PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

domingo, 5 de abril de 2015

AnáliseMorte: The Legend of Zelda - The Wind Waker.


Apesar de ter planejado falar de Kingdom Heart, acabei com um agradável imprevisto, o que me deu a chance de realizar um dos meus sonhos.

Hoje, venho falar dele:


The Legend of Zelda - The Wind Waker



Dessa vez, aviso que não haverá spoiler... apenas falarei tudo  o que eu lembrar, inclusive contarei a história inteira do jogo e até revelarei os segredos... tudo isso sem spoilar... ou pelo menos vou tentar! Se eu falhar... foi mal... eu tentei. 

Antes, recomendo que leia a AnaliseMorte Zelda - a link to the past e  Zelda - Ocarina of Time.

Então, prepare-se para a leitura, e divirta-se! 


Pode pular o texto ROSA se quiser, pois fala de como conheci Wind Waker

A aproximadamente 7 anos, venho tentando jogar essa belezinha... sem nunca ter tido a chance. 


Primeiro, até então ele era exclusivo de Game Cube (hoje tem versão HD pra WiiU), e eu não tinha nenhum GC, nem acesso a um GC. Tentei emular ele no PC, mas infelizmente o emulador da época não rodava ele numa velocidade jogável nem em sonhos... não na minha máquina. 

Então, ao invés de comprar um GC, eu decidi investir num Wii para no futuro jogar o Skyward Sword (que seria lançado) e experimentar o Twilight Princess (que também era exclusivo de GC, mas foi adaptado pra Wii). De quebra também tinha a esperança de ver uma adaptação dele para o Wii mesmo... Nesse meio tempo, tentei jogar de várias formas pelas várias versões de emulador que surgiram com o tempo, e também sempre que meu pc mudava as configurações, eu testava justamente esse game, mas sempre fui frustrado. 



Um dia pensei em comprar o CD de GC e usar no Wii... mas vi que precisava comprar Memory Card do GC para salvar o jogo, e controle do GC pra jogar... eu fiz questão de comprar as peças e na hora de comprar o jogo... não encontrei em lugar algum. CDs piratas não rolam no Wii, nem desbloqueado, então, eu estava empacado até conseguir a mídia original. Sem desistir, tentei emular o CD no próprio Wii... mas tudo o que eu tentava não funcionava, e eu praticamente desisti... até que um dia, encontrei o "Nintendont", um aplicativo pra Wii que permite não apenas emular sem frescura nenhuma os jogos de GC direto de SD-Card, como também permite Salvar sem precisar de Memory Card e controlar com o próprio WiiMote e NunChuck... ou qualquer outro controle, seja USB (estilo PS2) ou WiiClassic, ou o próprio de GC mesmo. (Alias, obrigado "MundoWiiHack" e Sr Rogerio pela postagem sobre o Nintendont, isso me permitiu fazer esta análise!)



Ao testar, e ver que o jogo rodava perfeitamente... não aguentei, parei tudo o que estava fazendo (análise de Tomb Raider e Kingdom Heart) e fui realizar meu sonho!

Jogo


Wind Waker é um Zelda que se passa num futuro "pós-apocalíptico", logo após os eventos de Zelda Ocarina of Time... tecnicamente falando. 

Não é bem "logo após", pois ele se passa vários séculos depois do selamento de Ganondorf, a viagem de link de volta pro seu tempo e a assunção dos sábios e de Zelda

O interessante de Wind Waker é que ele se passa em uma das 3 realidades geradas após a divisão dimensional da Triforce, e é justamente a Realidade da Força.

Wind Waker se passa no universo de Ganondorf e sua Triforce, pois é nesse universo em que o selamento simplesmente se desfaz e Ganondorf ressurge, num mundo totalmente inundado, onde não existe Zelda, nem link, nem ninguém para impedi-lo. 

Explicando (de novo): A Triforce tem o poder de reescrever a realidade, dando vida aos desejos e sonhos daquele que a toca. Após Ocarina of Time, link, Zelda e Ganondorf ficaram cada um com uma parte da Triforce, e em seguida foram separados pela realidade. Cada parte da Triforce gerou um universo para si, e nesse universo seguiu-se uma linha do tempo. Um universo de Zelda, um de link e um de Ganondorf.

Em Wind Waker podemos navegar no universo de Ganondorf, e conhecer um pouco de seu sucesso e ao mesmo tempo fracasso. 

A maioria do jogo se passa na água, em mar aberto, com ilhas para visitar. Link tem como parceiro um barco, tal qual o leva para as diferentes ilhas do novo mundo. Rola de tudo nesse jogo, desde piratas até barcos fantasmas, e o tema é basicamente "Navegação".

Mas, o foco do jogo, o real foco, está no Vento. Afinal o que manda no oceano é o vento, e pra onde ele sopra, e isso é constantemente lembrado no WW.

Jogabilidade

Tudo mantém-se como o padrão: Um garoto vestido de verde sai mundo a fora, derrotando criaturas malvadas, obtendo itens e equipamentos diversos, resolvendo enigmas e se tornando cada vez mais forte, para por um fim no mal maior.



A diferença é que agora, o mundo é formado por água, muita água, e ilhas. O garoto de verde tem de navegar entre essas ilhas e explora-las, tudo de forma bem aberta. Inclusive, não há transição de fase... sem telas de "loading" nem nada do tipo. O personagem apenas fica horas na água, navegando rumo ao horizonte, para chegar numa ilha, tal qual ele apenas pula e sai explorando, podendo sair quando bem entende, pulando na água mesmo.



Há portas, casas, cavernas, masmorras, e nesses casos há transição, mas... no geral, no mapa principal, não. E isso é incrível! A sensação de grandeza é inquestionável e até um pouco assustadora, pois o jogo te deixa com medo do tanto que tem pra se explorar. Mas depois que se conhece tudo, e visita todas as ilhas (e são muitas) bate até uma vontade de navegar rumo ao desconhecido e buscar por mais segredos, mais ilhas, mais enigmas, mais desafios... mas o jogo não permite.



Tecnicamente, algumas ilhas são masmorras, ou possuem masmorras, ou são cidades, que tem masmorras escondidas, ou até mesmo alguns navios e barcos são lojas ou mais masmorras, ou meras cavernas. Cada local tem tamanha particularidade que, é impossível comparar ou encontrar um padrão. Fato é que há desafio aos montes, e mesmo tendo um determinado caminho a se seguir, muita coisa gira em torno de intuição ou simplesmente do acaso mesmo.


Todo Zelda tem por padrão algumas missões iniciais, para se obter poder ou algo assim, e depois as missões principais, em maior número, com maior desafio, para levar ao encerramento. Aqui não é diferente, e existem as missões iniciais, onde visita-se as ilhas principais e conhece-se o básico de como a parada funciona... mas as missões finais são... complexas.



Primeiro que não são bem em maior número... são só duas... que tem vários pré requisitos, tais quais exigem mais missões, mais cavernas, mais exploração. Uma coisa leva a outra, e no final, o que seriam apenas 4 Masmorras, se convertem em dezenas. É tudo uma bagunça, um barco a deriva. Não ha uma sequência, e tudo surge na base do imprevisto. É confuso, e as vezes, pode ser muito difícil entender o que tem de ser feito... mas não deixa de ser interessante. O mais curioso é que as coisas parecem girar em torno da Caça ao Tesouro... e praticamente tudo ruma com esse propósito. Encontrar baús, seja em terra ou no mar, é algo muito mais objetivado em WW. (Todo Zelda tem Baús, mas aqui é bem mais exagerado) Rola até Mapas de Tesouro... aliás, os mapas são os itens mais frequentes da aventura.



O personagem começa com uma espada e um escudo, mas conforme o jogo avança ele obtém várias armas diferentes, as clássicas: Arco e Flecha, Gancho, Boomerang, Botas de Aço, Martelo de Ferro e Bombas... e algumas inéditas: Folha Gigante e Corda com Garra. Ele também conquista a lendária Master Sword, e o Escudo Espelhado... tudo parte de seu arsenal para superar seus desafios.



O sistema em si se assemelha muito ao de Zelda Ocarina of Time e Majora's Mask, apesar de ter um gráfico completamente diferente, mais animalesco, colorido e cartunesco, ele tem uma ligação enorme com esses jogos originais do Nintendo 64... não só na jogabilidade, mas no enredo também.


O estilo do jogo é Aventura, com um pouco de Ação, FPS, elementos de Puzzle e Exploração. 


E no inicio, na primeira missão, link precisa dar uma de stealth, pois ele fica desarmado pra variar.
Além das várias armas, há um "instrumento musical" que permite "tocar" músicas que ocasionam efeitos diferentes. Esse instrumento não é como os demais que aparecem em outros jogos... na verdade nem é bem um instrumento... é uma simples Batuta... tal qual o protagonista usa para guiar o vento e com ele realizar diferentes sons mágicos...



A maioria dos Zelda's tem um ou mais instrumentos musicais, as vezes link os utiliza, outras vezes outros personagens o fazem. E aqui, link usa uma Batuta do Vento... mas o esquema musical é basicamente o mesmo: Ele toca notas diferentes, conduzindo o vento em diferentes direções, e o som do vento soprando para as diferentes direções se converte em música. Cada música tem um poder mágico, como por exemplo, mudar a direção em que o vento sopra, ou invocar tornados.



Confuso? Eu sei, eu falei que o vento sopra durante a música, e tem música que faz o vento soprar... Mas é menos complicado do que parece:

Quando o vento "canta" é em pequenas quantidades, onde a Batuta faz com que ele sopre rapidamente para a direção que ela aponta, mas nada considerável, servindo só pra soar de formas diferentes. Já uma das músicas pode fazer com que o vento sopre permanentemente para uma determinada direção, até que esta seja mudada pela música novamente. Isso serve para levar o barco, acelerando ele (afinal é a velas) ou apenas parando mesmo. Se o vento sopra pro Sul, o barco dificilmente navegará para o Sul, afinal é contra o vento oras.



O esquema do Tornado funciona como um tipo de Teletransporte, onde link invoca um tornado mágico que o leva pra determinados pontos do mapa. Isso acelera as viagens consideravelmente, apesar de não haver teletransporte para todos os pontos do mapa. Inclusive, uma das passagens no jogo só é possível por causa do tornado... e eu mesmo tomei um baita susto quando o fiz.


Como mencionei, boa parte do jogo rola por mero acaso. Algumas coisas ocorrem na sorte, ou se o jogador já tiver alguma noção do que fazer. Há dicas, mas até pra se obter as dicas deve-se ter outras dicas... e tudo fica bem tenso. A dificuldade em desvendar os enigmas do jogo é enorme, e uma pessoa sem paciência dificilmente conseguirá zerar WW. Um dos enigmas gira em torno do Tornado. Para se obter a música do Tornado, tem de derrotar um deus maluco em forma de sapo que aparece em alto mar para tentar afundar link... para isso é preciso ter o arco em mãos.

Quando eu descobri isso, foi por puro acaso, eu apenas fui pego pelo tornado uma vez e jogado aleatoriamente para outro canto da Carta Náutica. O que me chamou a atenção é que no local no qual fui parar ficava uma ilha, onde encontrava-se uma Fada Grande...



As Fadas Grandes fazem upgrades em link, e geralmente são raras de se encontrar... como fui jogado em cima de uma, achei que o esquema dos tornados poderia ser útil. Conforme avancei no jogo, sempre que navegava, torcia pra aparecer um tornado grande e com sorte, ser jogado pra mais uma fada... mas... quando apareceu um, com o Sapo dentro, fui arrastado por ele, só que demorou muito pra ser jogado pra longe... então peguei o arco e sai atirando feito louco pra ver se irritava o sapo ou algo assim... o Sapo simplesmente foi acertado pelas flechas e parou... e depois ensinou a música dos tornados, que invocava tornados.



Ainda assim eu nem usei a música, achei chata e continuei avançando no jogo. Quando cheguei a um estágio em que me senti perdido, sem saber pra onde ir, decidi explorar meus recursos, dentre eles a Música do Tornado. Quando a toquei, surgiram opções no mapa para onde eu poderia ser levado... e escolhi uma qualquer, uma das primeiras. Isso me teleportou, mas ai tomei um baita susto. O local para o qual link foi transportado com seu barco e tudo mais, era uma caverna, fechada, sem entradas.



Daí, apareceu uma fada estranha em forma de criança/boneca... com uma trilha sonora infantil um pouco assustadora... a fada tremendo e fazendo sons de madeira deslocando, como marionetes... segurando uma boneca de uma das Fadas Grandes... bem bizarro... Curiosamente essa fada liberou duas flechas especiais, de Fogo e Gelo, que são pré-requisitos pra se avançar no jogo... eu nem imaginava isso, e conquistei tudo por mero acaso.



Por isso digo que o jogo rola de uma forma aleatória em certos momentos, e não importa o quão genial a pessoa seja, os enigmas são complicadíssimos.

Há outra música, que permite que o jogador controle outras criaturas... no inicio ela só controla algumas estátuas em um determinado mapa, mas durante o jogo, ela serve para controlar dois personagens secundários, permitindo que o jogador jogue como link, ou eles. É bem interessante isso, pois não é em todo Zelda que o jogador pode controlar outros personagens além de link.



Tem até a capacidade de controlar as Gaivotas (alias, isso é necessário pra se obter alguns itens importantes), mas pra isso é preciso usar um item consumível comprado, um tipo de fruta...



Os gráficos são lindos, bem coloridos e tem um formato diferente do que era conhecido em Zelda. Mas se tornaram uma inspiração para o visual de outros jogos da franquia: Zelda - Minish Cap, Zelda  - Phanton Hourglas, Zelda - Spirit Track, Zelda - Four Swords e até o Zelda - Skyward Sword... esse último pegando só o lado colorido e misturando com as formas mais "realistas".


Apesar do visual fofo e um ar muito humorado, a história é bem séria e até um pouco sombria. 

História

A história começa com uma introdução contando como o mundo se tornou o que se tornou. Nela, é explicado que depois que o Herói do Tempo salvou Hyrule, ele foi embora e o reino ficou em paz por um tempo (Zelda Ocarina of Time) mas um dia o malvado Ganon reapareceu, e começou a espalhar seu mal pelo reino... porém o Herói do Tempo não apareceu pra salvar geral... então o povo de Hyrule apelou para os deuses tomarem parte e salvarem o reino.



Só que os deuses bem marotos decidiram purificar a terra, inundando-a completamente. Eles então trouxeram o dilúvio e o mundo virou um grande e vasto oceano, submergindo Hyrule e todos os seus males por séculos.



Ganon afundou junto com o reino, e o reino foi "selado" embaixo das águas, enquanto os povos se mudaram para o topo das montanhas, tais quais viraram ilhas após a inundação... e é nesse mundo que a aventura do novo herói, o Herói do Vento, inicia.



Para explicar a história corretamente, a melhor maneira é contando tudo sobre cada um dos principais personagens, inimigos, etc... então... aqui vai:


Personagens


link





Como sempre, o protagonista é apenas um "elo" entre jogador e jogo... mas ele tem certo grau de personalidade... se considerar o lado humorístico de Wind Waker.



Link é hilário, e apesar de ser caladão, ele consegue arrancar alguns risos pelas suas expressões engraçadas e reações diversas.

A aventura em si começa no dia do aniversário de link, e ele ainda está em sua ilha natal, vivendo normalmente, quando é presenteado com vestimentas aos moldes das que o antigo Herói Lendário usava, pois como dizem as profecias "O herói do tempo surgiria para salvar o mundo algum dia, vestindo suas roupas e capuz verde".



Quem presenteia link, é ninguém mais ninguém menos que sua avó... e ele ainda recebe Feliz Aniversário de sua irmã...



Dessa vez link tem uma irmã, e essa irmã é uma de suas motivações para se tornar um herói e lutar. Ela o presenteia com uma luneta, a qual ele testa e observa uma ave esquisita carregando uma garota, e sendo atacada por um navio pirata na base da canhãozada.



Assim que a ave é atingida e a garota cai numa floresta na ilha, a irmã de link o pede para averiguar e resgatar a mocinha... quando link o faz, ele encontra criaturas estranhas e a moça presa numa árvore, e então ele a salva, eliminando as criaturas... mas, a mesma demonstra não ser tão indefesa assim.



Com a confusão, a ave bizarra sequestra a irmã de link no lugar da garota que tinha caído, fazendo com que ele se junte a mesma para resgatar sua própria irmã, afinal, ela tinha sido confundida com a garota que caiu.



Link então se junta aos piratas, sem entender praticamente nada do que estava acontecendo, e todos vão para a ilha mais ferrada da história, a Ilha do Diabo, para caçar a ave e resgatar a irmã de link.




Tudo é assim, atropelado, link mau veste as roupas de herói e já entra de cabeça numa aventura irada...




E de quebra, após passar por uma enorme prisão levantada na ilha... desarmado pois perdeu sua arma durante o "Arremesso" de entrada (ele foi disparado por uma catapulta...)...




Link encontra sua irmã e algumas outras garotas sequestradas... 



Mas a Ave o encontra, tal qual o pega e leva até seu mestre, ninguém mais ninguém menos que Ganondorf!




Depois de ser humilhado por Ganondorf, link é arremessado pra longe, pro meio do mar... 



Quando link acorda, um estranho Barco que Fala começa a tagarelar, dizendo que o encontrou no meio da água e o levou para terra firme...



O barco ainda oferece ajuda para link, dizendo que o observou em sua tentativa frustrada de salvar a irmã, e declara saber uma forma de se tornar forte suficiente para derrotar Ganondorf...




E ai sim, a jornada de link por poder começa.

Ele tinha de conseguir uma arma para derrotar Ganondorf... a única arma forte suficiente para derrotar esse mal, era a arma forjada para esse fim, a Master Sword. Mas, essa espada estava confinada nas profundezas do mar, em algum lugar, perdido, selado, que só poderia ser localizado caso link conseguisse os três orbs elementais clássicos que representavam as 3 deusas de Hyrule (Farore, Din e Nayru).



Ele consegue, e quando recupera as três pedras, a Torre dos Deuses surge no meio da água, e link ganha o direito de empunhar a Espada... após enfrentar os desafios da torre. Pra variar, ele descobre que a espada estava fincada no reino de Hyrule, tal qual ainda estava intacto, abaixo das águas, e quando um portal para la se abre, link encontra a espada, e a empunha. Mas, a espada ainda precisava de sua energia... e do poder do herói.



Link não era o herói lendário, nem era um ancestral dele ou coisa assim. O Herói do Tempo nem existia naquela realidade. Pra se ter uma ideia, link nem tinha a Triforce da Coragem em si. Ela estava dividida, em 8 partes, cada uma escondida em baús espalhados pelo mar, mapeados por pergaminhos escondidos em diferentes ilhas e locais... inclusive num Barco Fantasma. 

Quem fez isso? Sabe-se la quem... a questão é que link não era detentor da triforce, não nessa aventura, não até o momento. Mas ele precisaria dela, da Coragem, para se tornar forte suficiente para derrotar Ganondorf. E ele consegue... ele encontra todos os Mapas da Triforce e localiza seus fragmentos, a remonta e se converte no Herói do Vento, possuidor da Triforce da Coragem... 



Porém, a verdadeira Triforce da Coragem estava na realidade do Herói do Tempo, tal qual a carregava em si. Justamente por essa razão ela estava destruída nessa realidade, e precisou ser remontada para ser utilizada e servir de arma e inspiração para o herói. Mas não era só a Triforce da Coragem que estava destruída...


Tetra


A garota sequestrada pela Ave inicialmente, aquela que caiu pelo ataque dos piratas, era Tetra, a líder dos Piratas. 


Ela é bem esperta, e uma líder nata... bem jovem, consegue comandar toda uma trupe de grandes e fortes piratas, tem seu próprio navio e é bastante temida. Mas apesar de ser uma ladra das águas... ela não é má... 



Tetra demonstra preocupação acerca dos sequestros e das ilhas atacadas pelas estranhas criaturas que surgiram da Ilha do Diabo... e usa como pretexto os saques, roubos e caças ao tesouro para chegar as tais ilhas, e ajudá-las. Ela por exemplo quem orienta link a voltar para sua própria ilha natal e encontrar um Peixe Gigante, tal qual possuía a última pedra para que ele conseguisse entrar em Hyrule. Ela até o ajuda a roubar Bombas para sua viagem... ela rouba, e depois o induz a roubar dela... é bem interessante.



Tetra se mantém próxima a link através de uma pedra/amuleto comunicador que ela da para link, para guia-lo ainda em sua primeira visita a Ilha do Diabo... e por essa pedra ela consegue localiza-lo e rastreá-lo sempre que quiser, além de falar com ele a distância. 



Essa pedra, é um item raro, pertencente a Família Real de Hyrule, e Tetra, é herdeira da mesma... ou seja... Tetra é a princesa Zelda. O nome de princesa é comum na família real de Hyrule... toda princesa de Hyrule se chama Zelda... e por ser herdeira do trono, ter sangue azul, Tetra era Zelda. 

Mas, a aparência bronzeada e aspecto rude e selvagem de Tetra meio que disfarça sua verdadeira essência, e ela pouco se assemelha a encantadora Zelda clássica... até que ela retorna para Hyrule.



Link leva Tetra para Hyrule numa passagem do jogo, logo após ser derrotado pela segunda vez por Ganondorf... quando tenta enfrenta-lo com a Master Sword sem sua energia restaurada, e sem a Triforce... É também nessa parte do jogo em que Ganondorf descobre quem era Zelda, ao ver a Triforce da Sabedoria pendurada em seu pescoço, com uma parte faltando.

Essa Triforce pendurada era um dos itens antigos que Tetra carregava, tal qual ela recebeu de sua mãe enquanto a mesma era viva, e jurou carregar e proteger para sempre. Mal sabia ela que esse item era um artefato divino, ou uma projeção do real item que estava na verdade em outra realidade, a de Zelda. O fato dele estar quebrado era uma indicação disso. 



Após um resgate inesperado, Tetra e link são levados para Hyrule, para a segurança de Tetra, e la, sua verdadeira aparência é revelada quando a Triforce da Sabedoria é restaurada e fundida ao fragmento, que estava sob a posse do Rei de Hyrule... ela é encantada e transformada numa verdadeira Zelda.



Ela fica la, no reino de Hyrule, escondida enquanto link recupera o poder da espada e a Triforce da Coragem, mas no fim, ela acaba sendo encontrada e capturada por Ganondorf assim mesmo...



Uma curiosidade sobre Tetra está em seu navio. No que seria seu quarto, há quadros, um com a imagem do Herói do Tempo e outro com um triângulo traçado num mapa.


O interessante é que o Triangulo (o desenho da triforce) mapeia exatamente a posição da Torre dos Deuses (falarei mais pra frente disso), como se Tetra já soubesse onde a torre estava...



Ganondorf






O vilão principal, o maléfico e incompreendido Ganondorf... O único com a Triforce inteira.



Esse é o mesmo Ganondorf que antagoniza o Ocarina of Time... aquele que foi selado no final, derrotado pelo antigo link e pela antiga Zelda. Mas...  despertou tempos depois, e se libertou para por seus planos de dominação em prática.

A realidade que se formou para Ganondorf era perfeita pra ele. Um mundo sem heróis e sem princesinhas, sem sábios, sem nada para detê-lo. Apesar de seu desejo realizado (devido a Triforce da Força que ele carregava) sua realidade teve contratempos.

O reino de Hyrule estava indefeso, mas ainda tinha seus deuses para "protegê-lo". Com a apelação da realeza para os poderes divinos, todo o reino de Hyrule foi afogado, para que não houvesse mais o que Ganondorf dominar.

Mas, Ganondorf permaneceu vivo, resistindo, e após séculos assistindo o mundo embaixo d'água, ele começou a buscar uma forma de reverter o que os deuses fizeram.



Ganondorf era um Gerudo, um povo antigo composto por mulheres que viviam no deserto. Raramente nasciam homens dentre os Gerudos, e todo Gerudo de sexo masculino tinha por direito a posição de rei. Ganondorf era o rei dos Gerudos por essa razão... mas sua fome de poder o fez desejar dominar toda Hyrule.

Ganondorf conseguiu o que queria, e dominou Hyrule, mas depois viu a mesma ser destruída pelos próprios deuses, e com isso, decidiu reverter tudo. Por incrível que pareça, ele não queria que o mundo mergulhasse em caos, não dessa forma... ele queria dominar o mundo, e sem um mundo, ele não tinha o que dominar.

Ele decidiu buscar a única coisa que poderia trazer Hyrule de volta... ele queria a Triforce inteira... as três partes, a de Zelda, link e a dele... com as três partes unidas novamente, ele poderia desejar que o mundo voltasse a ser como antes, e assim domina-lo. Ele não sabia que as outras duas partes da Triforce, as verdadeiras, estavam longe de serem encontradas... presas em outras realidades... mas ele sabia que se encontrasse Zelda e link, encontraria as demais partes da Triforce.



E ai começaram os sequestros. Ganondorf precisava encontrar a herdeira de Hyrule, a princesa Zelda... mas toda referência que ele tinha eram as orelhas pontiagudas do povo Hylian (raça de Zelda). Logo, toda e qualquer garota com orelhas pontudas ele sequestrava.

Por azar, justamente quando seu passarinho havia capturado a garota certa (Tetra), link apareceu, e pra piorar o passarinho levou justamente a irmã de link no lugar da princesa, o que só motivou ainda mais o renascimento do herói.



Ganondorf enfrenta link 3 vezes, na terceira é a batalha final. Curiosamente, esse é o único jogo em que Ganondorf não assume a forma de "Ganon": O Javali humanoide gigante do mal.

Ganon é a pura encarnação do mal, dominante em Ganondorf... mas ambos não são a mesma criatura... e aqui, a história e versão de Ganondorf é a principal e mais importante dentre ambos.



Em várias outras histórias e jogos em que Ganondorf aparece (nas outras realidades da Triforce) ele sempre é retratado como um ser demoníaco completamente dominado por Ganon. Mas... essas versões são apenas distorções paralelas da original, tal qual permanecia viva em sua própria realidade.

O Ganondorf verdadeiro, com a Triforce da Força verdadeira, a original, é esse de Wind Waker. Uma das maiores dicas disso é o fato dele não se transformar, e de ter sentimentos. Ele realmente demonstra saudades de Hyrule e de como ela era... inclusive fala que sente falta dos desertos, do sol, do tempo como era, e do vento, o antigo vento.



Ele usa em sua batalha fantoches de Ganon, grandes marionetes falsetas, e isso é uma forma de representar "realismo" e que esse era o corpo real de Ganondorf.

Ele consegue, no fim, restaurar a triforce, com a Triforce da Sabedoria remontada de Zelda e a da Coragem, consertada por link. Ele extrai elas deles, e expõem a sua, fazendo com que a Triforce voltasse a forma dos três triângulos mágicos. Com a Triforce completa, ele ganha a chance de desejar o que queria, o retorno de Hyrule... só não contava com uma pessoa inesperada.




Rei de Hyrule
Daphnes Nohansen Hyrule




Uma das maiores curiosidades e novidades de Wind Waker está nesse personagem, que é o parceiro, guia e aliado de link nessa aventura.



A novidade está no fato dele nunca ter interagido diretamente com link anteriormente. Em Zelda's, geralmente o Rei nunca aparece, como  foi o caso de Ocarina of Time (se bem que em Zelda's que sucederam o Wind Waker, o rei aparece as vezes). E agora, ele não apenas aparece, como também é o centro das atenções...


O rei orienta link à juntar os 3 orbs elementais e acessar o reino de Hyrule, embaixo d'água. Na hora que link retira a Master Sword do pedestal em uma câmara secreta no castelo de Hyrule submerso, tudo ganha vida.



O Reino de Hyrule não estava apenas embaixo d'água, como também estava paralisado no tempo, cheio de criaturas de Ganon travadas e tudo sem cor. Quando link retira a Master Sword, tudo fica colorido novamente, e o que estava paralisado retorna a se mover, as criaturas que tinham invadido o castelo voltam a andar, e o Rei também volta a sua forma verdadeira... mas ele só apresenta essa forma depois que link tenta enfrentar Ganondorf usando a espada.


Logo após obter a Master Sword, link vai para a Ilha do Diabo salvar sua irmã e as demais garotas sequestradas... la ele ganha suporte dos piratas, e após salvar todo mundo, fica responsável por acabar com o Pássaro Sequestrador e seu mestre. Mas, após derrotar a ave, ele encontra Ganondorf, tal qual o derrota facilmente pois sua espada estava incompleta. Com isso, Tetra aparece para ajudar, e sua identidade como Zelda é revelada por causa da triforce quebrada. Depois que ambos escapam das garras de Ganondorf, o Barco Falante leva eles, link e Tetra, para Hyrule. La, não só Tetra é transformada em Zelda, como o Rei aparece em sua forma verdadeira, para explicar tudo o que estava acontecendo.



Digo "Forma verdadeira" pois o rei não estava preso a Hyrule por inteiro... ele havia descoberto uma maneira de sair do reino preso nas profundezas em busca de ajuda: Ele se projetou como um barco.

Barco que Fala
Mascarón Rojo - King of Red Lions



Sim, o Barco que ajuda link na aventura, que o guia, orienta, carrega e aconselha, é o Rei de Hyrule, disfarçado como "Mascaron Rojo" (versão espanhol rs... foi a que joguei) ou "King of Red Lions" (versão americana). Ele havia se transformado assim justamente para impedir Ganondorf de realizar seus planos. Ganondorf e o Rei pertenciam ao mesmo tempo.



O Rei não era o mesmo que "apareceu" em Ocarina of Time. Se bem que o Rei de OoT não chega a aparecer, mas há uma cena em que Ganondorf se curva para ele e link e Zelda o observam pela janela. A cena em si é o primeiro encontro real de link e Ganondorf em OoT, e é o momento em que Zelda explica que Ganondorf não era confiável, e estava enganando o rei.

Depois dos eventos de OoT, o Rei ganha dois destinos: No tempo em que Zelda continuou, o Rei havia morrido. No tempo em que link continuou, o Rei estava vivo.



Esse Rei do Wind Waker surge tempos depois no tempo de Ganondorf, uma versão a favor de Ganondorf do tempo de Zelda. O tempo que levou para Ganondorf se libertar de seu selamento é incerto, mas foi muitos anos depois do selamento, provavelmente séculos, e Hyrule teve tempo de se "reformular". O novo rei foi o responsável pela súplica aos deuses, e tecnicamente foi quem causou a destruição do Reino de Hyrule para deter Ganondorf.

Apesar de tudo, Hyrule foi envolta de um tipo de bolha mágica e protegida para, um dia, voltar a ser o que um dia tinha sido. As águas purificariam o mundo, e um dia Hyrule poderia voltar ao normal. Esses eram os planos dos deuses. Mas, Ganondorf permaneceu existindo, e com ele seu mal. O Rei de Hyrule também permaneceu existindo, aguardando pelo dia em que Ganondorf não existiria mais... Mas esse dia demorou tanto que o Rei se transformou no barco e passou a monitorar os movimentos de Ganondorf na Ilha do Diabo, até que um dia, o garoto de verde apareceu.

O Rei então levou link consigo para se tornar tão forte quanto as lendas diziam que o Herói do Tempo era, para que ele se convertesse no novo Herói, capaz de deter Ganondorf. E ele consegue, até mesmo a Triforce da Coragem é recuperada, em seus 8 fragmentos, e no fim, o Herói surge pra valer.



O Rei faz todo o possível para ajudar a assunção do herói, e também o ressurgimento de Zelda. Ele guardava consigo um pedaço da Triforce da Sabedoria, o último que faltava para a mesma ficar completa com Tetra. Ele também sabia sobre os fragmentos da Triforce da Coragem, talvez ele mesmo tenha escondido todos eles, ou algo assim. Por fim, ele conhecia a lenda, conhecia todos os passos para fazer a lenda ganhar vida.



Foi inclusive o Rei quem deu para link a Batuta dos Ventos, o que provavelmente também era um dos muitos instrumentos sagrados da realeza de Hyrule...


Mas no final, depois que a luta entre os fantoches de Ganondorf e link acontece, quando Ganondorf derrota o herói e a princesa fica desmaiada, extraindo as triforces recém restauradas deles, juntando-as à Triforce da Força que ele carregava, a Triforce fica completa e seu poder, de realizar desejos, fica acessível para quem a tocar. Ganondorf decide então tocar nela e desejar que o mundo volte a ser como no passado, cheio de planícies, florestas, desertos e não apenas água e ilhas, mas, antes de chegar na Triforce, o Rei de Hyrule a toca.



E pra variar, ele deseja que tudo permaneça como está, e que Hyrule seja totalmente destruída.

Ele faz tal desejo pois percebeu que, por mais que seu mundo tenha sido destruído, as pessoas aprenderam a viver no novo mundo, evoluíram, tiveram vidas e histórias, como link e Tetra. Pedir para que Hyrule voltasse seria o mesmo que destruir esse novo mundo de águas e ilhas, e com isso, destruir as vidas que se formaram nele. O mundo agora era de quem vive agora, não do passado... e Hyrule pertencia ao passado.

Ganondorf tem mó crise de risos ao ver o próprio rei destruir seu reino definitivamente, e trava sua ultima batalha contra link e Zelda. Zelda pega o Arco de link com a Flecha da Luz, e link levanta a Master Sword, iniciando a pancadaria enquanto Hyrule era coberta por águas, pouco a pouco, sem sua bolha protetora.



Ganondorf vira o novo pedestal da espada... e link e Zelda se despedem do Rei de Hyrule, tal qual afunda com sua cidade. Eles são envoltos por uma bolha protetora e levados para a superfície... resgatados posteriormente por seus amigos.



De forma resumida, essa é a história de Zelda Wind Waker, pelo menos a história principal. Por ser um jogo enorme, ele tem várias histórias secundárias mas, bem importantes... como a dos guardiões de Hyrule e os Sábios... são histórias interessantes, e falarei delas quase que da mesma forma que falei da principal, descrevendo alguns dos personagens que participam delas... também dessa forma será possível resumir o jogo inteiro... então, aqui vai:


Irmã de link
Abril - Aryll





A irmã de link, tal qual lhe presenteia com a Luneta que sela seu destino.



Após ser sequestrada ela fez uma social com as demais mocinhas prisioneiras, mas depois de salva se juntou aos Piratas. Claro que ela voltou pra casa depois, na sua ilha natal, mas fato é que durante a aventura de link, ela deu uma perdida legal. Provavelmente teve altas aventuras com os piratas. (Isso explica o fato dos piratas terem sumido do mapa numa certa parte do jogo, enquanto Tetra estava escondida como Zelda). 



Link até encontra as outras moças que tinham sido libertadas por ele (mas que foram entregues pelos piratas em troca de recompensas ao seus pais) e elas mencionam que ficaram no navio por um tempo, e até rolou paixonite por parte de uma delas. Agora, a Abril simplesmente não apareceu em sua terra natal até o fim do jogo... o que significa que ela decidiu manter-se na embarcação mesmo. 


Repare, a garota trocou de roupa... significa que deve ter passado em casa, ou em lojas, mas fez questão de voltar pro barco.
No final do jogo, ela quem resgata link e Tetra do mar, após Hyrule ser totalmente inundada... junto com os Piratas... então tecnicamente, a irmã indefesa de link é tão corajosa quanto ele.... quem sabe um dia rola um jogo contando as aventuras de Abril?! 


Dragão Vermelho Gigante
Valú - Valoo



Ele é o Guardião do Vento, um Dragão enorme que fica no topo do que talvez fosse a Death Mountain no passado, mas virou só uma ilha agora.

Antes de Hyrule ser inundada, os deuses escolheram pessoas e pediram para que subissem nas montanhas mais altas e criassem cidades la... essas montanhas acabaram se convertendo em ilhas no futuro, e essas são as ilhas pelas quais link viaja. A montanha do Dragão é uma ilha de fogo, tal qual ele protege. A aparência dela se assemelha muito a Death Mountain de Zelda Ocarina of Time, pelo menos enquanto amaldiçoada, com direito a anel de fumaça e tudo mais... o que talvez signifique que ela seja o vulcão de fato. Mas, também há outra ilha, que é como um vulcão em alto mar, bem menor, que poderia também ser o topo da Death Mountain... mas tanto faz... o importante é que o Dragão Vermelho é bem antigo, e sábio, e tem Escamas que Fazem Crescer Asas!



É um pouco estranho mas, ocorreu uma confusão enorme no mundo depois da inundação... como o Guardião do Vento ser um Dragão de Fogo... bem estranho... mas tem coisa mais estranha ainda:

A Ilha do Dragão Vermelho é povoada por uma raça nova chamada Orni ou Rito... é, o nome muda drasticamente dependendo do idioma... isso é bem comum em jogos japoneses com versões americanas, mudanças de nomes... mas em Zelda isso se estende até pra versão Espanhol... onde não ocorre só uma tradução, ocorre um renomeamento mesmo. Boa parte dos personagens e raças, alguns bem importantes, tem o nome totalmente mudado com um significado bem diferente... como é o caso dessa raça que se chama Orni em Espanhol e Rito em Inglês.... detalhe que "Orni" vem de "Ornitologia" (Estudo de Aves) e Rito é um anagrama de "Tori" que significa "Pássaro" em Japonês. Particularmente eu prefiro "Orni"... mas tanto faz. Fato é que eles são um povo Pássaro-Humanoide, que evoluiu dos Zoras... Isso sim é algo realmente estranho, pois os Zoras eram um povo Peixe-Humanoide.



Bem, o mundo mudou e esse Dragão influenciou um pouco nisso. Suas escamas são capazes de gerar asas nos Ornis, tais quais fazem até rituais de crescimento para isso. Link até é levado a acalmar o dragão para que os rituais fossem praticados... mas... o que mais esse dragão faria com os habitantes da ilha? Até onde chega sua influência física neles? Ao ponto de transformar um povo que era peixe em ave... é bem extremo.

Esse sábio dragão ajuda link e Tetra a escapar de Ganondorf, e até faz churrasquinho de Gerudo na Ilha do Diabo...




Depois disso o Dragão acompanha eles até Hyrule, depois volta pra ilha dos homens pássaros.





Menina Pássaro
Medli 



Uma Orni fêmea, e pra variar, uma descendente dos sábios.




Ela é meio estranha... no inicio do jogo, quando link visita sua ilha, a ilha do Dragão, pra buscar o Orb de Din (do fogo), ele encontra com essa mocinha, tal qual lhe orienta a ajudar um Orni amigo dela, um Orni chamado Komali, que pra variar era o principe dos Ornis, e precisava de uma escama do Dragão para desenvolver suas asas e se tornar adulto... mas... o dragão tava bravinho, e ninguém poderia se aproximar... o que assustava Komali e bem... o orb era seu maior conforto. 



Link descobre que Medli era a única capaz de se comunicar com o dragão, e acalma-lo (o mesmo falava uma língua antiga, o dialeto dos antigos Hylians), sendo ela a única Pajé de Valoo. Ela tinha consigo uma Harpa, tal qual poderia tocar para deixar o dragão mais de boa... Ela até pede pra link impulsioná-la para subir a montanha e alcançar o dragão por conta, e assim tentar tranquiliza-lo, mas logo em seguida é capturada por criaturas de Ganon que estavam atormentando o dragão.



Bem, na tentativa de ajudar Medli, link escala a montanha até o dragão, e encontra ela, presa. 



Após liberta-la, ele ganha uma Corda com Garra irada, para se pendurar e terminar de escalar. Medli até explica que esse equipamento era utilizado pelos Ornis no passado, quando não tinham asas nem tinham as escamas do dragão, mas link não liga muito e só acha irado ficar se balançando por ai. A corda também servia para arrancar objetos dos inimigos.... ou seja, bem útil.



Logo após conseguir a corda, link a utiliza para chegar até o dragão, e com isso, descobre o que estava incomodando ele. Algo estava mexendo com sua calda, presa no topo da montanha. Link então entra na caverna abaixo da calda e encontra a criatura que o atormentava. 



Mais pra frente Medli descobre um enorme segredo sobre si mesma... mas falarei disso ao falar da Sábia da Terra.

Aranha Que Transcendeu Para Centopéia
Gohma



O primeiro chefe do jogo, um tipo de Centopeia de Lava.




O nome é o mesmo de um chefe clássico  normalmente em forma de Aranha Gigante com um olho só. Essas características parecem ter sido ignoradas, e esse Gohma se assemelha mais com umas centopeias de lava comuns que surgem durante o jogo. A diferença é que ela não vira uma bola quando atacada, e tem uma camada protetora resistente em sua cabeça, inclusive em seu olho.



Essa criatura ficava irritando o dragão por baixo, mexendo com sua calda, mas link derrota ela, usando a corda na calda do dragão e esmagando a criatura com pedras que caiam do teto quando ele se debatia. No caso, as pedras quebraram a rígida armadura de Gohma, o que permitiu que link acertasse o olho dela. 




Após ser destruída, essa criatura some e o dragão se vê livre, inclusive se solta da montanha e começa a voar... Komali então, grato pela ajuda de link, entrega o Orb do Fogo para ele, de presente.



Deus do Vento
Céfiro - Zephos




Após vencer Gohma e libertar o dragão de sua calda torturada, link é orientado a explorar uma estranha placa de pedra na ilha do Dragão... lá, ele conhece o Deus do Vento, tal qual lhe ensina a primeira música para sua Batuta do Vento, reconhecendo ele como o novo domador do Vento. 



Céfiro diz depois que a placa ao lado da dele era de seu irmão, mas foi destruída e deixou ele com raiva. Seu irmão, o Deus do Tornado, estava agora dedicado a atormentar os navegadores com seus tornados, mas ele diz para link que se o encontrar, talvez ele consiga acalma-lo. 



Céfiro desaparece depois, mas a música que direciona o vento se torna uma das mais importantes armas de link... alias, é graças a essa música que a Vela do Barco Falante funciona bem. Após o primeiro encontro com o Barco Falante, quando link é salvo, ele precisa encontrar uma Vela para completar o barco. A vela até então levava o barco para direção que o vento soprava, tal qual era aleatória. Mas agora, link tinha domínio sobre ele, assim conseguindo ir para qualquer direção do mar.


Peixe Falante
Fishman





Após dominar os ventos, link volta para seu Barco tagarela, tal qual tava batendo um papo com um peixe falante. Tal peixe entrega para link o mapa da ilha, marcando a região inteira na Carta Náutica de link.

Isso se torna uma das formas de link marcar seu mapa geral, e assim conhecer a exata posição de todas as ilhas que visita. Ele só precisaria encontrar esse peixe pelo mar, alimenta-lo, e assim conseguir mais marcações em seu mapa.



Uma das partes complicadas do jogo envolve esse peixe... pois se o jogador não prestar atenção no texto e na primeira aparição dele, dificilmente descobrirá como alimenta-lo. Existe um mercador barqueiro em várias partes do mar, uma delas é a da ilha Inicial, a ilha natal de link. La, ele vende Sementes especiais para alimentar peixinhos... essas sementes servem para chamar a atenção do Fishman sempre que ele está perto... só assim pra ele marcar o mapa, e dar suas dicas.



Interessante do Fishman é que várias dicas que ele da são cruciais para a aventura. Ele quem menciona a posição de algumas ilhas pequenas que guardam o Bracelete Dourado (que aumenta a força de link permitindo que ele levante pedras pesadonas e enormes) e as Botas de Ferro (que aumenta o peso de link, permitindo que ele não seja arrastado por ventanias). Ambos os equipamentos são pré requisitos para entrar em templos durante a parte final do jogo, e sem eles, é impossível prosseguir.



O Fishman não só menciona os itens e métodos para se avançar, como também diz a exata localização para se chegar as ilhas certas, como acessa-las, e por ai vai. É de longe um personagem importante, e é um aliado de link.

Agora, sobre sua origem... ele não pode ser uma evolução dos Zoras pois os Zoras evoluíram para Pássaros... então... ele talvez seja uma evolução dos peixes normais que viviam em Hyrule, já que agora não há mais peixes nas águas. 

Árvore Deku




A Grande Árvore Deku reaparece, agora com um rosto bem mais definido.




Ele é um grande sábio, um dos Guardiões também, o guardião da Floresta. E protege uma ilha povoada por uma nova raça: Os Kolog ou Kolok dependendo do idioma... frescura.




Em Ocarina of Time, a Árvore Deku desempenhava o papel de grande Baba distribuidora de Fadas para os Kokiris, uma raça de crianças que jamais cresciam, de cabelos verdes e que habitavam a floresta da Árvore Deku. Pois bem, em Ocarina, link foi criado dentre eles, mas ele era um Hylian, não um Kokiri, e tudo ficou claro quando ele simplesmente cresceu. 

Bem, em Wind Waker, os Kokiris não existem mais, eles se transformaram, evoluíram com o tempo, em Kologs, pequenas criaturas aparentemente de madeira com rostos de Folha. É bem esquisito, mas o que em Wind Waker não é?! Em Ocarina of Time havia uma maldição na Floresta Proibida que fazia com que crianças que se perdiam por la, sem uma fada, se convertiam em criaturas de madeira sem rosto, os Skull Kids. Aparentemente, os Kologs nasceram de uma conversão dos Kokiris com o tempo, no mesmo esquema dos Skull Kids, mas sem que eles perdessem a proteção da Árvore Deku. 



Inclusive, o fato deles terem rosto de Folha, uma folha de cada tipo para cada Kolog, indica que eles estejam evoluindo para algo que faça parte da Grande Árvore Deku. Talvez, no futuro, eles se convertam em Frutas Gigantes que Falam... 

Depois que link livra a Árvore Deku de algumas gosminhas toscas que a impregnavam, ela conversa com ele e se apresenta, no idioma dele mesmo, e depois apresenta os Kolog, e na hora em que vai entregar de bandeja o Orb de Farore (da floresta) ela recebe a noticia de que um de seus Kologs está perdido na Ilha Proibida (Na real é Floresta Proibida, mas sinceramente, pra mim é uma ilha vizinha da Ilha da Árvore Deku, então vou chamar de "Ilha Proibida"). Daí, link é mandado para la, para salvar a pequena criatura e trazê-la a tempo do ritual florestal dos Kologs, tal qual precisava muito desse Kolog em particular.



No final de Ocarina of Time, a Árvore Deku do tempo de Zelda virou só uma pequena muda, criança, que demoraria muito pra crescer e se tornar a grandiosa árvore que um dia foi. No tempo de link, ela havia falecido devido a maldição de Ganon sobre ela, tal qual havia posto aquela aranha caolha, o Gohma, dentro dele. No tempo de link, ela demoraria para renascer, já no de Zelda ela se desenvolveria. Pois bem, no tempo de Ganondorf, que se passa num futuro distante a partir do tempo de Zelda, ela já cresceu, e aparentemente essa árvore de rosto definido seja ela numa forma "adulta" enquanto sua forma velha em Ocarina seja ela justamente na forma "idosa", e a pequena muda seja ela em sua forma "criança". O que isso significa? Significa que ela começou como uma árvore idosa, virou uma muda, e virou uma árvore adulta... daora né?



Tocador de Violoncelo de Madeira
Makore - Makar




Ele é o Kolog fujão que ficou preso pela Ilha Proibida.

Ele é bem pequeno e carrega um instrumento especial, um Violoncelo, tal qual ele usa pra tocar músicas pro ritual do povo Kolog, para que eles se espalhem pelo mundo e plantem sementes da Árvore Deku em ilhas pelo mar. 



Sua importância é tão grande, que link só receberia o Orb da floresta depois de encontrá-lo e trazê-lo de volta para a Floresta da Árvore Deku. Os Kologs podem voar, usando folhas da Árvore Deku. De tão leves, eles voam como verdadeiros Helicópteros, e link ganha uma dessas folhas, a Folha da Árvore Deku, para planar como se estivesse usando um Paraquedas, já que ele não era tão leve quanto os Kolog.



Link usa esse equipamento para chegar até a Ilha Proibida, e la ele encontra várias criaturas de Ganon, plantas vivas, coisas bizarras, e no fim, encontra o Makore ou Makar... salvando-o de uma terrível criatura que surgiu no coração da ilha.



Depois de salvar Makore, link descobre algo sobre sua identidade e sobre seu instrumento, mas falarei disso mais pra frente.

Monstro Planta Enorme
Kalles Demos - Vilipendulia




A criatura enorme que link encontra na Ilha Proibida.




É uma planta, gigante, que engole Makore e depois luta contra link, usando vários tentáculos. Link consegue derrota-la usando um Boomerang que encontrou na Ilha Proibida, tal qual se torna bem útil para a sua aventura, travando a mira em vários inimigos diferentes e seguindo eles, como um míssil rastreador... 



Depois de cortar todos os tentáculos dessa planta e deixa-la exposta no chão, link a poda com sua espada e liberta Makore.



Curiosamente, semelhante ao Gohma dessa versão, essa planta mais parece uma versão rainha da Planta Carnívora, que aparece bastante na Ilha Perdida e na Ilha da Árvore Deku... o que talvez signifique que os chefões dessa versão sejam apenas os "reis" de cada raça apresentada no jogo... ou formas mais evoluídas dessas criaturas.



Depois de vencer essa criatura e liberar Makore, link recebe o Orb de Favore... 



E assiste a uma belíssima apresentação musical dos Kologs para que todos partissem para semear as sementes da Grande Árvore Deku. Makore e mais um Kolog são os únicos que se mantém na ilha. 



Com isso, link viaja para buscar o último Orb, o de Nayru (água), na Ilha do Peixe Voador.

  

Peixe Falante Gigante
Yabú - Jabun



O Peixe gigante, Guardião das Águas, e fujão.


Quando link chega na ilha do Peixe Voador, onde Yabú deveria estar, descobre graças ao Orni mensageiro que toda a ilha estava completamente destruída, e o Guardião havia fugido para outra ilha, curiosamente, a Ilha Natal de Link, a ilha Inicial.



O peixe não só fugiu, como se escondeu atrás de um portão de rocha impenetrável, tal qual só poderia ser destruído na base da bombada, e pra variar, deixou um enorme redemoinho na frente, para impedir a entrada de qualquer criatura. Pra melhorar ainda, com sua fuga, iniciou-se uma maldição, e uma noite eterna surgiu no mundo. O Peixão realmente causou.



Link descobre o paradeiro de Yabú, mas sabendo que precisaria dos equipamentos certos, ele vai em busca dos Piratas que estavam em uma ilha mercante, lá, ele encontra Tetra e sua trupe, roubando bombas para arrombar a gruta de Yabú, e roubar supostos tesouros escondidos com ele. 



Link então rouba os piratas furtivamente, mas é pego de surpresa por Tetra, que diz que todos partirão para a Ilha Inicial ao amanhecer (provavelmente sabendo que havia surgido uma noite eterna) e link teria esse prazo pra encontrar o Peixão e conseguir o que queria dele, antes dos piratas o alcançarem e roubarem tudo pra eles. 



Tetra demonstra preocupação nesse momento, pois ela sabia o que ocorrera com a ilha do Peixe, e estava aparentemente preocupada com a ilha de link, ou qualquer outra em que esse peixão tentasse se esconder. De toda forma, link parte e encontra Yabú, equipando suas bombas como um tipo de Canhão no Barco Falante... é uma verdadeira gambiarra, semelhante a que ele faz com a Garra, tal qual ele adapta como um tipo de Gancho de Busca Aquática e até Âncora. 



Bem, ao encontrar o peixão, o mesmo não hesita muito e entrega o Orb de Nayru, afinal link precisava deter os males de Ganon e suas criaturas o quanto antes. Com isso, a maldição da noite eterna acaba, e link vai para o local onde os 3 Orbs deveriam ficar, para que a arma toda poderosa capaz de destruir Ganondorf fosse revelada.



Aparentemente, Yabú é Jabu Jabu, o peixe degustador de princesas Zoras que aparece em Zelda Ocarina of Time. Ele era uma lenda, um deus, um sábio, mas ficou evidente que tem a péssima mania de fugir sempre que necessário. Inclusive, talvez ele tenha abandonado o povo Zora durante a inundação, o que levou o povo a suplicar aos deuses por ajuda, fazendo com que o Dragão de Fogo aparecesse e os salvasse... isso explicaria a grande mudança física que eles sofreram, e o fato de estarem tão distante do guardião das águas... não querendo desmerecer o peixão, mas convenhamos, alguém que deixa sua ilha ser destruída e se esconde atrás de uma rocha numa ilha inocente e povoada, e se protege com redemoinhos e maldições... pra mim não é muito corajoso não. (Aparentemente a maldição da Noite Eterna foi lançada por Ganon, mas, o fato dela acabar justamente quando Yabú entrega seu Orb, demonstra que ele estava mais ligado com a maldição do que dizia... ele mesmo pode ter lançado.) Em Zelda Ocarina of Time, no tempo de Zelda, Jabu Jabu simplesmente desapareceu quando os Zoras congelaram... de inicio eu mesmo imaginava que ele tinha morrido... mas talvez ele só tenha fugido mesmo.



Deus do Tornado
Cyclos




No caminho para sincronizar os Orbs, link se depara com o irmão irritadinho do Sapo dos Ventos, o Sapo dos Tornados, Cyclos, que ficou bravo por terem quebrado sua placa homenageadora sagrada... que mais parece uma lápide... decidiu banir geral dos mares com seus ventos giratórios... e ele encontra link.



O cara não oferece chance alguma, ele apenas ataca link com seu tornado e arremessa ele pro lugar mais longe possível... pra sorte de link é do lado de uma ilha das Fadas... mas ainda assim, é uma senhora viagem.



Link posteriormente encontra Cyclos novamente, porém equipado com uma arma capaz de atingi-lo, o Arco e Flecha, tal qual ele usa para acerta-lo e assim, ganhar seu respeito. 



Cyclos, após derrotado, ensina para link uma música capaz de invocar tornados, tais quais levam para diferentes locais no mapa.




Essa habilidade se torna muito útil para a aventura do Domador de Ventos.

Cara com Mãos de Pedra Digitalizada
Gohdan - Deus Probatur




Link coloca os Orbs nas respectivas ilhetas de Nayru, Farore e Din, e com isso uma enorme Triforce é desenhada no mar.




No centro, surge uma torre  enorme, a Torre dos Deuses... 



Lá, ele passa por desafios junto do Barco Falante, aprende uma  Música Sagrada que permite Manipular Outras Criaturas...




E no fim, encontra uma estátua bizarra falante que engole bombas, o Gohdan.



Esse ser, uma espécie de Guardião da Torre dos Deuses, surge para testar o requeredor da Master Sword, e ele o faz através de uma intensa batalha, envolvendo bombas, flechadas e espadadas. Aliás, é na Torre dos Deuses que link consegue o Arco e Flecha, uma arma arcaica e divina, tal qual se torna uma de suas principais a partir de então.



Gohdan é como um robô, criado pelos deuses, uma estátua viva, cheia de circuitos, ativado para testar o potencial de link. Esse esquema de artimanhas mecânicas superdesenvolvidas, tecnologia misturada com magia, é algo bem comum em Zelda, principalmente em Zelda Skyward Sword e Spirit Tracks, mas aqui as coisas não são tão exploradas, sendo o principal exemplo disso esse chefão em particular.



Após derrotar Gohdan, e demonstrar ser merecedor de empunhar a espada, link abre o portal para Hyrule, no meio da água, abaixo da Torre. 



Link mergulha no portal, com barco e tudo, e ambos submergem para a zona protegida do reino submerso de Hyrule, paralisado e preto e branco.




Depois de explorar o castelo, link encontra a Master Sword, confinada numa zona secreta do castelo...






Abaixo de uma Estátua do Herói do Tempo.


     Na câmara da Espada, link encontra algumas janelas com imagens dos sábios antigos e de Ganon. 



As janelas retratam com clareza o ritual realizado no final de Ocarina of Time, onde os descendentes dos sábios, Impa, Saria, Darunia, Rauru, Nabooru e Ruto estão desenhados.

Impa, a Sábia das Sombras...


Saria, a Sábia da Floresta...


Darunia, o Sábio do Fogo...


Rauru, o Sábio da Luz...


Nabooru, a Sábia do Espírito...


Ruto, a Sábia da Água... 




Essa é uma forte indicação de que esse Zelda se passa após os eventos que ocorreram no futuro de Zelda, pois os sábios despertaram durante essa era. Também, o fato deles terem sido honrados com suas imagens na câmara da Master Sword, indica que o trabalho deles foi ocasionalmente um sucesso... mas eles não estavam presentes nem vivos durante o ressurgimento de Ganon...


Ganon, o Javali Humanoide do Mal




Phantom Ganon





Logo após conquistar a Master Sword, link não pensa duas vezes em enfrentar Ganondorf, seguindo para a Ilha do Diabo.



Chegando na ilha, não demora para link enfrentar uma versão estranha de Ganon, antes mesmo de entrar no "presídio" ele enfrenta uma sombra de Ganon, viciada em Tênis Astral...



A luta contra esse espírito não dura muito, e assim que link o supera, ele ganha o Martelo de Ferro, que surge num Baú de Tesouro no meio do pátio onde a luta rolou. Então, ele começa a subir a prisão para chegar até a torre mais alta, onde sua irmã estava, novamente. Dessa vez, link estava armado o suficiente para vencer... 



Esse Phanton Ganon é semelhante a um chefe de Zelda Ocarina of Time, onde um espírito semelhante a Ganondorf enfrenta link. Aqui, esse espírito tem uma forma bem mais sombria, mas a maneira da batalha é praticamente a mesma, onde ele lança bolas de energia que devem ser rebatidas até ele ser acertado, cair e ficar vulnerável a espadadas. Apesar de derrotado nessa situação, ele reaparece mais pra frente na aventura...


Pássaro do Ganondorf
 Helmaroc King




Depois de escalar a prisão, link encontra sua irmã, e a liberta, com ajuda de Tetra e seus capangas, que o seguiram desde o encontro com o peixão. Tetra se oferece para levar sua irmã e as demais moças de volta pra suas casas, e diz que link ainda tem trabalho a fazer, afinal, ele estava armado para derrotar Ganondorf.



Link então continua subindo, rumo a Ganondorf, e no caminho, se depara com o Pássaro Sequestrador de meninas. 



Rola uma verdadeira perseguição, com água subindo e a ave voando e atacando enquanto mais água sobe... até que link golpeia a cabeça da ave e ela cai na água.




Ele sobe até o topo da torre, no telhado, que começa a fechar... 



Porém no último instante a ave sai da água, passa pela abertura antes que ela fechasse por completo e começa a sobrevoar link.



Então, link é forçado a enfrenta-la e derrota-la por completo para continuar seu caminho até Ganondorf... e assim ele faz, martelando a cabeça da ave até sua defesa quebrar e por fim, exterminando ela de vez.



Essa ave é a rainha das Aves do mal, tem várias pelo jogo, e isso só alimenta ainda mais a hipótese de que os chefes do jogo são versões tunadas e evoluídas dos monstros comuns de Ganon.



Com isso, link continua seu caminho e alcança Ganondorf... mas apanha bonito.




Ganondorf explica pro link que apesar dele estar com a Espada Mestra, ela não está com sua plena energia, está enfraquecida, sem seu brilho. Tecnicamente, tudo o que link fez foi retirar a espada do pedestal que selava o poder de Ganon, e isso só aumentou ainda mais o poder dele...



Prestes a acabar com link, Tetra surge e o salva, mas, acaba caindo nas garras de Ganondorf que descobre sua verdadeira essência, encontrando Zelda...



Mas, o Dragão de Fogo chega junto com vários Ornis e salva todo mundo antes de Ganondorf por seus planos em prática. 




Essa é a primeira passagem da aventura de link, o segundo encontro com Ganondorf, e o momento em que ele volta pra Hyrule e descobre a identidade do Rei de Hyrule e de Zelda... depois disso, ele volta pro mar em busca dos sábios para recuperar o poder sagrado da Master Sword, e os 8 fragmentos da Triforce da Coragem, para se tornar condecorado pelos deuses e forte suficiente para destruir Ganondorf.


Menina Demoniacamente Elegante 
Rainha das Fadas



A fada mais fofa e bizarra que já apareceu em Zelda.




Com a princesa Zelda escondida em Hyrule, link é orientado pelo barco falante a buscar os 2 sábios remanescentes, tais quais poderiam devolver a energia da espada. Mas, no meio do caminho ele encontra vários obstáculos, e precisa conseguir uma série de equipamentos especiais. Primeiro, ele conhece a Rainha das Fadas... 



A qual lhe da um poder extra para seu arco, convertendo duas fadas em energias elementais para as Flechas de link, assim, ele poderia gerar flechas de Gelo ou Fogo usando seu próprio poder mágico.



Essa Fadinha, de aspecto infantil, carrega em suas mãos uma boneca das Grandes Fadas, e se apresenta como a maior fada de todas... pra melhorar, ela ainda paquera link, dizendo que ele faz o tipo dela. 



Curiosamente, essa fada nunca mais aparece em Wind Waker, porém aparece em outros Zelda's... mas falarei disso no futuro. Só sei que essa fadinha da muito medo... 




Depois de navegar um pouco, link encontra a Ilha da Terra, onde o primeiro sábio, o Sacerdote da Terra estaria. Mas, para entrar ele precisaria remover uma rocha grande da entrada, tal qual só seria possível com um Bracelete de Força encontrado numa Ilha de Fogo no meio do mar. Para entrar na Ilha de Fogo, link teria de usar um dos poderes que recebeu da Rainha das Fadas, a Flecha de Gelo, congelar o vulcão por um tempo e buscar o Bracelete no Baú de Tesouro escondido.



O mesmo ocorre na Ilha do Vento, onde o segundo sábio, o Sacerdote do Vento estaria. Nesse caso, havia um forte vento soprando que impedia a aproximação de qualquer um, e para passar por esse vento, link precisaria das Botas de Ferro, escondidas na Ilha de Gelo, tal qual só poderia ser acessada com os poderes da Rainha das Fadas, onde a ilha seria derretida com a Flecha de Fogo, e por um tempo acessível para link explorar e buscar as botas. 



Ou seja, a fada praticamente salva a aventura de link, dando as duas armas principais para ele conseguir se tornar o Herói do Vento... fada incrível não?!


Sacerdotisa da Terra
Laruto - Lartis




A primeira sábia, ou sacerdotisa, era Laruto... ou Lartis dependendo do idioma do jogo (essas trocas de nome enchem o saco as vezes... vou chamar de Laruto pois me lembra Naruto...) que era uma Zora, e respondia como Sábia da Terra... sim... Terra... é muito confuso como as coisas sucederam depois dos sábios anteriores... Antes, a Princesa Ruto, uma Zora, era a Sábia da Água, mas coisas aconteceram, sabe-se la que coisas, e um Zora acabou se convertendo em Sábio da Terra (que nem tinha um sábio desse elemento na época). Se bem que, durante o jogo Laruto se apresenta como "Sacerdotisa" não "Sábia"... mas tanto faz, afinal ela já estava morta mesmo.




Sim, Laruto havia sido assassinada pelos servos de Ganon, por essa razão o brilho da Espada havia sumido. Ela tinha como função permanecer no Templo da Terra e orar em nome da Espada, assim mantendo seu poder, mas... Ganondorf fez questão de eliminar os sábios que sobraram para que nada o detivesse...



Mas, como antes, o poder dos Sábios passa de geração pra geração, e havia um herdeiro do poder de Laruto. Alguém que carregasse o instrumento antigo que ela tocava, teria o sangue dela e assim, seria o novo Sábio da Terra. Esse alguém era ninguém mais ninguém menos que Medli, a moça pássaro.




Medli não era somente a nova Sábia/Sacerdotisa da Terra, como também era herdeira sanguínea de Laruto. Essa é a prova de que os Ornis nasceram a partir dos Zoras... agora veja a loucura: O povo, pertencente a Água, se converteu em servos do dragão do Fogo, com a sacerdotisa da Terra no meio, que evoluiu para criaturas do Vento... afinal, os Ornis tinham como principal característica a capacidade de Voar. Os caras dominavam todos os elementos!!!



Bem, link vai atrás de Medli então, ensina uma música que aprendeu com o Espírito de Laruto para ela, e a faz se tocar de que é uma Sábia...




Depois de desmaiar e ter um dueto com Laruto em seus sonhos... o que tecnicamente seria uma visão.




Posteriormente, ela o acompanha até o Templo da Terra na Ilha da Terra...


Onde ambos buscam juntos pelo altar onde ela deveria orar para a Espada ser restaurada. 



Medli carregava a Harpa de Laruto, tal qual era tão brilhante e reluzente que podia refletir a luz do sol, redirecionando a mesma. Link usa isso a seu favor durante a passagem pelo assustador Templo da Terra, que estava repleto de criaturas de Ganon, as mesmas que mataram Laruto (fantasmas, esqueletos, múmias, mãos vivas... mó terror).



Medli também podia voar, e com a música que link aprendeu no Templo dos Deuses, ele poderia manipula-la, tomando controle de seus movimentos e corpo. 



Com uma dupla dessas, não há problemas pra alcançar o altar da Terra, mas... eles não contavam com uma criatura ainda mais grotesca e poderosa no mesmo...

Fantasma Gigante
Jalhalla - Fati Triputis




Passeando pelo templo, link e Medli encontram vários desafios, criaturas e enigmas... até que link obtém um Escudo Refletor, que permitia que ele fizesse exatamente o que Medli fazia com sua Harpa, assim ambos podiam desviar a luz que entrava no templo um para o outro, redirecionando ela para abrir outros obstáculos, queimar interruptores sensíveis a luz ou até eliminar algumas das criaturas bizarras, como os fantasmas.



Quando finalmente encontram o Altar da Terra, um Fantasma Gigante surge a partir de uma máscara, composto por vários outros fantasmas menores.




Esse fantasmão começa a atacar link, que usa feixes de luz para se defender e solidifica-lo...




Assim link podia levanta-lo e lança-lo contra espinhos, dividindo ele em fantasminhas menores.



Após derrotar cada um dos fantasmas que possuíram a máscara, o fantasma grandão explode e link purifica o Altar da Terra. Com isso, Medli começa a tocar a música da terra e o espírito de Laruto surge, para acompanha-la em sua performance guiada por link e sua Batuta. 



A espada fica semi completa, e link parte para encontrar o segundo sábio, mas Medli fica no templo, orando pela Espada. (link tem uma péssima mania de deixar garotas sozinhas e desprotegidas em lugares escuros e isolados...)



Sobre o Fantasma Grandão, ele segue a mesma linha dos demais chefões do jogo, aparentando ser uma versão mais evoluída dos monstros comuns, nesse caso os Fantasmas.



Até a forma como é derrotado se assemelha a eles, e apesar dele se dividir em vários fantasminhas menores quando enfraquecido, a essência dele estava na máscara grandona.

Sacerdote do Vento
Frido - Fado




O segundo Sábio se chamava Frido, ou Fado dependendo da porcaria do idioma (parece agressivo, mas sério, essas trocas de nomes sem razão, sem tradução, são estúpidas. Ta, traduzir um título como "Great Deku Tree" para "Gran Árbol Deku" faz sentido, afinal são palavras que fazem o mesmo sentido, porém em idiomas diferentes, agora, trocar um nome só por trocar, sendo que o personagem é exatamente o mesmo, é meio idiota, e atrapalha um pouco na interpretação. Chamarei de Frido porque me lembra o Frodo).



Ele era um Kokiri, quando ainda estava vivo. Sim, ele também foi morto pelas criaturas de Ganon enviadas pelo terrível Ganondorf. Mas seu espírito surge para link na entrada do Templo do Vento, onde link aprende sua música para encontrar seu herdeiro. Nesse caso, é bem mais simples descobrir quem é o herdeiro, afinal ele pede para link encontrar alguém com um instrumento como o dele, um Violino. 



O sucessor de Frido é Makore, o Kolog que foi resgatado por link. Ele carregava um Violoncelo, mas, só porque era enorme pro seu pequeno corpinho. Na verdade era um Violino, do antigo Sábio do Vento, e quando link encontra Makore, escondido numa cachoeira, ele toca a música de Frido invocando seu espírito e fazendo Makore perceber quem era e qual sua tarefa como novo Sábio do Vento.



Curiosamente, diferente da performance de Laruto e Medli, essa tem uma participação bem mais significativa de link do que de Makore.




Rola até gratificações no final, com ambos se curvando lado a lado. 



Isso é estranho, pois Frido não era do tempo do link de Ocarina of Time, muito menos do tempo desse link, mas ambos interagem quase como se fossem amigos, mesmo sem se conhecer. Talvez, o fato dele ser um Kokiri e ter vestimentas semelhantes a de link, o fez se identificar. 

Então, Link e Makore vão para a Ilha do Vento, acessar o Templo do Vento, e la buscam juntos pelo Altar do Vento onde Makore deveria tocar seu violino e orar para que a Espada ficasse completamente abençoada. Porém, o templo estava repleto de criaturas de Ganon e desafios, o que dificultaria bastante a busca.



O Templo do Vento é como o Templo da Água em Ocarina of Time, composto por vários andares e tudo mais, a diferença dele é que não é tão complicado nem enigmático quanto o odiado Templo da Água, mas, ainda assim, é meio chatinho. 

Makore também pode ser controlado por link pela música que ele aprendeu no Templo dos Deuses...



O que faz com que sua habilidade de virar um helicóptero seja bem mais útil para viajar pelo templo. 


Também, Makore tem o poder de plantar sementes e fazer árvores crescerem...


Isso é bem útil pois link encontra um Gancho nesse templo, que permite que ele seja puxado pra superfícies de madeira, como essas árvores. Curiosamente, o Gancho não é como a Corda com Garra, mas ambos tem praticamente a mesma função... só que a Corda puxa coisas para link, e o Gancho puxa link para as coisas.


Assim que link e Makore alcançam o Altar do Vento, um monte de areia o cobre e uma criatura enorme começa a sair dela.


Bicho da Areia
 Verminus ou Molgera




Esse chefe é o único até então que não possui uma versão menorzinha perambulando por ilhas. Mas essa versão existe sim, só que todas as versões menores dele aparecem durante a luta contra ele, invocadas para atrapalhar a mira do Gancho, única arma que pode ser usada contra ele.



Link o derrota puxando sua... lingua... e golpeando ela até ele explodir. Ele fica se escondendo embaixo da areia, e quando aparece é por buracos/redemoinhos na areia que sugam link... 



Depois que esse monstro explode, a areia some e o altar fica livre, para que link, Makore e o espirito de Frido comecem a tocar. 



Durante a apresentação, o Espírito de Frido descansa em paz e passa seu título oficialmente para Makore, que se converte no novo sábio do Vento. A espada também recupera seu brilho, e se torna a Master Sword Abençoada.



Curiosamente, Verminus se assemelha com um chefe clássico chamado Lanmola, uma lagarta que se esconde na areia. Mas, aqui ele é mais um dos chefões de Ganon, bem egoísta a ponto de manter seus filhotes isolados na Ilha do Vento. Alias, provavelmente os Verminus Filhotes não foram para outras ilhas por serem totalmente dependentes de Areia, e o mundo cercado de água os ilhou.


Após obter a Master Sword Abençoada, link deixa Makore no Templo do Vento orando e vai para Ganondorf, mas... O barco falante lhe explica que ele ainda precisava encontrar os 8 fragmentos da Triforce da Coragem, para assim ser abençoado pelos deuses e então, se tornar forte suficiente para deter Ganon.



É ai que a última parte da aventura começa, onde link deveria navegar por todo o mar em busca dos mapas da Triforce, e depois pescar pelo mar os Baús de Tesouro onde os Fragmentos estavam. Cada um dos mapas se encontrava num local protegido por um enigma ou obstáculo complexo... Mas, para saber onde os mapas estavam, link teria de contar com mais uma ajuda...


Tingle




Esse cara, disfarçado de Duende, é um personagem característico de Zelda, apesar de bem estranho. Ele sempre tem o mesmo aspecto, e sempre está relacionado com os mapas do jogo... aqui, como Mapa é tudo, Tingle ganha uma presença muito mais significativa.



Tingle sempre reconhece os "link" como duendes, e demonstra respeito por ele por sua vestimenta e tudo mais. Ele é perito em mapeamento, e aqui, ele sabe traduzir mapas. Porém, ele  estava preso na Ilha Comerciante, e só passa a ajudar link depois de liberado. Link o ajuda a fugir... e com isso ganha um Comunicador para entrar em contato com ele (na real é um equipamento que usa GBA para funcionar...) e um Mapa para localiza-lo, apontando sua ilha. 



Ao conseguir qualquer mapa da Triforce, link precisava traduzir, e Tingle sabia fazê-lo, logo, sem Tingle link jamais chegaria a encontrar a Triforce da Coragem. Inclusive, Tingle quem envia via Correio o mapa "Alu-Ci-Nan-Te" que mostrava a localização dos Mapas da Triforce.


Fragmentos da Triforce da Coragem





Com o mapa em mãos, link precisava navegar em busca dos mapas da triforce, escondidos em ilhas ou em barcos, e depois, ir atrás das Triforces em Baús de Tesouro no meio da água. 



Um mapa estava sob posse de Monstros Piratas de Ganon, em alto mar. Link precisa afundar o barco principal e buscar em seus destroços o Mapa da Triforce.



Alguns estavam em ilhas, escondidos por diferentes obstáculos...


Um estava com o Barco Fantasma, um barquinho assombroso que aparecia do nada no meio do mar, dependendo da lua, e do tipo de noite.



Esse barco simplesmente sumia quando link se aproximava, e a única forma de conseguir alcança-lo era com outro Mapa, um que mostrasse a localização do Barco Fantasma. Esse mapa estava escondido em mais uma ilha. Depois de conseguir o mapa, link consegue entrar no Barco Fantasma e conquistar mais um mapa da Triforce. (é Mapa que não acaba mais rs).



Por fim, link encontra o último mapa na Ilha Oasis... um tipo de ilha de descanso da Professora da Ilha Comerciante. Detalhe, que link precisa ajudar a professora a levar seus alunos de volta pra sala de aula, depois tem de ajudar os alunos dela a dar um presente pra ela, e no fim, tem de conseguir 20 vezes esse mesmo presente. Em troca de tudo isso, link ganha dinheiro, um Coração e pra variar, Ganha os Documentos de Posse da Ilha Oasis. Sim, link ganha a Ilha pra ele! Isso porque tudo o que ele precisava era acessar uma cabana na ilha, bloqueada por uma imagem de um Mordomo, que o impedia de entrar dizendo que apenas a Professora podia fazê-lo. Mas, como novo dono da ilha, link consegue entrar na Cabana e encontrar o último mapa da triforce. 

Mordomo da Ilha Oasis


Sobre o Mordomo... é estranho, pois ele é uma mera imagem, que fala sem se mover... 



E tem várias cópias dele pela cabana... vestidas "adequadamente" para cada função...



Não é explicado o que ele é... mas talvez ele esteja vinculado com outro jogo de Zelda... que falarei no futuro. 

Gorons



Com todos os Mapas, restava apenas para link buscar os fragmentos em alto mar. No caminho link encontra Grandes Fadas, Baús de Tesouro, e Gorons.




Os Gorons agora são Viajantes Comerciantes, que navegam no mar em busca de locais para vender suas mercadorias... que são enfeites. Essa é a única aparição dos Gorons no jogo, e eles nem se quer estão relacionados com a história principal, sem templos, sem sábios, sem masmorras... eles apenas servem para uma Quest que da um poder mágico defensivo... que envolve link com sua magia impedindo que ele tome dano até seu poder mágico acabar. 



Quests são comuns, algumas são essenciais pra aventura, outras dão itens que são uteis mas não são cruciais, tipo a quest da Menina Pobre, que da um Pote no final. Os Potes servem para capturar Fadas, Água, ou Itens Regenerativos como Poções. 



Bem, infelizmente os Gorons não significam tanto nessa aventura, apesar de demonstrar que a raça deles ainda existe, mesmo num mundo envolto de pura água. 




Os Quatro Chefões de Novo


Com a Triforce da Coragem restaurada, e a Master Sword Abençoada, link vai direto para a entrada de Hyrule na Torre dos Deuses, encontrar Tetra e por um fim em Ganondorf, que havia desaparecido da Ilha do Diabo após o ataque do Dragão de Fogo.

Chegando la a Triforce da Coragem se regenera e se funde a link, abrindo o portal para Hyrule novamente...


Link encontra tudo destruído, como se algo ou alguém tivesse invadido o Castelo de Hyrule, embaixo d'água... algo praticamente impossível... tudo piora quando link vê a Estátua do Herói do Tempo destruída, e a entrada pra câmara da espada escancarada, onde era o local que Zelda estava escondida.


Ao entrar, link se depara com Zelda hipnotizada, e Ganondorf começa a falar, sem aparecer, que tudo saiu conforme o planejado, e agora ele tinha a Triforce da Sabedoria em suas mãos... 


Ele leva Zelda e coloca alguns de seus monstros para lutar contra link.

Depois, link corre para fora do Castelo e usa a Master Sword para quebrar um isolamento que Ganon tinha colocado no mesmo, e impedia a saída do Castelo para o restante de Hyrule. 


Ao fazer isso, link consegue avançar a alcançar a Torre de Ganon, onde seu maior inimigo estaria.


La, link é obrigado a enfrentar alguns desafios e derrotar os 4 chefões que ele derrotou anteriormente, em versões preto e brancas como ilusões. 


Depois disso, link ainda precisa enfrentar o Phantom Ganon novamente, e seguir a direção para qual a sua espada aponta para sair de um labirinto mágico... 


E por fim, link obtém a Flecha de Luz.


Com essa flecha, link estava mais do que pronto para destruir Ganondorf... e ele sobe a torre para encontrá-lo.

Marionete de Ganon
Ganon Puppets - After Ganon




Ao chegar na sala de Ganondorf, link encontra ele na cama com Zelda ... ( ͡° ͜ʖ ͡°)


Sério, mas ela estava desmaiada e coberta, Ganondorf só tava sentado, olhando. Quando link entra, ele começa a falar sobre seus planos, e até passa uma de sentimental, até que começa a se transformar, pelo menos parece que ele se transforma, pois atrás das cortinas não dava pra ver nada além de sua sombra se distorcendo.


De repente, cai do tento uma enorme marionete em forma de Javali Humanoide, tal qual link é forçado a enfrentar. Suas cordas, são mais do que evidentes, e link corta elas com seu Boomerang, fazendo com que o enorme boneco fique sem os movimentos dos braços e calda... porém, a corda principal, vermelha, não quebra, e o boneco fica sendo jogado de um lado pro outro... até que link atira sua Flecha de Luz recém obtida na calda do boneco... destruindo-o. 


Mas, a luta não termina, Ganondorf reprojeta o boneco e forma uma Aranha Gigante, tal qual fica pulando do teto em link... mas... link usa o reflexo do chão, cheio de água, para ver os movimentos da enorme Aranha e se posicionar de forma a ficar frente a frente com a mesma Bola traseira do boneco. Ao acertar, o mesmo se detona novamente, e uma nova forma surge.


Agora, uma forma clássica de Zelda, parecido com o Moldorm, um tipo de minhoca com a calda vulnerável que fica andando sem rumo até ser atacada na calda. Link assim faz, e destrói o boneco definitivamente. 


Mas, Ganondorf cai na gargalhada e diz que link era digno de ser sucessor do Herói do Tempo, e o desafia, pedindo para que ele suba até o teto da torre. Link então escala a Corda Vermelha da Marionete, até o teto, e lá... encontra, finalmente, Ganondorf, sem armadilhas, sem desafios, sem obstáculos... somente ele, Zelda e Ganondorf.


Batalha da Triforce


E a aventura chega ao fim, com Ganondorf atacando link com toda sua fúria, extraindo a Triforce da Coragem, depois da Sabedoria da Zelda caída... 


Em seguida, Ganondorf remonta a Triforce... curiosamente, o brilho da parte de cima da Triforce é bem maior que as demais... o que é mais uma referência ao fato da Triforce real até então ser a da Força. Mas, como Ganondorf havia extraído de si mesmo a Triforce da Força para junta-la as demais partes, o poder que movia essa realidade estava exposto. E o Rei de Hyrule o tocou. 


Com isso, o Rei deseja o fim de Hyrule, e a mesma começa a afundar de vez, sem sua proteção. 


Link e Zelda lutam contra Ganondorf, no topo da torre, enquanto a água cai, e no fim...


Link petrifica Ganondorf com a Master Sword fincada em seu crânio.


Fim de Ganondorf, fim de Hyrule, link se despede do Rei de Hyrule, junto de Zelda. O rei diz que Hyrule chegou ao seu fim, e que cabia aos jovens como Tetra e link sobreviverem no novo mundo. 






Tetra diz que irá refazer Hyrule um dia, e o rei afunda com sua cidade.


Eles até pedem para que o Rei vá junto, mas o mesmo afunda... entretanto...


No final, Tetra e link são resgatados pelos piratas e levados para terra firme. Depois, Tetra e sua trupe planejam se aventurar rumo ao desconhecido, em busca de uma nova terra para fundar a nova Hyrule. Link vai junto, porém em cima do Barco Falante... se ele ainda falava ou não... não é mostrado, mas aparentemente não... afinal o Espirito do Rei estava descansando em paz. 

Mas, um novo mundo estava para surgir... e estava tudo nas mãos de Tetra, os Piratas e link... o Herói do Vento.


Fim.

E chegamos ao fim da análise.

Espero que tenha curtido, entendido, e talvez até concordado com o que foi escrito aqui. Se, por alguma razão você nem conhecia Zelda, ou Zelda WW, espero que eu tenha ajudado a conhecer. Se por alguma razão você conhecia e discordou de algo que eu disse... nem grila, é questão de opinião e interpretação. Eu, estou feliz por ter finalmente jogado, entendido e escrito sobre esse Zelda... esperei tanto e me sinto realizado. 

Obrigado por sua atenção, e até a próxima... ah... se quiser comentar... agradeço muito mais!





2 comentários:

  1. Muito top sua análise, lembrou de bastante coisa do jogo. Zelda tem muitas relações óbvias e não óbvias com seus outros jogos, vou esperar suas outras análises ansiosamente. Continue com o ótimo trabalho cara :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr! Que bom que gostou... eu particularmente fiquei com um pouco de medo da análise não ficar tão boa, afinal eu estava empolgado de mais pra escrevê-la, e isso podia atrapalhar no resultado. Mas, show... deu tudo certo!

      Eu sei que tem muitas coisas pra falar ainda, um dia eu vou conseguir falar tudo de todos os zeldas, mas até la, quero pelo menos registrar o máximo de material possível.

      Bem, é isso. Obrigado sr e seja bem vindo.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+