PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

sexta-feira, 2 de maio de 2014

AnáliseMorte: The Legend of Zelda - A link to the past.

Zeldaaaaaaaaa!!!!

Mais uma franquia estreante no divulgante. E essa é tão boa quanto MM e SH, do jeitinho que o pai Morte gosta: Completamente mal interpretada por pseudo-fans!

Então se prepara pra leitura, pois a análise provavelmente ficará enorme... isso porque ela será dividida em umas 15 ou 16 análises diferentes... se é que não haverão mais Zelda's pela frente. 

Tentarei criar personalidade pra análise... já que será um grande trajeto, vou tentar moldar um formato próprio pro Zelda no blog... e bem... espero que fique bacana.

Taranranranranranranranranran... Cara eu to brizadão... 


Avisando: Eu vivo de spoilers, então se não quer ler, não leia. Se bobear contarei tudo e um pouco mais sobre tudo de Zelda, então na boa, se não quer surpresas, chega por hoje, vá pra outro blog, passeie com o cachorro, sei la cara... se vira! Mas não reclame depois.

Boa leitura!




Antes de começar sua leitura, que tal um pouco de música? Clique no play do vídeo e deixe o soundtrack e "Zelda - a link to the past" rolar! Provavelmente a música vai te deixar no clima pra leitura... ou não... sei la... sei que eu to ouvindo enquanto escrevo, então partiu leitura!


Como começar... hm...

Vou fazer como na análise do SH (vai que baixa um santo da digitação e eu me inspiro) contando a história de Como Conheci Zelda (sem ciumes Key, sem ciumes).


Pode pular o texto em amarelo se quiser, pois é a história de como conheci Zelda.



A muito tempo, enquanto ainda estudava, em busca de algo para afogar minhas mágoas pela rejeição de minha desaparecida amada... eu fui em busca de um título novo para meu Super Nintendo... Conversando com um antigo amigo dessa mesma moça, descobri que ele tinha em sua posse uma fita rara, chamada Zelda. 

Essa fita era um mito na minha rua. Meus amigos, da época, diziam que Zelda era o jogo mais raro do mundo, e que poucos o tinham (época pré net... hehehe).

Eramos crianças, e um dia enquanto eu ia comprar jogos pro meu Snes (trocar fitas na real, na video-locadora próxima de casa) encontrei uma fita, com capa dourada, escrito "Zelda". Sem imagem, sem nada, apenas o título... tipo assim:



Dai perguntei aos meus amigos se eles conheciam esse jogo, e eles disseram do mito dele, da preciosidade dessa obra de arte, mas eu na curiosidade pra saber mais, me decepcionei, pois o dono não quis trocar o Zelda pelo meu jogo do Mario... a menos que eu desse 50 reais de retorno e bem... eu não tinha grana...

Fiquei com a curiosidade sobre esse título pairando por minha mente até o dia em que descobri que meu colega de escola possuía uma fita, e melhor: Ele queria emprestar!

Daí um dia, numa noite aliás, fiquei embaixo da chuva esperando ele voltar, numa rua que eu nunca tinha pisado na vida (velho, aquela época eram altas aventuras pra ter um jogo...) e consegui a fita.

Ao jogar, descobri um novo título maravilhoso, e hoje a nostalgia bate só em lembrar do nome. Viciei na saga, e decifrei o título, e bem... vou compartilhar minhas descobertas contigo.

Nem tudo que eu disser é plena novidade, podem haver coisas que citarei e bem, são batidas e todo mundo já sabe. Da mesma forma, haverão coisas que direi e bem, você se surpreenderá.

De início, preciso mencionar: A cronologia oficial da Nintendo... "pif"... um dia entenderão porque digo isso.


Começo


A link to the past não é o primeiro jogo da franquia Zelda. Tecnicamente é o 3° jogo, lançado em 1992 (1 ano depois que nasci, brinca) para Super Nintendo.

Decidi começar por ele por que, foi por ele que comecei. (mas hein?!) 

Zelda (the past) é um jogo estilo aventura, visto de cima, algo visualmente inovador pra época da snes e tipo, é um jogão! Enorme em enredo, jogabilidade e exploração. Todo o mapa é explorável (com pequenas limitações) mas o fato de tudo poder ser visitado naquele quadrado mapeado é show, te da uma sensação de grandiosidade, além de claro, estimular exploração e dificultar o jogo, pois quanto mais caminhos a se seguir, mais difícil fica.


No jogo assumimos o papel de um garoto de cabelos... hm... escuros. Rosados na realidade, o que define eles como claros? Talvez castanhos... é... cabelos castanhos! O cabelo do garoto é castanho claro, tingido de rosa pelo sistema do Snes!

Esse garoto acorda, convocado pela princesa Zelda, para salva-la de um perigo que assombra o reino. Ele então parte para essa aventura, sem ter noção nenhuma do porque foi escolhido para tal... então...

O jogo se chama Zelda, mas você não joga como Zelda, joga como "Link". 


Geral até faz piada pois normalmente, jogadores estreantes erram ao se referir a "Link" como "Zelda", pois geralmente o jogo leva o título do protagonista (quando é um nome próprio) tipo Mario, Donkey Kong, Mega Man... mas nesse caso, o título é da princesa, não do herói. 

Mas fique sabendo você, que chamar "Link" de "Link" também está "errado"!!!

Piada a parte, o nome do herói também não é única e exclusivamente "Link". 

E tem jogo melhor pra explicar isso que o "a LINK to the past"? rs...

A palavra "link" em inglês significa "Elo" ou "Ligação" em tradução livre para o português. No título desse jogo, ela significa "Um(a) ligação/elo com o passado", que deixaria o título como "A lenda de Zelda - Um elo com o passado".


O nome do herói que controlamos é escolhido por nós mesmos, no inicio do jogo. Ele tem o nome que quisermos dar, pois o criador teve a brilhante ideia de usar a personalidade do jogador como sendo a do herói. Não que isso mude algo no enredo, porém da a impressão de que aquele herói em busca de salvar a princesa é o próprio jogador, e tem algo mais fofo que isso?!

Pode ser até por isso que o jogo se chama Zelda, afinal não tem como renomear o jogo com o nome do jogador... seria... confuso não?!

O fato do herói também não falar (sim, ele não fala) é porque ele tem a voz do jogador, e bem... não da pra por a voz do jogador no jogo (então se você é daqueles que grita com a televisão enquanto mata monstrinhos, dizendo "Morre Maldito Morre!", orgulhe-se: Você joga Zelda certo!)

Ai vem o porém: Porque todo mundo chama ele de Link?!

Bem, oficial ou não, "Link" não é um nome. É apenas um título para o avatar do jogador. O herói é denominado dessa forma para facilitar sua referência, mas o nome dele não é "Link", nem nunca será "Link", a menos que você seja como eu (e a maioria dos jogadores) e coloque o nome dele de "Link" sempre que for jogar.

Mas bem, se alguém te criticar por ter chamado ele de "Zelda", o nome dele é você quem coloca, se quiser chama-lo de "Patrícia", é o nome dele! Pois ele é você, ele é seu, ele é o que você quiser que ele seja. Esse é o propósito de link em Zelda. Então é só rebater a crítica com essa lição de verdade e deixe o espertão envergonhado.

Então a partir de agora, sempre que for me referir a ele, direi link, com letra minúscula mesmo, afinal, ele é apenas um link, de acordo?!

Além de link, tem a adorável Zelda.

Zelda é a princesa da família real de Hyrule. 


Ela é a mais sábia da família real (literalmente) e acaba perdendo seu pai durante um ataque de um mago que tenta tomar o reino. 

Esse mago em busca de realizar seus planos maléficos, captura as descendentes dos 7 sábios que selaram o Mundo das Sombras no passado, e usa elas através de um tipo de ritual de sacrifício para quebrar o selo, pois somente os sábios ou seus descendentes tem esse poder. 


Zelda é a última descendente dos sábios que seria "sacrificada" para finalizar o dito ritual. 

Ainda em seu cativeiro, Zelda convoca link e seu tio telepaticamente (habilidade sábia dela) e pede para que ele a resgate. 


O tio de link tenta fazê-lo porém é ferido pelos soldados de Hyrule que estavam sendo manipulados pelo mago, e passa sua espada para link continuar sua missão.


Link (maiúscula porque começou a frase viu) consegue tirá-la em segurança de uma jaula em seu próprio castelo... 


E através de uma passagem secreta, deixa ela numa igreja próxima ao Castelo de Hyrule. Mas por causa disso, link é considerado um bandido e é perseguido por todo o reino, como sequestrador de Zelda.

Juro que na primeira vez que joguei, achava que a história era de um cara que foi proibido de se casar com a mocinha, dai sequestrou ela, foi caçado pelo rei, e gerou toda a merd4 do jogo só porque o rei não queria que eles se casassem... tudo por causa do visual da Zelda. 
Zelda explica para link o que houve e pede para que ele encontre a Master Sword, uma espada mística capaz de ignorar as magias do maldito mago, e usa-la para impedi-lo de continuar com seus planos. Só que enquanto link busca pela espada e os itens que comprovem que ele é digno de empunha-la, Zelda é capturada novamente e usada no ritual pelo maldito mago.


Esse mago, chamado Agahnin, é um desgraçado traíra, que busca pelo domínio de Hyrule. 


Ele foi responsável pelo assassinato do rei de Hyrule, e seu principal objetivo e fazer a merd4 ganhar forma de cone com bolinhas amarelas. 


Ele busca por um antigo mal chamado Ganon, selado no Mundo das Sombras, e seu principal e maior objetivo é usar esse mal e a Triforce para dominar tudo e todos. Ele até chega perto de liberar esse mal (na verdade ele consegue) porém link usa um poder antigo da Master Sword para impedir que esse mal se liberte do Mundo das Sombras, destruindo ele ali mesmo!

Essa fan arte mostra o tamanho da maldade de Ganon... sqn
Link (começo de frase) é orientado por um antigo ancião de Hyrule chamado Sahasrala à se aventurar pelo universo paralelo pertencente ao Mundo das Sombras e lá, encontrar e libertar as descendentes dos sábios que foram usadas no rompimento do selo, para que assim, tenha poder suficiente para impedir que Ganon seja completamente liberado por Agahnin e o mesmo alcance a Triforce.


Correndo contra o tempo, link consegue de fato salvar as sábias... 


E no fim, usando seus poderes, consegue lutar e destruir Agahnin, e de quebra, derrotar e selar o próprio Ganon. 


Com isso, ele acessa o poder da grandiosa Triforce e com um único desejo, resolve todos os seus problemas.


Ele consegue reverter todo o mal causado por Agahnin e fazer com que Hyrule retorne ao que era antes, inclusive com todos os habitantes restaurados a suas formas originais e "ressuscitados", como se nada tivesse mudado.

Doideira né?!

Legal que nesse meio tempo, Agahnin faz mó algazarra. Ele faz um monte de pessoas serem levadas para o Mundo das Sombras e la elas são torturadas, mortas, convertidas em monstros... é tenso...  sorte que a Essência da Triforce apareceu...

O Mundo das Sombras é um universo paralelo onde a pessoa ganha a forma de seu "Eu interior".


Funciona como um mundo inverso ao real, porém apenas fisicamente falando. E inclusive, esse mundo pode interferir no mundo real, alterando aspectos físicos e coisas do tipo. Tem gente que acha que é o "passado/futuro", pois tem partes no jogo em que você tem de fazer uma coisa num mundo, que causa inversão no outro, mas o principal motivo dessa inversão é isso: 

A realidade do Mundo das Sombras se remodula de forma inversamente proporcional ao do Mundo da Real (etaa)

O herói link consegue, graças a um Espelho Sagrado e a Master Sword Abençoada, alternar entre os dois mundos, mas de inicio isso não é fácil, pois até ele é transformado la. Ele recebe a forma de seu eu interior, um tipo de coelho rosa e inocente, incapaz de lutar. 


Ele só consegue tomar sua forma heroica após obter um Orb especial que impede que os efeitos do Mundo das Sombras o afetem, permitindo que ele conclua sua missão e salve Hyrule.

Ele também encontra diferentes roupas, armas, e itens que o melhoraram como herói e o tornam mais versátil.


Enfim, a história do jogo é basicamente essa. 

Achei que seria mais complicado de explicar mas pior que foi bem facinho.

Como Zelda's sempre acabam falando de dois universos distintos, achei que me embaralharia todo falando do Mundo das Sombras, mas nem foi tão difícil defini-lo.

O Mundo das Sombras aparece outra vez na franquia Zelda, em Zelda Twilight Princess, porém la as coisas ficam um pouco mais obscuras... deixo pra falar disso na análise dele.

Há elementos que não citei, como as fadas. Elas são fadas que servem pra curar link, só isso. Tem uma gordona que melhora as armas de link e uma magrinha suprema que também faz isso, escondidas em locais secretos. 


(provavelmente a gorda e a magra são a mesma fada, porém uma ta influenciada pelo Mundo das Sombras... a gorda eu acho)

Eu mencionei Ganon, mas ele nem é mencionado com muitos detalhes nesse jogo. Mas pra facilitar a compreensão de quem esse ser é, e porque ele é tão temido, aqui vai um pequeno resumo sobre ele:

Ganon é um antigo demônio, literalmente falando, que foi responsável por muita destruição no passado e já tornou Hyrule um verdadeiro inferno. Ganon foi selado no Mundo das Sombras, por ser imortal, e ainda assim, la ele conseguiu dominar tudo e se tornar um verdadeiro deus. 

Foi preciso o poder de 7 sábios para sela-lo, que também são os únicos capazes de libera-lo. 


Mas isso só foi um sucesso em duas das três realidades da Triforce. Em uma delas, Ganon conseguiu matar um dos sábios antes de ser selado e causou um distúrbio no selo, facilitando sua libertação.

Ficou confuso com essa última parte? Eu só lembrei da Triforce agora acredita? Vou falar dela e explicar o negocio das 3 realidades da Triforce.

Triforce é um item divino capaz de abrir caminho pro Mundo Sagrado. Ele também é capaz de criar um universo inteiro, e dar vida a qualquer desejo. É tipo... a relíquia mais preciosa de Hyrule (e dos universos).

Mas a Triforce deixou de existir por completo por causa de alguns eventos do passado, e se dividiu em 3 partes: Sabedoria, Força e Coragem.



Cada parte da Triforce deu vida a uma realidade inteira, moldada para cada um dos 3 indivíduos escolhidos por elas: Zelda, link e Ganon.

A Triforce se mantém separada porém a necessidade de ser reunida fez com que os 3 universos distintos caminhem paralelamente, repletos de ramificações entre eles, para que um dia, os 3 detentores da Triforce se reencontrem completamente e conectem a mesma novamente, corrigindo a enorme falha que foi dividi-la.

A Triforce é tão poderosa que foi capaz de estender sua influência através do tempo e espaço, e bem... nasceu a maldição da família de Hyrule, eternamente perseguida pelo mal de Ganon e seus feiticeiros e protegida pelo herói link e seus descendentes links. 

Mesmo dividida, o poder da Triforce é pleno, o único problema é que uma vez que as 3 partes forem reunidas, apenas uma das 3 realidades principais poderá manter-se existente, e as demais apenas deixarão de existir. 

Zelda a link to the past, é só um dos muitos Zelda's existentes por conta da Triforce. E as coisas se tornam ainda mais bagunçadas com o tempo... mas isso eu explico na próxima análise. 

Antes de terminar, vou aproveitar pra citar os monstros... só os inimigos principais, e apenas citar... pode ser interessante no futuro ter eles catalogados no blog, pois alguns reaparecem em outros games.


Armor Knight



O link enfrenta 6 de uma única vez. Eles são armaduras petrificadas que se movimentam sincronizadamente. 


Aparentemente são apenas armaduras de pedra encantadas mesmo, sem nada por dentro, criadas por Agahnin.

Lanmolas



São minhocas que entram no chão e enfrentam link na areia. 


Ao que tudo indica são apenas monstros comuns, com o diferencial de poder se esconder abaixo do solo e se misturar uns com os ouros, confundindo um pouco durante a luta. 


Moldorm





Esse é um dos chefes mais básicos do the past. Ele é praticamente invulnerável, mas anda totalmente desorientado. A única parte sensível do corpo dele é sua calda, a ponta, mas como ele tem pernas por todo corpo, fica andando em espiral, o que dificulta encostar em sua calda sem ser ferido. 


Algo interessante da fase dele é que, a qualquer momento o jogador pode cair pra fora da tela e voltar alguns andares pra baixo, forçando link a reiniciar a batalha com o chefão, do inicio. 


Tenso né?!



Agahnin



Ele é fraco... 


Lembra Mario Tenis durante as lutas, pois tudo que sabe fazer é jogar magias, umas que podem ser rebatidas para feri-lo e outras não... 


Simples né?! Ele é um dos primeiros e também o penúltimo chefe do jogo.


Perto do fim em sua última luta, ele até tenta apelar pra clones, mas é fácil distinguir o verdadeiro pois suas ilusões são transparentes... burro não?!


Helmasaur King



Esse dinossauro estranho é forte, tem uma ótima defesa, mas só por causa da máscara. 


Depois que ela quebra, destruí-lo se torna uma tarefa fácil pra link. 


Ao que tudo indica, é mais um monstro gerado por Agahnin.

Arrghus



Essa coisa tem umas fumacinhas que a protegem, mas no final não é tão difícil de derrubar. 


Chato dela é que tem de se evitar essas fumacinhas. 


Com o Gancho, tem que puxar uma a uma até ela ficar desprotegida e sair pulando e correndo feito retardada pelo mapa.


Mothula




Essa borboleta é muito chata, principalmente pela fase em que ela aparece, que é cheia de espinhos nas paredes e chão móvel... 


 Pior que ela praticamente não faz nada além de voar de um lado pro outro e de vez em quando lançar lasers...


Da até alegria de vê-la queimar.


Blind




Esse é um dos chefes mais marcantes, já que ele anda com link boa parte do templo/tempo...


Ele é um vampiro, que se passa por uma das sábias a ser salva por link... 


Até prendê-lo numa sala escura, sozinho, para atacá-lo. 


Se não fosse pela astúcia de link em abrir o teto e iluminar a região, revelando a real identidade dessa coisa, provavelmente ele jamais sairia (vivo) da gruta desse monstro.


Kholdstare




Um monstro protegido por gelo que fica paradão e ataca com gelo caindo do teto.



Link destrói a camada de gelo dele liberando o mesmo que se divide e se joga de um lado pro outro da arena glacial. 


É um daqueles chefes que não tem ideia do que ta fazendo, mas faz.


Vitreous





Manjado chefão dos múltiplos olhos do mal! 


Ele é bem famoso em Zelda, e sempre da as caras (olhos). 


Ele usa os olhos menores pra proteger o maior, mas no final ele mesmo vai pra cima, daí é só usar a espada coberta com um pouco de detergente que ele cede facinho. 



Trinexx



Um tipo de tartaruga gigante com 3 cabeças de elementos diferentes. 


Esse é o último chefão (desconsiderando o mago e o Ganon), e realmente faz jus ao título de fodão. 


Ele é difícil e osso duro de roer... mas link o derrotou usando o elemento de uma cabeça contra a outra, esperto não?!


Isso porque a Tartaruga decide virar "cobra" depois de perder suas duas cabeças... mas ai já é tarde demais pra mudar a estratégia de batalha, e a tadinha definha.

Ganon



Dispensa comentários... ele caiu na base da flechada de luz. 


Fraco pacas, também, ele só tem uma forma...


Se desconsiderar o fato dele ter usado o corpo de Agahnin... 


E bem... ter virado um morcego de sombras (complexo de drácula)... 


Enfim... ele só tem uma forma como oponente, e seus ataques trapaceiros de se esconder no escuro. 


Tem que ver a versão dele no Twilight Princess... rs...

Rei Zora


Ele não é um chefão, mas é o Rei Zora dessa versão. Achei uma boa mostra-lo, pois apesar dele só entregar os pés de pato para link poder navegar, ele é quem lidera os Zoras (que aqui são inimigos), e isso é bem curioso mais pra frente. 


Zoras aqui são monstros irracionais, tirando o rei... mas nem sempre eles foram assim, figuras monstruosas... ou nem sempre serão... 

Deadrock


Dentre tantos monstros diferentes no jogo, alguns bem mais característicos e recorrentes nos demais, existe um que pode ser bem significativo. Esse é o chamado deadrock, um monstrinho marrom que fica perambulando de um lado pro outro na Death Mountain, único local onde aparece. O principal diferencial deles é que, eles se tornam invulneráveis ao serem golpeados, se convertendo em pedra, pura pedra, por um tempo. 


Isso é muito curioso, afinal, existe uma criatura bem importante em Zelda, na franquia, conhecida por ser habitante da Death Mountain, se alimentar de pedras e inclusive, se tornar pedra, por ser composta de pedra. Essa criatura, que falarei melhor no futuro, em outras análises, se chama Goron, e como os Zoras, são de uma raça muito importante pra franquia, que ganhou bem mais espaço e significado nos demais jogos.

Goron e Deadrock

Isso implica numa curiosa interpretação: Gorons e Zoras, que no futuro ganharam mais forma, espaço e principalmente, se converteram em raças inteligentes, aqui são somente monstros, estranhos e feios, sem grande significado. Pois bem, essas raças evoluirão um dia, e se converterão em verdadeiros aliados de Hyrule, o que indica que o "A link to the past", junto com outros jogos que seguem a mesma linha temporal dele diretamente, ocorrem no passado, numa época mais simples. 

Importante mencionar isso, pois no futuro servirá pra explicar a complexa cronologia de The legend of Zelda. 

Faltou falar das armas e equipamentos... mas acho que esse gif já basta pra apresenta-las:


Tem tudo isso.

Bem, agora sim, acho que da pra encerrar. Se faltou algo, eu completo depois. To com sono agora.

Espero que tenha curtido. Ficou simples, eu digitei algo simples pra sabe, não enrolar de mais, afinal ainda tem muito chão pela frente.

8 comentários:

  1. rapaz esse jogo dispensa comentarios eu me diverti muito cortando graminha nesse jogo,parabens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saca... o post continua nos comentários:

      Cortar graminha atrás de itens e moedinha é algo característico de Zelda. Eu nem falei disso na análise porque... quis ser meio direto manja. Se eu for falar cada detalhezinho do jogo vou fazer análisesmorte enjoativas, e não é isso que quero.

      Mas eu também, cortei muita grama e quebrei muitos vasos em minha jornada rs... quem não faz isso não vive Zelda.

      Que bom que gostou... tem certeza que ficou bom? Demorei apenas algumas horas pra fazer e pela velocidade fiquei preocupado com a qualidade do trabalho... enfim... que bom que gostou...

      Té a próxima né! E vlw pelo apoio.

      Excluir
  2. Da hora cara!
    Eu pensava q havia um lance de reencarnaçao, q na vida passada ele fosse um coelho... ha ha, nada a ver
    E ai bro, vai passar pra geraçao 64 e nos contar sobre ocarina of time

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu to pra terminar a análise do Zelda Ocarine of Time 3DS, depois farei da versão Master Quest 3DS e da versão original, as 3 em uma só, pois no caso desse Zelda, o 3DS é um remake que não mudou nada a história, nem as sequências... apena melhorou de mais o gráfico e juntou os 2 jogos (normal e quest) em um só.

      Eu iria escrever dele primeiro, mas como já tinha o que escrever sobre o a link to the past, e um amigo meu no forum da soli me pediu por ele... não tive outra escolha a não ser essa hehe...

      Mas fica tranquilo, não da pra ir longe em Zelda sem falar de Ocarine of Time e Majora's Mask.

      Muita gente criou respostas para o que viu em A link to the past. A ausência de diálogos explicativos com detalhes deixou muita coisa em aberto e difícil de se interpretar. Pra piorar tem essa droga de "past" no nome... que induz o jogador a acreditar que está viajando no tempo, mas não é isso, pelo menos nesse jogo não hehe. Na verdade, o nome indica que esse seja um jogo ligado diretamente com uma história do passado,um outro jogo que envolva sábios, selamentos, mal, master sword e triforce... e bem... eu conheço alguns que se encaixam bem nesse padrão, e você?!

      Excluir
    2. Quer saber
      Ainda na plataforma sness, a um jogo que brinca com o tempo, o entao chamado; Chrono trigger
      Parece q os jogos de sness sempre te dexam c aquele gostinho de queiro mais, e deste se originaria the; Chrono cross ( esse "H" zinho e uma desgraça no ingles, eu espere q esteja certo) para playstation one

      E outro jogo que e uma viagem k
      Seria; Prince of Persia
      Para plataforma playstation II ( q tem versoes em outros consoles, mas me parece q nao e sobre viagem no tempo)

      Esses sao os mais frescos em minha memoria, e os que poderiam render assunto

      Excluir
    3. Chrono Trigger

      Me recuso a escrever sobre ele. Fiquei travado, por duas vezes, em duas tentativas separadas por anos, no mesmo maldito local: O Relógio Gigante.

      Decidi nunca mais se quer imaginar pensar em começar a jogar esse jogo de novo. Ele é ótimo... mas por causa do relógio cara, nem! Eu até faria um sacrifício se tivesse saído mesmo aquela versão em 3D com gráficos de DBZ que tava sendo feito com fans a alguns anos, mas os caras tiveram de abandonar o projeto por causa de "direitos autorais" do título... mancada né?

      Cross entra na mesma linha... é um título que eu perdi. Nem me interesso por ele. E pior que é um bom título =/.

      Prince of Persia... só falar qual!

      Cara, na boa, vou postar uma lista com os jogos que joguei e analisei (mentalmente) pra galera saber do que posso escrever por hora.

      Mas Prince of Persia... joguei todos de PS2, Xbox e Wii.... rs... a franquia (da nova geração) inteira... e também vi o filme (uhu) e gostei.

      E conheci o título pela versão do Snes, que alias, eu nem consegui zerar. Aquilo era jogo treta. Eu cheguei a cair no inferno (?) mas não zerei... minto... eu sai do inferno e lutei contra o rei... pera... eu zerei sim! Carak... sou fod4...

      Excluir
    4. Shady é uma pena vc não ter jogado chrono cross é um dos jogos bonitos que já joguei ... o jogo é uma pintura ... a trilha sonora é inacreditável ... melhor JRPG da minha vida ...

      Da uma olhada na open do game: https://www.youtube.com/watch?v=923fVDDwaHo

      Da uma lida na palavra de abertura ... de arrepiar, não?

      Excluir
    5. Chrono Cross.... vou ver se jogo sr Rui.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+