PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 9 de março de 2016

AnáliseMorte: The Walking Dead - Michonne - In Too Deep

Fui de certa forma pego de surpresa com o lançamento desse novo jogo da Telltale Games.  Mais um TWD, no mesmo estilo dos anteriores (até agora só falei do primeiro episódio do primeiro jogo). Apesar de ser um misto de Point&Click com Action Time, é bem interessante e gostoso de se jogar. 



Pois bem, se você não conhece The Walking Dead, eu falarei um pouco das HQ's e Séries, e o máximo que puder pra explicar o jogo. Se você conhece TWD e ainda não jogou, pense bem antes de ler, afinal eu não economizo detalhes ou palavras. Caso conheça e já jogou, pode ser interessante pra conhecer a minha versão da história (afinal, a história se adapta as escolhas dos jogadores. Nem sempre as escolhas são as mesmas e vários detalhes podem mudar completamente.)



Preparado? Ok!

Boa Leitura.

O jogo será lançado por capítulos/episódios, como várias outras produções da Telltale. Esse modelo de "Jogo Episódico" virou uma agradável moda, exceto no caso das produtoras e desenvolvedoras mercenárias, que vendem seus "pacotes de DLC" para expandir seus jogos e lucrar mais com o mesmo. O que difere a Telltale, é que sempre é um pacote só, mesmo sendo entregue periodicamente, talvez pra trabalhar o suspense encontrado nas séries e hqs, mas, o jogo é vendido por completo mesmo sem estar completo, não exigindo que o jogador pague mais para obter mais.

Mas esse não é o tema da análise, serviu mais como simples desabafo meu... enfim...

Michonne, protagonista desse jogo (como sugere o título) é também uma personagem protagonista do universo da HQ e do Seriado. Uma moça séria, forte e muito enigmática, ela é um dos muitos braços direitos de Rick, o protagonista da HQ/Serie. Ela usa uma Kataná como sua arma principal, e ao invés de meter bala na cabeça dos Walkers, ela esfaqueia, empala e decapita geral.

O que EU sei:

Não acompanho a HQ, mas sei que ela tem praticamente o mesmo significado encontrado na Série (que eu acompanho). Analisar algo que não conheço é bem perigoso, então tentarei respeitar os 3 lados.


O jogo, promete contar e narrar uma aventura de Michonne, antes dela se unir ao grupo de Rick (novamente). Michonne, na série, já teve certas crises emocionais ao ouvir choro de bebê, e isso deixou claro que ela tinha algum trauma referente a crianças. Na série também, ela já teve um breve flashback que mostrou um pouco de seu passado, mas nada que mostrasse detalhadamente sua história antes de conhecer seu atual amante em TWD Série.


Apesar de serem 3 universos diferentes (HQ - Serie - Jogo), eles sempre tem o mesmo nível de drama e as histórias sempre se assemelham. Na verdade, a série parece caminhar cada vez mais para a realidade da HQ, mesmo tendo seus personagens exclusivos e tudo mais.

Enfim, na série, Michonne permanece sendo uma espadachim misteriosa de poucas palavras, mas agora que ela encontrou certa "paz" numa comunidade chamada Alexandria, ela parece se desenvolver melhor emocionalmente, inclusive está dando uns pegas no protagonista.


Alias, o jogo se passa em um universo original, onde apesar de ter grande similaridade com as HQ's (usando inclusive o mesmo gráfico e trabalho artístico) não mostra os mesmos fatos. 

Na verdade, no primeiro jogo da Telltale sobre TWD, o protagonista (Lee) tem contato com dois personagens significativos na HQ/Série: Hershel e Glenn.


Ele se separa deles depois, o que sugere que a história de Lee ocorre pouco antes da história de Rick, personagem que também contracena com Hershel e Gleen.

Mas, nada disso torna a história real no universo das HQ's. E é ai que uma pequena polêmica nasce: Poderia TWD-Game servir como canon para TWD-HQ?

Provavelmente não. O brilhantismo da Telltale Games é indiscutível, mas apesar de criativo, pode não ser ou servir como expansão para as HQs ou Series. Isso se deve, justamente, ao fato das histórias da Telltale serem imprevisíveis e variáveis de mais. Uma das mais interessantes características desses jogos, é também o que os impedem de se unir ao enredo daquilo em que se baseiam.



Contar a história de personagens que não existem nas HQ's ou Series, como ocorreu no primeiro, segundo e terceiro jogo da Telltale, é algo incrível e livre o suficiente pra surpreender e até emocionar com finais inesperados. 




Agora, usar a mesma fórmula com personagens que já existem nas HQ's e Series, e tem seu destino revelado, pode não ser tão efetivo e bem sucedido. 

Por sorte essa é uma ideia idiota e por enquanto, bem distante da realidade, pois o jogo consegue ser Ph0d4 (rs)

O passado da Michonne é bem obscuro, só assim pra uma espadachim tão exímio nascer. E o jogo explora exatamente esse passado. Na verdade, o jogo se passa em duas linhas temporais ainda não exploradas nos trabalhos de Robert Kirkman (Criador de TWD HQ e Serie). 

Ele conta o passado de Michonne, bem mais detalhado do que aquele que surge nos flashbacks do seriado ou nos diálogos da HQ.

E conta uma história que ocorreu depois que o Grupo de Rick derrotou Negan (na HQ isso ocorreu na edição 126, na série ainda esta por vir a aparição de Negan).
Repito, não acompanho as HQ's, mas pelo que entendi, depois de derrotar Negan, o grupo se separou e cada um voltou pra uma comunidade diferente. Rick voltaria para Alexandria junto com seu filho, Carl, e Michonne estava indecisa se retornaria com Rick ou se permaneceria com Ezequiel, um cara com quem ela estava tendo um caso. Ela então deixou sua Kataná com Ezequiel e partiu pro mar, com um grupo de exploração e pesca.


Ela retorna na edição 139 (entre a 126 e 139, o paradeiro de Michonne foi um total mistério), onde é recepcionada por Ezequiel e Rick, ignora Ezequiel e tem uma conversa com Rick, onde ela menciona suas filhas e o fato dela te-las abandonado. Ela diz, que durante o apocalipse, ela estava muito longe de suas filhas, e mesmo depois de ter tentado encontra-las ela não conseguiu. Ela diz também que sabia que não tinha como suas filhas terem sobrevivido e aprendeu a conviver com isso, e quando conheceu Ezequiel, estava pronta pra começar uma vida nova, uma família nova. 
Isso só deixou ela com raiva, afinal ela não acreditava nem achava certo que esquecer suas filhas e tocar a vida era a forma correta de prosseguir, razão pela qual abandonou todos e foi pro mar.

O tempo que ela passou fora ainda não foi mostrado nas HQ's, bem como suas aventuras em alto mar. É ai que o jogo se encaixa, é ai que a história do jogo se passa. Bem interessante não? Explorar momentos que na HQ não foram mostrados, mas existiram, com uma personagem bem importante.
Se essa exploração toda funcionar bem, pode ser que o universo dos jogos vire o complemento necessário para o universo da HQ, expandindo perfeitamente a coisa toda. Mas se não funcionar bem, que se lasque, os jogos da Telltale são bem interessantes.

Jogabilidade

Sem segredos, tudo segue o mesmo modelo do Primeiro TWD Game, onde o jogador controla o personagem com os direcionais (no PC são os WASD) e tem um sistema de "alvo" que nos PCs é o ponteiro do mouse e nos consoles o analógico. 



O restante do jogo se resume a responder perguntas sobre o perfil do personagem, e tomar decisões que afetam o decorrer da história. Personagens vivem e morrem com base no que o jogador escolhe, e assim, uma história bem personalizada nasce.



Algo um pouco diferente é que os "Action Time" são muito mais frequentes, e as coisas não se limitam a mirar e acionar, agora tem que mover o direcional rápido, apertar botões específicos em sequências rápidas e por ai vai... tudo isso também tinha nos jogos anteriores mas, agora é muito mais frequente.



As decisões são ameaçadoras. Não importa o que o jogador responde, as vezes surge uma notificação de que "O fulano irá se lembrar disso". Cara, não importa a escolha, bate um medo por ter sido a errada ou não. 



Mortes são comuns, as vezes da pra salvar, as vezes não. A própria Michonne pode morrer mas como é protagonista, só da game over e a história volta do último ponto salvo.



Personagens

Inicialmente, não vejo nenhum importante. Ao logo dos episódios, eles irão se desenvolvendo, e provavelmente se transformarão em personagens importantes e característicos. Até então, só Michonne se destaca, como aquela que alucina a presença de suas filhas. O tempo inteiro ela vê suas filhas. Tirando ela, tem personagens que mal me lembro os nomes, e até agora não foram tão significativos. Mas citarei eles ao falar da história.

A história do jogo 

Bem, irei contar o primeiro capítulo/episódio, que apesar de interessante não é muito longo não. Lembrando que a história muda de jogador pra jogador, tudo se baseando em suas escolhas. A minha história é a seguinte:



Tudo começa com Michonne sozinha, relembrando coisas enquanto passa por uma floresta cheia de Walkers.


Ela sofre alucinações e vê suas duas filhas.


Ela também vê uma porta, a qual ela abre e volta pra sua casa, vestida a caráter. 


La, ela vê suas filhas e é atacada por Walkers.


Michonne estava traumatizada, lembrando seu passado e alucinando, enquanto no mundo real Walkers tentavam devora-la. 


Mas, ela se defende, e oscila entre realidade e imaginação.


No final, alguém agradece...


 E ela retorna pra realidade, pega uma arma, carrega e tenta atirar na própria cabeça.


Mas, a pessoa que agradeceu tira a arma de suas mãos...


Daí a história começa de fato, após uma intro bem legal.


Três semanas depois, Michonne está num barco, com a pessoa que salvou sua vida.


Eles fazem parte de um grupo que ao que tudo indica, realiza negociações com portos diferentes.


Daí, o amigo de Michonne, chamado Pete, tenta entrar em contato com uma galera dele...


Mas ninguém responde e ele fica preocupado, decidindo partir a procura deles.


Mas, pra variar, o barco encalha em destroços de barcos naufragados.


Quando Michonne descobre isso, o grupo decide se dividir...


Enquanto Michonne e Pete vão em busca dos caras desaparecidos e ajuda...


Os demais permanecem no barco.


Mas na calmaria do mar, um monte de walkers aparecem e atacam o bote.


Michonne e Pete lutam... 


Até mesmo embaixo d'água...


E no fim conseguem se salvar e chegar em terra firme.



Ao explorar, os Walkers saem da água e atacam, mas novamente o casal se salva.



Então eles procuram por alguém vivo e suprimentos, até que descobrem um verdadeiro massacre.



Sem saber o que havia causado aquilo, eles entram em uma sala isolada e lá, encontram uma bolsa lotada de suprimentos.



Quando decidem pegar a bolsa, outro casal aparece, armado, e ameaça Michonne e Pete.


No meio da discussão, surgem mais Walkers e geral luta, sobrevivendo.



Mas outro grupo, ainda mais armado, aparece e prende os 4.



Durante a viagem de barco até o QG desse novo e estranho grupo, Michonne é interrogada...



Mas não da em nada e ela é levada pra falar com a líder do grupo.



Depois de uma rápida recepção, Michonne e Pete são acusados de terem roubado suprimentos, junto com os dois jovens que eles encontraram.




Michonne é separada de Pete, e é levada para um lugar isolado, junto da garota que havia apontado a arma no inicio de tudo.




Juntas, elas conversam, onde Michonne tenta entender como foi parar ali e o porquê de tanto "auê" por causa de uma bolsa.



Michonne acaba tendo mais uma alucinação e vê suas filhas após olhar para brinquedos de criança...




Mas isso passa e ela volta a conversar com sua colega de prisão. Na conversa, fica claro que haviam mais bolsas, e que esse estranho grupo havia sido roubado e estava lutando para recuperar.



Mas, a garota não parava de dizer que não havia roubado nada.



E pra piorar, ela afirma que os responsáveis pelo massacre eram esse grupo, do qual ela e seu irmão fugiram.



Daí, a garota se solta e espera o irmão da líder voltar, atacando ele.




Michonne ajuda dando uma cabeçada nele, mas o mesmo atordoa a garota e leva Michonne para uma audiência com a líder (irmã dele).





A líder fala sobre nomes e como o nome de Michonne é legal, mais fácil de lembrar que o dela (de fato eu não lembro o nome dela).



Tudo pra quebrar o gelo pois depois começa a interroga-la.




Ela pergunta, com tom de afirmação, onde o grupo de Michonne escondeu o resto dos suprimentos e bolsas que foram roubados.



Mesmo Michonne afirmando que não tinha nada haver com os dois jovens, ela é desmentida e ameaçada.




Então, o irmão da garota é trazido pro interrogatório, onde Michonne é ordenada a perguntar o mesmo que a lider perguntou. Mas ela recusa de inicio, fazendo com que o irmão da líder espancasse o jovem suposto ladrão.




Depois disso, Michonne entra no jogo e pergunta o que precisava perguntar, mas as respostas do garoto são diferentes das dela, tal qual diz que ele e Michonne eram conhecidos antigos...




Bem, sem saber em quem acreditar, o irmão da líder aponta uma arma pra cabeça do garoto e quase o mata, porém Michonne grita que ela quem estava mentindo e a história do rapaz era a verdadeira. Nesse confronto, o garoto molha as calças de medo.



Então, todos são reunidos e levados para o quarto do médico do grupo, onde o irmão dele estava.




Lá, o irmão da líder pede pro irmão do médico fazer algo de útil e interrogar Michonne e os outros, arrancando a verdade nem que fosse a força. Ele bota uma arma na mão do rapaz que desesperado, acaba disparando no garoto que se molhou. Depois disso o irmão da líder joga a culpa no irmão do médico, dizendo que ele exagerou, e o leva pra fora.



O garoto que tinha se molhado morre na frente da irmã e de Michonne.



A irmã (Sam) chora diante o corpo e se recusa a eliminar o futuro Walker.



Michonne pega uma ferramenta e acaba com ele em seu lugar.



Então, o recente assassino retorna pra sala. Sua arma, caída no chão, é pega pela irmã do cara que molhou as calças e morreu com um tiro na barriga e uma ferramenta na testa, e aponta para o cara, dizendo que ele vai pagar pelo que fez.



Michonne impede a vingança, desarmando a garota...



E no fim, a arma volta pro irmão do médico, que fica responsável por decidir se atira ou não.



Fim



No final, o ranking com as principais decisões e a porcentagem de escolhas surge, e é o fim do primeiro episódio.

Hoo... a história é, como eu disse, bem curta, e provavelmente há bem mais perdas possíveis dependendo das escolhas. Joguei apenas uma vez, e fiz apenas 1 escolha. Talvez no futuro eu explore outras possibilidades, mas pra que as análises fiquem sequencialmente perfeitas, irei manter essa história até finalizar o jogo. 

Análise curtinha né? Ainda haverão alguns episódios e farei análises de todos. Também tenho de terminar as análises do "Season One", "Season Two" e "400 Days" (até o momento só falei do primeiro episódio do Season One).

Até o próximo episódio...

14 comentários:

  1. Velho se vc puder faça um canal no YouTube suas análises são muito fodas da de 10 em muitos youtuber grandes. .. sempre sigo seu blog vc eh muito foda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro comentário sr, tanto na postagem quanto no blog, pois bem:

      Seja bem vindo sr Paradoxo... confesso que de inicio me assustei com seu nick, mas li com mais atenção e entendi... geralmente quando vejo letras misturadas com números imagino palavrões... tipo quando eu falo "merd4"... coisa de gente estranha rs.

      Mas de toda forma, repito: Seja bem vindo sr Paradoxo.

      Canal no YouTube, eu fiz uns testes e, até onde vi, talvez fique legal mesmo. Jamais farei um trabalho tão incrível quanto do Tio Zangado (eu acho o trabalho dele magnífico) mas tentarei ser original e único. Tive uma ideia para um modelo muito dinâmico de analise para o formato em vídeo, e com base em minhas pesquisas, pode funcionar muito bem. E de quebra, servirá de alavanca social pro blog... o vlog contribuirá pro blog e vice versa.

      Mas ao longo deste mês irei realizar todos meus planos.

      Vlw pelo incentivo sr... juro que é por causa de leitores como você que me sinto empolgado em digitar e editar minhas ideias, teorias e visões.

      Excluir
    2. rsrsr desculpe assustar com meu nick, obrigado pelas boa vindas,
      fico feliz em saber que ja tinha planos pro youtube, reamente o zangado é fera, mas tenho certeza que com suas analises o youtube vai ficar bem mais "rico" digamos assim, de conteudo.. pode ter certeza que serei um dos seus inscritos,abraço e continue com susas otimas analises....

      Excluir
    3. Vlw mesmo sr Paradoxo. Tentarei fazer analises cada vez melhores e um dia, vídeos realmente bons e muito bem editados. Eu fiz um sobre "Super Mario World" só pra ver como minha voz ficaria, como o vídeo pesaria e... bem... eu gostei do que fiz. Foi incompleto, faltou edição, mas foi bem legal. Te garanto que qualquer vídeo que eu faça daqui pra frente será muito bem trabalhado, e igualmente engraçado.

      Excluir
  2. Lendo um pouco de Naruto,depois de umas leituras de alguns trabalhos e me dá vontade de passar aqui...ainda bem.Gostei de alguns gameplays desse jogo e sei que para os fãs da Michonne é sei que é um prato cheio,mas sempre me dá uma saudade do Lee e da Clem,fico imaginando onde ela está(infelizmente sei onde o Lee ficou)me bate uma tristeza...enfim,coisa de gente maluca,não ligue pra isso.
    Enfim,continua com as ótimas análises e recomendo ler as Hq,acompanho á alguns anos e não tem muitas frescuras que vejo em outras,principalmente nessas últimas edições que me deram um susto.Vou dar um pulo na outra postagem(Ragnarok...admito que não entendo nada,o de DS serve?),então...Cheers!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Sei onde Lee ficou" mano isso bate um desanimo, uma tristeza. O fim do primeiro jogo é impactante... o que Lee fez naquele "reencontro familiar"... eu to ansioso pra chegar logo nessa parte durante as análises.

      Sobre a Clem, eu fiquei pasmo com o desenvolvimento dela no segundo jogo. Tudo que ela aprendeu, o quanto Lee se tornou significativo pra ela... aquele flashback interativo com o Lee fazendo "participação especial"... para mano, quase chorei. De toda forma, ela entra como uma das crianças já adaptadas pra geração pós apocalíptica, e tanto ela quanto o bebê estão salvos nessa nova geração... ficou claro no segundo (terceiro considerando o 400) que ela é diferente de outras crianças... Ela foi uma líder.

      Ragnarok de DS mostra uma classe que jamais existiu... rolaram boatos de que seriam implementadas mas até hoje, não passaram de boatos. Surgiram, atualmente, evolução pra Justiceiros (armas de fogo no jogo) que eu to esperando ansiosamente, e uma nova classe baseada em raça, de uns gatinhos. Tirando isso, não há nenhuma outra classe nova, então o DS meio que é um spin-off, mas ele já faz você saber o que é um Poring (rs).

      Cheers!! E nem grila, as análises boas de verdade estão chegando.

      Excluir
  3. Belo post sr Carinha, o jogo parece interresante para quem gosta da personagem, e considerando muitas coisas, podia ser pior. Se cuide.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei la, algo me fez lembrar do The Walking Dead: Survival Instinct, onde o Daryl foi o personagem principal. Um jogo usando um personagem da série, que foi bem fracassado no final. Como você mencionou "Podia ser pior". Foi um risco que a Telltale correu ao usar o título TWD em seus jogos, mas o resultado foi ótimo e rendeu prêmios. Esse segundo risco, em aparentemente "apelar" pra personagens oficiais e famosos, parece ter funcionado. Eles exploraram brechas inexploradas... ficou legal. Espero, que continue legal (se bem que pra ser sincero... achei a história meio atropelada em comparação a dos jogos anteriores). See yah.

      Excluir
    2. Nem me lembre de Survival Instinct, aquele jogo mediocre que se baseia badicamente em fanservice.

      Excluir
    3. Tsc, fiquei tão animado em joga-lo mas depois que percebi o lixo que ficou... não perdi meu tempo. Acredita que fiquei com medo de ser algum tipo de maldição presa no ator? Quando saiu P.T. e os anuncios sobre Norman ser o modelo pro protagonista do novo SH, fiquei com um medo mano...

      Excluir
    4. Que bom que o jogo é melhor que Game of Thrones e Jurassic Park da telltale, o que na minha opinião ja é o suficiente

      Excluir
    5. Nunca joguei nem um nem outro. Pra mim, a Telltale criou só TWD Game... rs

      Excluir
    6. Que pena, apesar dela ter feito jogos mediocres, ela tambem fez otimos jogos alem de TWD, como Wolf Among Us por exemplo

      Excluir
    7. Eu cheguei a ver o Wolf, até me interessei mas com medo de prejudicar minha experiência em TWD da Telltale, optei por nem jogar. Mas não duvido que é um jogo bom.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+