que sobrevivem se alimentando de outros sobreviventes... literalmente.



"Canibalismo" é sem dúvida alguma a coisa mais marcante desse episódio. Eu me lembro que na época de lançamento desse episódio, estava em período de hiato da série TWD, justamente na chegada ao Terminus (era mais ou menos na mesma época) onde foi apresentado o canibalismo na série (algo que já tinha sido mostrado nas HQs). Ainda assim, mesmo sendo algo mais ou menos previsível (churrasqueira num apocalipse zumbi é muito suspeito), foi chocante ver o cardápio da galerinha de Terminus...




E o choque já havia sido provocado nos games, no episódio dois.


Bem, acho que é isso... agora, como de costume, segue a história do jogo.

Famintos por Ajuda


Tudo começa com Mark e Lee caçando, devido a falta de comida estocada. Durante a caçada eles conversam e Lee revela entender tanto Kenny, quanto Lilly, apesar de não concordar com nenhum dos dois quanto ao tipo de liderança. Além disso, Mark demonstra saber dos eventos que ocorreram antes deles se encontrarem, como o fato de Larry quase ter matado Lee no passado.


Em meio a conversa e a caçada, eles escutam um tiro ao longe e suspeitam que seja Kenny em perigo, que também estava caçando la perto. Ao correr de encontro ao barulho, eles encontram alguns colegiais, com o professor preso à uma armadilha de Urso.


A adrenalina sobe, Kenny aparece (também por ter escutado o tiro.) e o grupo de estudantes fica com medo de morrer nas mãos dos estranhos que saíram da floresta. Eles já tinham noção de que os demais sobreviventes eram um risco. Mas, Lee decide ajuda-los, tirando o professor da armadilha. Infelizmente, por conta da barulheira, uma horda de walkers surge vindo lentamente em direção ao grupo. 


Enquanto Lee tenta tirar a perna do cara da armadilha que estava sem a trava de segurança, seus amigos metem bala nos walkers pra mante-los longe...



Até que, sem tempo pra pensar, Lee decide usar seu machado, que apesar de não ser forte o bastante pra romper as correntes, era forte o bastante pra decepar a perna do cara. 


Depois de tirar a perna do cara fora, ele desmaia e todos saem correndo... menos ele é claro (é carregado) e um idiota dos estudantes que para pra vomitar e é devorado pelos walkers.


Tudo acontece muito rápido e infelizmente, não da pra salvar o imbecil de estômago fraco (fica a dica, num apocalipse zumbi, nunca pare pra vomitar).


Todos voltam ao Motel e começam a discutir, principalmente sobre a decisão de Lee salvar um desconhecido e leva-lo todo ferido pro acampamento, algo que resultaria em um consumo maior de recursos. Mas, a esposa de Kenny que é veterinária decide ajudar e tenta estancar o sangramento da perna do cara, enquanto os outros perdem tempo discutindo.


No final da gritaria, Lilly se irrita com Lee e sua imparcialidade e coloca ele pra fazer a tarefa mais complicada do dia-a-dia: Distribuir alimentos.


Lee alimenta Clementine (é óbvio); 


Alimenta o filho de Kenny (não por ser filho de um dos fortes do grupo, mas por ser uma criança faminta); 


O pai de Larry (nesse caso, por ser pai de Lilly, na tentativa de ganhar moral com ela, e também por recomendação de Carley); 


E por fim, Mark (que ficou babando ao ver Larry comendo, e também por ter sido o responsável pelos suprimentos trazidos ao grupo, que os sustentaram por três longos meses).


Nem todos ficam felizes, afinal todos estavam com fome, mas Lee fez o que seria a melhor escolha possível, com o apoio de todos, inclusive Carley, que deixa claro que apesar de estar faminta, entenderia se Lee não a alimentasse.


Depois do almoço dos vivos, é hora do almoço dos mortos, e ao conversar com a esposa de Kenny, o recém falecido cara sem uma perna começa a atacar, do nada.


Lee salva a moça, peita o walker desarmado (pois ele havia deixado seu machado com Mark para os reparos da cerca) e por fim, é salvo por Carley (viu, sem ressentimentos).


Daí o grupo discute de novo sobre o fato de Lee ter levado um infectado pra dentro do acampamento, quando o último sobrevivente do grupo de estudantes revela que todos estavam infectados, independente de estarem mordidos ou não. 


E ai aparecem dois caras do outro lado dos muros, e pedem por gasolina. Lee faz um acordo com eles, apesar de estar desconfiado, e oferece gasolina em troca de comida, afinal eles declaram ter abundância de alimentos em sua fazenda ali perto, e ainda por cima dizem ter uma cerca elétrica (razão pela qual precisavam de gasolina). 


Lee e um pequeno grupo formado por Mark, Carley e o estudante, vão para checar a fazenda e a história dos dois estranhos.


E no caminho veem outros estranhos que se matam, descobrindo que haviam assassinos na região.


Mas beleza, eles chegam vivos à fazenda e conhecem a mãe dos caras, que até da pão de boas vindas. Lee e Mark ficam pra vasculhar o local, pra talvez até mudar o acampamento do grupo, enquanto os outros voltam pro Motel pra buscar o resto do pessoal, devido um convite para um jantar na fazenda.


Lee conserta um balanço antigo, e depois vai para a cerca elétrica, retirar alguns walkers presos. Durante a manutenção, a cerca é ligada do nada e vários assassinos começam a atirar flechas da floresta. 


Uma delas pega em Mark, mas apenas no ombro, e eles conseguem se safar dessa e voltar para dentro da fazenda.


Lá, eles descobrem que na verdade os fazendeiros tinham um acordo com os caras da floresta, onde eles davam comida em troca de proteção, mas os caras estavam tentando tomar a fazenda ou algo assim, o que automaticamente tornava o local antes aparentemente seguro, num chamariz perigoso.


Mas já era tarde de mais pra evitar qualquer mudança, e o resto do grupo chega, com Carley e o estudante permanecendo no Motel para protegê-lo. Então, a veterinária vai tratar de Mark junto da dona da fazenda, enquanto Lee e os outros exploram melhor o local.


Todos estavam famintos, e o convite para a janta fez eles superarem o medo de ficar em um local tão perigoso, e esperarem. Então, Lee conversa com o pessoal, explora um pouco, brinca com Clem...


E então ele sai pra retaliar o ataque dos caras da floresta, junto com um dos fazendeiros.


No passeio, eles encontram um acampamento abandonado no meio do mato, e ao vasculharem, Lee encontra uma câmera de vídeo sem energia... 




E o boné perdido de Clementine.


Daí, uma mulher aparece, armada, e ameaça Lee e o fazendeiro, falando várias e várias vezes de sua filha e dos malucos da floresta. Ela inclusive afirma ter matado todos os caras como vingança pelo que fizeram com sua filha. Depois de tentar fazê-la se render, a mulher quase fala algo importante e...


Toma um tiro na cabeça, partindo do fazendeiro. É ai que Lee começa a desconfiar do cara.


Então eles voltam pra fazenda, onde Lee explora um pouco mais e chega a um celeiro, onde Clem estava junto da família de Kenny, e Lee devolve seu boné. 


No celeiro, tinha uma vaca que estava sendo tratada pela esposa de Kenny. Os fazendeiros disseram que essa era a única vaca que eles tinham e ela estava doente, mas por sorte a esposa do Kenny era veterinária então, tava tudo certo. Mas, Kenny desconfia de um ponto trancado do celeiro, e convence Lee a arrombar a porta.


Então Lee consegue arrombar a porta, depois de distrair os fazendeiros. Ele se assusta ao ver que havia uma verdadeira sala da morte atrás da porta, e ainda por cima ele é pego no flagra por um dos fazendeiros.


Mas o fazendeiro explica que era ali que eles fatiavam as caças, e como a mãe não curtia sangue e sujeira, eles deixavam tudo trancado. Dito isso, era hora da janta e todos já haviam ido pra mesa, só faltava Lee.


Alias, quase todos estavam la, Mark estava em repouso no segundo andar, por conta de seu ferimento, e a mãe dos fazendeiros diz para não se preocuparem, pois ele já estava se alimentando.


Só que, Lee se preocupa e diz que vai usar o banheiro, enquanto explora a casa dos fazendeiros e busca por Mark. Quando ele o encontra, numa porta secreta escondida atrás de uma estante... 


Ele fica horrorizado: Mark estava sem as pernas.


É ai que tudo se encaixa e Lee entende o que os fazendeiros faziam pra não passar fome. Não tinha haver apenas com colheita, ordenhas e etc. Tinha haver com puro canibalismo.


Lee corre pra impedir que Clementine comesse carne humana, da perna de Mark, e revela tudo o que descobriu para seu grupo à mesa, tal qual não da muita atenção até o próprio Mark aparecer e mostrar que era tudo verdade.


Prestes a reagirem, os fazendeiros ameaçam matar Clem, desarmam o grupo e atordoam Lee.


Quando ele acorda, está em um armazém, junto com Clem, Kenny, Lilly e Larry. Todos em pânico e querendo sair logo dali, gritando uns com os outros e discutindo muito. Porém, em meio ao estresse extremo e berros, Larry tem um ataque do coração e cai duro no chão. 


Lilly tenta salva-lo, enquanto Kenny percebe que o cara tava morto e poderia se levantar a qualquer momento. Lee tenta ajudar na ressurreição de Larry mas, Kenny impede qualquer alternativa, esmagando o crânio de Larry, na frente de Lilly.


Lilly entra em choque, e Clemetine fica muito assustada. Mas Lee a acalma, pedindo pra ela ser forte e pensar em algo feliz. 


Depois ele da um jeito de tirar eles do armazém, abrindo uma passagem de ar, por onde Clementine se voluntaria à passar pelos tubos e chegar ao outro lado, abrindo o armazém por fora.


Então, Lee e Kenny vão na frente, pois a família de Kenny ainda estava com os fazendeiros. No caminho eles dão de cara com um dos fazendeiros, e escutam eles planejando a morte do pessoal no armazém, começando por Clem. Além disso, eles descobrem que os fazendeiros mantinham suas vítimas vivas enquanto retiravam a carne, para evitar qualquer contágio dos walkers.


Depois de lutar com um dos fazendeiros, Lee quase morre, e Kenny fica paralisado de medo, sem nem tentar ajudar. Pra sorte de Lee, Lilly aparece e o salva.


Ele fica preso em uma armadilha de Urso (a mesma armadilha que prendeu o professor no começo, ou seja, os fazendeiros eram os responsáveis), e Lee o interroga, e o poupa, só pra não traumatizar Clem.


Nesse meio tempo, Kenny escuta sua família gritando e vai salva-los. Quando Lee sai, ele vai cautelosamente até a casa dos fazendeiros quando Carley e o estudante aparecem do outro lado da cerca. Eles estavam preocupados pela demora e forma checar, chegando na hora certa para ajudar. Lee explica a situação e pede pra eles darem a volta e buscarem pela entrada, enquanto ele tentava ajudar a família de Kenny.


Chegando na casa, Lee encontra a fazendeira, com a esposa de Kenny como refém. Lee tenta ajuda-la, se aproximando lentamente, enquanto ela se afasta, até subir os degraus de sua casa e ser pega por um Walker (Mark) que tinha no segundo piso.


Depois de salvar a esposa, faltava salvar o filho de Kenny, que estava do lado de fora, também como refém. Lee tenta acalmar o segundo fazendeiro mas, Kenny se exalta e toma um tiro. Depois disso, Lee continua tentando salvar Duck, mas o fazendeiro decide ferrar com tudo. 


Bem na hora H, Carley consegue atirar de raspão no fazendeiro e Lee cai pra cima.


Eles lutam muito, e Lee quase morre eletrocutado na cerca...


Mas ele consegue converter a situação e quem se ferra é o próprio fazendeiro.


Lee se arma, mas decide poupar o segundo fazendeiro também, indo de encontro ao seu grupo e deixando o canibal pra trás, com vários Walkers, incluindo sua mãe, indo para devora-lo.


E assim termina a passagem pela fazenda, com o cara berrando pra Lee mata-lo enquanto os walkers se preparavam pra devora-lo e o grupo de Lee ia embora.


Mas ainda não era o fim. Lee explica tudo o que aconteceu a Carley, além de jogar na cara de Kenny que ficou decepcionado por ele quase tê-lo deixado morrer, além de confortar Clementine. Rola muita conversa no caminho de volta pro Motel...


E ai eles encontram um carro, aparentemente abandonado porém ligado, e entupido de suprimentos.


Todos decidem saquear o carro, mas Clementine menciona a possibilidade de serem coisas de outro grupo, o que todos ignoram, menos Lee.


Lee apoia Clem, e mesmo ambos morrendo de fome, nenhum dos dois se envolve no saque ao carro com alimentos, roupas e etc.


Ainda assim, Carley pega algumas baterias e entrega pra Lee e Clem, onde eles poderiam recarregar o Walkie-Talkie de Clem, e a câmera que Lee encontrou no acampamento da mulher maluca. E com isso, eles assistem ao vídeo da câmera recarregada...


No vídeo, é mostrado o acampamento deles, sendo vigiado por alguém em vários momentos, como durante a distribuição de alimentos de Lee.


Quem estava filmando era a mulher maluca, e aparentemente ela estava observando o grupo, e pela forma como ela fala, ela queria Clementine pra ela, como uma filha. E então ela faz uma declaração, de que os bandidos só não atacaram o acampamento deles ainda por causa da Fazenda e dos recursos dos fazendeiros. Além disso, ela diz que dará conta dos bandidos, em nome de Clementine, ou de sua filha. Tecnicamente, a maluca havia salvado todos...


E é isso.


Confesso que na primeira vez que zerei esse episódio achei que a mulher era de fato a mãe de Clementine, pela forma como ela falava e tudo mais, e que ocasionalmente o jogador assistia a morte dela. Mas na real era apenas uma benfeitora enlouquecida e fanática por menininhas de boné.

Minhas escolhas são essas acima, e foi basicamente o mesmo que a maioria dos jogadores escolheram, menos a última, a de roubar o carro. Eu não achei certo saquear um carro em uso, pois de fato pode ser de um outro grupo que, posteriormente pode querer se vingar.

E bem, a mensagem final da moça louca resume bem o episódio. Eles estavam em perigo, tanto pelos mortos quanto pelos vivos.

E bem, é isso.

Até a próxima, e não se preocupe, em breve terei muito tempo pra analises melhores e mais detalhadas.
See yah!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+